Boletim Técnico - Relato de Caso: Utilização de uma pomada cicatrizante a base de Vitamina A e Ureia como tratamento auxiliar na cicatrização de ferida de pele após a amputação de membro posterior em uma égua

Empresa

Vetnil

Data de Publicação

01/09/2015

PDF

Produtos Relacionados

Marcio Silveira Nunes(1); Guilherme Araujo Collares da Silva(2); José Pedro Rocha De Abreu(3); Luciana Araujo Lins(4).

(1) Faculdade de Veterinária, Universidade da Região da Campanha – Urcamp (Campus Bagé) – [email protected]

(2) Faculdade de Veterinária, Universidade da Região da Campanha – Urcamp (Campus Bagé)- [email protected]

(3) Faculdade de Veterinária, Universidade da Região da Campanha – Urcamp (Campus Bagé)- [email protected]

(4) Faculdade de Veterinária, Universidade da Região da Campanha – Urcamp (Campus Bagé)- [email protected]

INTRODUÇÃO

O processo de cicatrização de feridas em equinos ocorre em três fases distintas, sendo elas: fase infl amatória, fase reparativa ou de proliferação e a fase de maturação, ou contração e epitelização (Knottembelt, 2003). A cicatrização de ferimentos em equinos é, frequentemente, prejudicada pela formação de excessivo tecido de granulação. Esse tecido exuberante pode interromper a cicatrização impedindo a contração da ferida e a epitelização (Engelen et al., 2004). O processo cicatricial de feridas em equinos depende da temperatura na cicatrização de lesões e está aparentemente relacionado ao seu efeito no tônus vasomotor periférico.

Diminuições na temperatura ambiental exercem uma vasoconstrição refl exa autonômica, que reduz a microcirculação local, através da diminuição da oxigenação e nutrição tecidual (Neto, 2003). Além da formação de tecido cicatricial exuberante, a cicatrização nos equinos também é prejudicada por diversos fatores, como presença de tecido necrótico, movimentação do local da lesão, focos de contaminação, entre outros fatores (Knottembelt, 2003).

O princípio do tratamento de feridas em equinos é a minimização destes fatores. O uso de agentes cicatrizantes tópicos associado a antibióticos são úteis neste processo, porque favorecem a epitelização e minimizam a ocorrência de contaminação (Knottembelt, 2003).

A vitamina A e seus derivados, chamados de retinóides, regulam a proliferação e diferenciação celulares, desempenhando importante papel no desenvolvimento e crescimento normais e ainda no tratamento dermatológico, na supressão da carcinogênese, artrite, além de outras condições clínicas (Gouvea e Junior, 1999). Outro agente importante no processo de cicatrização é a uréia, por apresentar efeito hidratante e capacidade de retenção de água na barreira epidérmica. Sua presença natural no estrato córneo está evidenciada na literatura, constituindo cerca de 7% do Fator de Hidratação Natural (Addore et al, 2009).

O objetivo deste trabalho é avaliar o uso de um composto cicatrizante a base de vitamina A, ureia e antibióticos no processo de cicatrização por segunda intenção de ferida cirúrgica pós-amputação de membro posterior em uma égua.

METODOLOGIA

Foi avaliada uma égua, da raça Crioula, com um ano e meio de idade que foi submetida à amputação de membro posterior, ao nível da articulação tarsometatársica. Devido à deiscência de pontos, por ser uma região articular de grande mobilidade, foi optado por cicatrização por segunda intenção.

O tratamento foi realizado inicialmente com limpeza e desinfecção da ferida, além de debridamento do tecido granulomatoso. A aplicação da pomada era realizada duas vezes ao dia, após limpeza da ferida, sendo priorizados os bordos da ferida, buscando a reepitalização. Após a aplicação da pomada a base de vitamina A, uréia, sulfa e gentamicina, era utilizada bandagem, com a finalidade de proteção da ferida e evitar o crescimento de tecido cicatricial exuberante.

A avaliação do processo de cicatrização foi realizada a cada 15 dias, sendo baseada na avaliação externa, fotografi as, medição dos diâmetros horizontal e vertical, presença e grau de contração e presença de infecção. A medição dos diâmetros foi realizada com auxílio de paquímetro e foi considerada como medida fi nal a média entre os dois diâmetros.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Foi descrito o uso de um composto tópico a base de vitamina A, ureia e antibióticos no auxilio a cicatrização por segunda intenção ferida em uma égua. A ferida foi produzida após cirurgia de amputação tarsometatársica, sendo optado pelo processo de fechamento por segunda intenção, devido á deiscência dos pontos. Por ser uma região articular, a grande mobilidade imposta sobre a ferida, se tornou um agravante para o fechamento, porque, segundo Knottembelt (2003), esta movimentação retarda o processo de cicatrização. Para o mesmo autor, a formação de tecido de granulação interfere de forma negativa no processo, sendo este fator também evidente no caso descrito.

O uso de pomadas cicatrizantes durante este processo é de fundamental importância para auxiliar no processo cicatricial. Neste relato, foi utilizada uma pomada a base de Vitamina A, que é um composto essencial para o crescimento, desenvolvimento e manutenção do tecido epitelial, de acordo com a descrição de Boehm et al. (1995). O uso deste composto parece ter acelerado o processo de cicatrização, porque o diâmetro da lesão reduziu de 101mm para 35mm durante um período de 90 dias Tabela 1, apesar de a mobilidade na região da ferida ainda estar presente.

A ureia é um agente hidratante muito utilizado devido à sua capacidade de retenção de pele (Loden M. 1996). Este princípio ativo pode ter auxiliado na manutenção da umidade da ferida, impedindo que esta se tornasse ressecada.

A Gentamicina é um antibiótico bactericida aminoglicosídeos que age por inibição normal na síntese proteica de microrganismos suscetíveis Andrade (2008). As sulfonamidas atuam inibindo competitivamente as reações enzimáticas envolvendo ácido para-aminobenzóico (PABA) Andrade (2008). O uso destes antibióticos limitou a ocorrência de contaminação da ferida.

Tabela 1:Avaliação do diâmetro, presença de epitelização e contaminação em ferida cicatricial cutânea em uma égua durante o tratamento com vitamina A, ureia e antibióticos

CONCLUSÕES

Pode-se concluir que a pomada utilizada á base de vitamina A, ureia e antibióticos foi efi caz em auxiliar o processo cicatricial em ferida de pele em cirurgia do membro posterior esquerdo de uma égua.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Brazilian journal of veterinary research and animal science /Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.- Vol.27 (1990) São Paulo ISSN 1413-9596.

Derek C Knottenbelt,Handbook of EQUINE WOUND MANAGEMENT(2003)

Wilmink JM, Stolk PWT, Van Weeren PR. And Barneveld A. Diffe rences in second intent ion wound hea ling between horses and ponies: macroscopical aspect S. Equine Vet J 1999;

Corsi, R.C.C., Corsi, P.R., Pirana, S., Muraco, F.A.F., Jorge, D. Cicatrização das feridas - revisão da literatura. Revista Brasileira de Cirurgia, São Paulo, v. 84, n.1, p.17-24, Jan./Fev. 1994.

Silvia FRANCO ANDRADE, MANUAL DE TERAPEUTICA VETERINÁRIA, ano 2008.

Elias PM; LaDonna CW; Feingold KR. Epidermal Pathogenesis of infl ammatory dermatoses. Am J Cont Derm. 1999;10,(3):119-126.

Loden M. Urea-containing moisturizers infl uence barrier properties of normal skin. Arch Dermatol Res. 1996;288(2):103-7.