Pneumonia em Bezerros – Tudo que você precisa saber

Empresa

Syntec

Data de Publicação

13/03/2019

PDF

Produtos Relacionados

A pneumonia é uma afecção grave que acomete o sistema respiratório dos animais. É motivo de preocupação de vários produtores devido ao fato dos animais doentes apresentarem uma queda acentuada na sua produção diária, trazendo prejuízos financeiros. Essa queda na produção está diretamente relacionada com as condições de bem-estar do animal, que ao sofrerem com a dificuldade respiratória, entram facilmente em uma condição de estresse.

Quando atingem esse estágio, é comum observar menor consumo de alimentos com diminuição da eficiência do sistema imunológico, predispondo o desenvolvimento de doenças secundárias.

Além dos prejuízos causados pela queda na produção, também devemos considerar os gastos com os serviços veterinários, medicamentos e mudanças pontuais no manejo. No artigo de hoje, iremos abordar tudo o que você precisa saber sobre a pneumonia em bezerros a fim de garantir uma boa condição de vida ao animal e evitar possíveis perdas econômicas.

Causas

Conforme dissemos a cima, a pneumonia é uma infecção que atinge o sistema respiratório, sendo caracterizada por afetar especificamente os pulmões (podendo ser apenas um ou os dois).

Existem diversas causas que podem desencadear essa patologia, como uma infecção bacteriana (Pasteurella sp, Mycoplasma sp, Streptococcus pneumoniae), viral (Herpesvírus tipo-1, Vírus da Diarreia Viral Bovina), verminótica (Dictyocaulus viviparus) ou até mesmo pela aspiração de um conteúdo que não deveria ir para o trato respiratório, a exemplo da serragem presente na cama ou de um alimento que desceu pela via errada durante um engasgo.

Nesse caso (pneumonia aspirativa), o sistema imune identifica esse corpo estranho como um invasor e ativa todos os mecanismos de defesa (infecção e inflamação) com a intenção de elimina-los. No caso de uma infecção provocada por um agente infeccioso, como as bactérias e vírus, a situação é um pouco diferente.

Muitas vezes esses microrganismos fazem parte da microbiota do animal e só causam a infecção em uma circunstância de oportunismo. Isto é, quando as bactérias se multiplicam excessivamente devido à a algum problema que afete a imunidade. Essa queda no sistema imune pode ser desencadeada pelo manejo nutricional inadequado, superpopulação, adaptação ao confinamento e transporte.

Outra possibilidade para explicar essa condição são as doenças autoimunes (o próprio corpo ataca as suas células), mas não é o motivo mais comum. Além desses fatores citados, não podemos deixar de falar sobre o clima que influencia bastante no aumento do número de casos. Não existe uma regra, mas pesquisas mostram que a incidência dessa doença aumenta quando o clima está frio e seco.

Sintomas

Os sintomas apresentados podem variar muito de um animal para o outro. Entretanto, os mais vistos são: secreção nasal (purulenta ou não), aumento da frequência respiratória, dificuldade para respirar, mucosas arroxeadas, tosse seca, presença de sons respiratórios incomuns, perda de peso, falta de apetite, febre e apatia.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com base na análise dos sintomas apresentados aliado aos exames físicos e laboratoriais. Para confirmar o caso clínico, é fundamental fazer a coleta de material nasal, traqueal com auxílio do swab e, em seguida, enviar para análise. É importante fazer o diagnóstico diferencial com a tristeza parasitária. Por conta da apatia e da ocorrência nessa idade, é importante analisar outros sintomas como anemia, palidez das mucosas e desidratação para diferenciar as duas enfermidades.

Prevenção

A principal maneira de prevenir a pneumonia é reforçar o sistema imunológico dos animais. Quando falamos de bezerros, estamos nos referindo a animais jovens e, portanto, de um organismo que ainda não possui mecanismos de defesa totalmente eficientes. Para garantir uma boa imunidade, é indispensável o fornecimento de colostro de alta qualidade logo após o nascimento.

O colostro é o primeiro leite que a mãe libera e consequentemente o primeiro alimento do bezerro. É composto por uma ampla quantidade de anticorpos e nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Dessa forma, para que tenha uma absorção intestinal completa e melhor aproveitamento no organismo, é preciso orientar o cuidador a alimenta-los nas primeiras 36 horas de vida.

O sistema de criação

Após essa fase inicial, o próximo passo é definir qual será o melhor sistema de criação. A maioria das propriedades trabalha com dois sistemas, sendo eles a criação coletiva e a criação individual. Como o próprio nome sugere, a criação coletiva consiste em um convívio social, que não é muito indicado quando o objetivo é prevenir o contágio de doenças. Já o sistema individual é mais interessante por oferecer alguns benefícios no processo de prevenção.

Nesse modelo é possível ter um acompanhamento mais detalhado de cada animal, permitindo detectar em um curto espaço de tempo qualquer alteração importante. Além disso, no sistema individual é mais fácil controlar a quantidade de alimento consumido por cabeça, pois não existe a possibilidade de disputas pela dominância.

A grande vantagem é em relação a disseminação da doença, uma vez que em um ambiente com mais de um animal é muito mais fácil que os agentes infecciosos sejam transmitidos de um para o outro. Também é preciso ficar atento a outros fatores que são decisivos para prevenir o aparecimento da pneumonia, como falhas durante a cura de umbigo (serve como porta de entrada aos patógenos), alojar animais de idades e origens diferentes no mesmo ambiente, administrar vermífugos, seguir o plano vacinal prescrito por um médico veterinário de maneira rigorosa e ter cuidados com as baias.

Elas precisam ser arejadas e higienizadas adequadamente (com produtos específicos e troca das camas periodicamente), além de ficarem em um lugar que bate sol durante o dia (com um espaço de sombra).

Tratamento

O tratamento é feito de acordo com a causa e com os sintomas apresentados. Se o problema for por pneumonia aspirativa é necessário identificar qual conteúdo foi aspirado para que o Médico Veterinário escolha a melhor forma de eliminar o problema, seja através de medicamentos ou de procedimento cirúrgico. Em caso de infecção bacteriana ou viral é recomendado fazer a administração de antibióticos, antitérmicos e dependendo do grau que doença atingir, o anti-inflamatórios também podem ser necessários.

O antibiótico é indispensável também em infecções virais, pois as chances de alguma infecção bacteriana secundária são consideráveis. Se o processo infeccioso for provocado por vermes pulmonares, é preciso intervir com antiparasitários. Para que o tratamento seja eficaz, é importante que as alterações sejam identificadas o quanto antes.

Para tratamento de doenças infecciosas causadas por bactérias, a Syntec disponibiliza 4 produtos com diferentes princípios ativos:

Sulfatrox: antibiótico injetável à base de Sulfadiazina e Trimetropima, pronto para uso, com rápida ação.

Flobiotic: antibiótico injetável à base de Enrofloxacina 10% com ampla distribuição tecidual, inclusive em feridas com pus, baixa toxicidade e amplo espectro de ação.

Gentomicin Injetável: antibiótico injetável do grupo dos aminoglicosídeos, à base de Gentamicina 4%.

Propen Injetável: antibiótico injetável à base de Penicilina Procaína e Penicilina Potássica, associadas ao Probenecide. A Penicilina Potássica é absorvida rapidamente, garantindo níveis séricos altos durante as primeiras horas. A Penicilina Procaína é liberada aos poucos, assim os níveis séricos decrescem lentamente. O Probenecide atua prolongando a ação das Penicilinas pois inibe a excreção renal desses princípios ativos.

Para infecções causadas por vermes:

Alnor: anti-helmíntico de amplo espectro, à base de albendazol. Para tratamento de parasitoses por vermes redondos e chatos.

Synmectin: antiparasitário injetável à base de Ivermectina 1%, uma droga consagrada e altamente eficaz para parasitas internos e externos.

Diclofenaco Syntec: é um anti-inflamatório à base de diclofenaco sódico indicado para bovinos.

Para higienização das instalações:

Duofor: desinfetante não corrosivo de alto rendimento, eficaz para eliminar microrganismos presentes em equipamentos, instalações, instrumentos cirúrgicos, veículos e demais fômites que possam estar contaminados em instalações agropecuárias e veterinárias É uma solução à base de Cloreto de Cetrimônio a 25% com Digluconato de Clorexidina a 20%, o que confere uma ação sinérgica que atinge fungos, bactérias (inclusive esporos) e vírus.

Bibliografia

POTTER, T. Systematic approach to calf pneumonia. Livestock, 15(6), 31–34, 2010.