Diagnóstico de gestação: ultrassom ou palpação?

O diagnóstico de gestação em bovinos e equinos tem grande importância econômica quando o assunto é produção animal. Isso porque quanto mais precoce é o diagnóstico, maiores são as chances de minimizar os custos de produção devido à possibilidade de descarte de animais improdutivos ou ainda, a remissão de problemas gestacionais quando reconhecidos rapidamente. Além disso, com o diagnóstico precoce é possível manejar melhor os animais com o planejamento de alocação, nutrição balanceada e em quantidades suficientes fazendo com que se ganhe eficiência produtiva.

O que é levado em consideração no momento do diagnóstico é a eficiência, caracterizada pela precocidade, segurança e eficácia do mesmo. O método de palpação retal é o método mais antigo e invasivo, mas pode significar menores custos. Já a ultrassonografia é um método não invasivo, que garante maiores chances de acerto, mas requer treinamento e maior disponibilidade financeira para investir em bons equipamentos. Atualmente a questão mais fomentada nas fazendas e que ainda causa certas dúvidas em produtores é: qual o método mais eficiente para diagnosticar precocemente a prenhez do rebanho?

A palpação retal é um modo simples, barato, precoce, seguro e eficaz (a partir dos 45 dias pós-fecundação) que permite diagnóstico de gestação, assistência obstétrica, avaliar a fase do ciclo estral, causas de infertilidade e diagnosticar distúrbios puerperais. Além disso, permite observar o animal com respeito a sua saúde e capacidade de conceber, por meio da percepção das condições do trato reprodutivo, se há anomalias, se o corpo do útero está saudável, se os cornos uterinos estão simétricos, o tamanho dos ovários, se cérvix e vulva estão em bom estado de saúde/edemaciadas. Ou seja, é o método que pode predizer as condições de saúde de vacas e éguas reprodutoras ou ainda o momento do cio por meio de características típicas das mesmas. Para o diagnóstico é necessário que se siga a estimativa da idade gestacional nos bovinos através de sinais palpáveis no útero.

A ultrassonografia é um método não invasivo que permite avaliar a vesícula embrionária entre o 17º e 19º dia pós-fecundação (vaca), diagnosticar a prenhez, determinar o número de fetos, confirmar a viabilidade fetal e possui variedade de equipamentos. Essa técnica apresenta grande eficácia, uma vez que possibilita a visualização em tempo real das estruturas a serem analisadas. Porém, para o correto uso da técnica é imprescindível, a correta interpretação das imagens formadas, bem como o correto manuseio dos aparelhos e transdutores disponíveis além de ter o custo mais elevado em relação à palpação retal, uma vez que é necessário o investimento em equipamentos.

Até o início da utilização da ultrassonografia em medicina veterinária, a avaliação semiológica do trato reprodutivo, e particularmente dos ovários de grandes animais, estava limitada aos achados oriundos da técnica de palpação retal e de técnicas invasivas, como a laparotomia e laparoscopia. As limitações destas técnicas são evidentes, no caso da palpação retal, pela subjetividade ou inexatidão na avaliação dos parâmetros e no caso laparotomia e laparoscopia pela eventual lesão tecidual. Em tempos em que o bem-estar animal e a precisão de diagnósticos são os principais focos a palpação retal tem cedido espaço ao ultrassom mesmo tendo custo elevado. O médico veterinário prefere optar pelo investimento em equipamentos e cursos de diagnóstico por imagem para garantir previsões corretas e precisas em relação à gestação e assim, reduzir problemas na produção alcançando melhores resultados.

Por Larissa Florêncio de Assis, colaboradora do Setor de Patologia Clínica Veterinária da Universidade Federal de Lavras e Redatora e Editora para Vet Smart.

Fontes:

https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/26390/1/CT0196.pdf

http://www.uece.br/lfcr/dmdocuments/diagnostico%20prenhez.pdf

http://www.cstr.ufcg.edu.br/grad_med_vet/mono2010_1/mono_leonardo.pdf

Comente e expresse sua opinião!