Dietilestilbestrol

Princípio Ativo

Sobre

Princípio(s) Ativo(s)

  • Dietilestilbestrol

Classificaçāo

Hormônio

Receita

Receita Simples

Espécies

Equinos

Armazenamento

Conservar em local seco, entre 15°C e 30°C, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

Indicações

Indicado quando se necessita de efeitos estrogênicos; tem uso no tratamento da incontinência urinária; na hipertrofia prostática e adenoma da glândula perianal.

Pode ser usado para provocar aborto em casos de prenhez indesejadas

Contraindicações / precauções

Não deve ser administrado em animais com hipersensibilidade ao princípio ativo ou pacientes com histórico de anemia grave.

Efeitos adversos

Pode aumentar as chances de anemias devido a mielotoxicidade, em pequenos animais pode haver o risco de desenvolvimento de neoplasias mamárias e piometras.

Reprodução, gestação e lactação

Não deve ser usada em pacientes gestantes ou lactantes.

Superdosagem

Alguns sinais de toxicidade incluem distúrbios gastrointestinais, polidipsia, poliúria, fadiga.

Administração e doses

Via(s)

IM

Observações

Este medicamento não pode ser usado em animais de produção destinados ao consumo humano.

Possui propriedades oncogênicas e seu uso como promotor de crescimento é proibido.

Interações medicamentosas

Barbitúricos

Tipo de interação

Antagonismo

Grau de interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico diminuido do Dietilestilbestrol

Mecanismo de ação

Indução das enzimas que metabolizam o Dietilestilbestrol no fígado

Conduta

Evitar o uso

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

Farmacodinâmica

É uma substância sintética capaz de produzir todas as respostas farmacológicas dos estrógenos naturais;

Tem ação antineoplásica, pois inibe a secreção de LH e diminui a secreção de testosterona; produz ação citotóxica direto em algumas células tumorais.

Ligam-se a uma proteína receptora citoplásmica e o complexo estrógeno-proteína migra para o núcleo, onde liga-se a regiões específicas no DNA, desencadeando várias respostas celulares.

Farmacocinética

É rapidamente hidrolisado e metabolizado no fígado;

Durante esta circulação êntero-hepática, ocorre a degradação do estrógeno por meio da sua conversão em produtos menos ativos;

A excreção é feita pela urina.

Considerações laboratoriais

Pode causar elevação nas concentrações plasmáticas de triglicerídeos e fosfolipídeos; aumento da pró-trombina e fatores de coagulação.

Efeitos adversos

Pode aumentar as chances de anemias devido a mielotoxicidade, em pequenos animais pode haver o risco de desenvolvimento de neoplasias mamárias e piometras.

Reprodução, gestação e lactação

Não deve ser usada em pacientes gestantes ou lactantes.

Superdosagem

Alguns sinais de toxicidade incluem distúrbios gastrointestinais, polidipsia, poliúria, fadiga.

Monitoramento

Monitorar o hemograma para detectar mielotoxicidade.

Estudos

Não há nenhum estudo relacionado à este produto.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do produto

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências bibliográficas

ANDRADE, S. F. Principais grupos antineoplásicos. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008

CLIMENI, B. S. O. A legislação quanto à utilização de anabolizantes em bovinos, equinos e cães. REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA. Ano VI – Número 11 – Julho de 2008 – Periódicos Semestra

PALERMO-NETO, J. Anabolizantes. In: SPINOSA, H. S.; GÓRNIAK, S. L.; BERNARDI, M. M. Farmacologia aplicada à medicina veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 4ª edição, 2006

PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012