Produtos doados pela Virbac – Renova Campus

Milteforan

Indicado para o tratamento de Leishmaniose Visceral Canina.

As principais vantagens deste produto são: administração por via oral em dose diária única, por 28 dias, o que torna o tratamento mais fácil de ser realizado pelo proprietário, evitando falhas terapêuticas; possui ação imunomoduladora, estimulando a resposta celular e diminuindo a carga do parasito; biodisponibilidade absoluta de 94% em cães, atingindo a concentração máxima entre um período de 4 a 48 horas; tem ampla distribuição nos tecidos, alcançando os tecidos-alvo; meia-vida de eliminação lenta; não é prejudicial ao fígado, sofre uma lenta degradação metabólica hepática em colina, um componente natural; não possui excreção renal, sendo seguro para os rins.

Agroplus

Tratamento de infecções de origem bacteriana causadas por microorganismos sensíveis à ampicilina e à colistina em bovinos, ovinos, caprinos, suínos, equinos, caninos e felinos.

Effipro

Effipro® é um inseticida e carrapaticida a base de fipronil, pertencente à família dos fenilpirazóis. Atua inibindo o complexo do ácido gama-aminobutírico (GABA), bloqueando, deste modo, a transferência pré e pós sináptica dos íons de cloro com os canais de cloro através das membranas celulares. Isto resulta na atividade não controlada do sistema nervoso central e morte dos insetos e carrapatos.

De acordo com os estudos realizados, as pulgas são mortas em 24 horas e os carrapatos em 48 horas após o contato com o Fipronil.

In vitro, o fipronil é metabolizado principalmente com frações subcelulares do fígado no seu derivado sulfona. Entretanto, isto pode ser de importância limitada “in vivo”, já que o fipronil é pouco absorvido.

Endogard

O produto é indicado para o controle e tratamento do parasitismo interno de cães causado por nematóides: Toxocara canis, Toxascaris leonina, Ancylostoma caninum, A. braziliense, Uncinaria stenocephala, Trichuris vulpis, Strongyloides stercoralis, Pneumocyssus caninum, Capillaria sp., Spirocerca lupi, Dipetalonema reconditum, Dirofilaria immitis (microfilariae), Dirofilaria repens (microfilariae) e Oncicola canis; cestóides: Dipylidium caninum, Echinococcus granulosus, E. multilocaris, E. vogalis, Spirometra erinacei, Taenia pisiformis, T. hydatigena, T. taeniaeformis, T. multiceps, Diphyllobothrium sp., Mesocestoides sp. e protozoários: Giardia sp.

Rilexine Palatável

Tratamento de infecções tais como cutâneas (piodermites superficiais e profundas), urinárias (nefrites e cistites), respiratórias (pneumonias), digestivas (gastroenterites) e ósseas, causadas por microorganismos sensíveis à cefalexina.

Shotapen

Tratamento de infecções de origem bacteriana causadas por microorganismos sensíveis à penicilina e à dihidroestreptomicina.

Zoletil

É indicado para a anestesia dissociativa em intervenções cirúrgicas de curta a longa duração, em procedimentos que requerem leve a moderada analgesia, para cães e gatos. Também pode ser utilizado para a contenção de animais agitados e como medicação pré-anestésica em vários protocolos de anestesia.

Produtos doados pela Royal Canin – Renova Campus

Gastro Intestinal Feline

Gastro Intestinal Feline é um alimento coadjuvante indicado para gatos, com o objetivo de auxiliar em casos de distúrbios gastrintestinais, tais como diarréia aguda ou crônica, doença inflamatória intestinal, má absorção, má digestão, gastrite, anorexia e supercrescimento bacteriano no intestino delgado.

Gastro Intestinal Canine

Gastro Intestinal Canine é um alimento coadjuvante indicado para cães, com o objetivo de auxiliar em casos de distúrbios gastrintestinais, tais como diarréias crônicas ou agudas, doença intestinal inflamatória, má digestão, má absorção, insuficiência pancreática exócrina, colite, gastrite, e em situações de anorexia e convalescença.

Gastro Intestinal Feline Wet

Gastro Intestinal Feline Wet é um alimento coadjuvante indicado para gatos, com o objetivo de auxiliar em casos de distúrbios gastrintestinais, tais como diarréia aguda ou crônica, doença inflamatória intestinal, má absorção, má digestão, gastrite, anorexia e supercrescimento bacteriano no intestino delgado.

Gastro Intestinal Canine Wet

Gastro Intestinal Canine Wet é um alimento coadjuvante indicado para cães, com o objetivo de auxiliar em casos de distúrbios gastrintestinais, tais como diarreias crônicas ou agudas, doença intestinal inflamatória, má digestão, má absorção, insuficiência pancreática exócrina, colite, gastrite, e em situações de anorexia e convalescença.

Recovery Canine/Feline

Recovery Canine/Feline alimento coadjuvante para cães e gatos, destinado ao suporte nutricional para anorexia, pós-cirúrgico, cuidados intensivos, convalescença. Quando a alimentação normal estiver impossibilitada, este produto poderá ser utilizado por via enteral (alimentação por sondas).

Equipamentos doados pela Delta Life – Renova Campus

Foco Cirúrgico Bicolor (pedestal e teto)

A Delta Life produz o único foco para a área veterinária, onde é possível controlar a intensidade e a temperatura da cor da luz. Nas versões teto e pedestal.

Os LEDs brancos de tom amarelado são ideais para cirurgia em tecidos de tons claros, enquanto os LEDs de tom azulado são ideais para tecidos de tons mais escuros.

Os focos da Delta Life de 12 Leds possuem dois ajustes, um para a intensidade da luz e outro para sua tonalidade. Com ele é possível fazer cirurgias em qualquer tecido com um ótimo contraste melhorando a visão para o cirurgião.

DL1000

Primeiro monitor multiparamétrico desenvolvido inteiramente no Brasil. Após três anos de pesquisa chega a sua 5ª geração com sensores de alta sensibilidade.

O oxímetro mensura a saturação, pulso cardíaco e índice de perfusão (PI) com sensibilidade de 0,15% de pulso.

O eletrocardiograma possui 7 derivações com suporte de laudo à distância.

O capnógrafo foi desenvolvido especialmente para a área veterinária, é Main Strean e funciona em pacientes neonatos.

Parâmetros como pressão arterial, temperatura e respiração também fazem parte dos monitores da Delta Life.

Todos os monitores são configuráveis e o cliente escolhe quais parâmetros deseja em seu monitor.

DL740

O aparelho de anestesia e ventilação pulmonar DL740, da Delta Life, vem iniciar um novo ciclo de equipamentos para anestesia veterinária deixando para trás os ventiladores mecânicamente controlados de baixa precisão.

O DL740 possui um sistema microprocessado, sensores digitais analisam a pressão pulmonar e controlam a ventilação com uma precisão digital.

No DL740 é possível ajustar a frequência, respiratória, pressão inspiratória, tempo inspiratório e expiratório, relação inspiratória e expiratória. Com estes dados o processador controla as válvulas internas proporcionando uma ventilação mais segura e suave para o paciente.

DL600

O DL600 é Eletrocardiógrafo all-in-one mais funcional do mercado. Composto por um monitor touch screen com software e processamento integrados, capaz de efetuar aquisições em tempo real do trabalho cardíaco do animal e salvar para reanálise futura.

Este equipamento possui 6 derivações: aVF, aVL, aVR, D1, D2 e D3; 1 pré-cordial(V1); Pulso cardíaco; Telemedicina; 3 velocidades; 5 possíveis ganhos; Gravação de exames para análise futura; Banco de dados paciente/proprietário.

Novembro Verde: Homeopatia Veterinária comprova eficácia por meio de resultados

Tratamento garante prevenção e colabora na cura de doenças de pets e animais de campo

Livre de efeitos colaterais e com eficácia comprovada por diversos estudos, a homeopatia ganha cada dia mais espaço dentro da medicina, seja ela destinada a humanos ou animais. A homeopatia veterinária, além de resultados, garante uma série de benefícios, tanto nas ações de prevenção, tratamento e na garantia da qualidade de derivados de origem animal, no caso da pecuária.

No dia 21 de novembro foi celebrado o Dia da Homeopatia, mas o mês todo é dedicado a essa especialidade. O Novembro Verde tem por objetivo disseminar os benefícios do tratamento e a SIGO Homeopatia Veterinária, empresa sul-mato-grossense com 15 anos de experiência no segmento, apoia esta causa.

No caso do tratamento de rebanhos e animais de campo, a homeopatia garante grande viabilidade devido a ausência de efeitos colaterais. Sem aditivos químicos e resíduos, o tratamento colabora inclusive para grandes produções pecuárias destinadas às exportações, como avalia o diretor da SIGO, Marco Antônio Cucco.

“Para o agronegócio brasileiro a homeopatia oferece segurança, por não haver interação química. Nesse caso, os riscos são eliminados e reduz a possibilidade de um comprador  internacional reprovar e devolver alimentos originados de animais homeopatizados. Contudo, o grande apelo é a eficácia e o retorno econômico, já que muitos insumos químicos e antibióticos já perderam seu efeito, enquanto os homeopáticos exibem,  há tempos,  efetividade plena no controle de parasitoses e infecções causadas por parasitas e bactérias resistentes aos químicos convencionais. Por isso a aceitação de insumos homeopáticos vem crescendo nas últimas três décadas, colocando o Brasil na liderança mundial em produção desse tipo de linha, revela Cucco.

Para os amigos pets, a homeopatia traz segurança e garantia de qualidade de vida ao bicho, seja ele cão, gato, coelho e até mesmo pássaros.

“A procura por tratamentos homeopáticos para pets é grande. Os donos buscam a homeopatia para que seus animais tenham saúde preservada, livre de efeitos colaterais e tóxicos dos produtos químicos, permitindo sua convivência com  seus tutores de forma harmônica. Também são fáceis de administrar e de baixo custo”, avalia a diretora da SIGO e médica-veterinária Dra. Mônica Souza.

Resultado garantido – A média de resultados aparentes da atuação da homeopatia é variável, mas há casos de retorno em horas ou poucos dias. Há poucos meses, o Hospital Veterinário da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), que utiliza os protocolos homeopáticos da SIGO, registrou relato de sucesso da administração do produto homeopático.

Ao receber um cachorro que, ao estranhar o ambiente e a ausência do dono entrou em desespero e, agitado e que não parava de latir por muito tempo, a veterinária residente Beatriz Crepaldi Aléssio ministrou o produto no animal e o resultado foi imediato.

“Ele estava muito agitado e latia sem parar, estranhou ficar longe do dono, então administrei o CalmSigo, que em menos de cinco minutos fez ele se acalmar e dormir, comenta Beatriz, surpresa com o resultado.

Compromisso com a excelência – Há 24 anos, foi criada no Brasil a AMVHB (Associação Médico Veterinária Homeopática Brasileira), entidade presidida atualmente pela médica-veterinária sul-mato-grossense Mônica Souza e que tem por finalidade contribuir para a difusão da Homeopatia na Medicina Veterinária, seja na pesquisa, ensino, extensão e divulgação desta, bem como de organizar Congressos Brasileiros para promover o aprimoramento e a excelência profissional dos Médicos Veterinários neste campo de saber. Foi a primeira Associação habilitada a conceder Título de Especialista em Homeopatia Veterinária, com a chancela do CFMV.

No mês em que se comemora o Dia Nacional da Homeopatia a Campanha Novembro Verde contou com diversos eventos de conscientização à população sobre os benefícios da homeopatia em todas as áreas da saúde, destacando a realização do 8º Congresso Brasileiro de Homeopatia Veterinária pela AMVHB -realizado entre os dias 23 e 26, oportunidade de troca de experiências clínicas e científicas entre os maiores expoentes atuantes em Homeopatia Veterinária do País.

__________________________________________________________

ATENÇÃO IMPRENSA
Agendamento de pautas e entrevistas, falar com:
Karine Dias – Assessora de Imprensa
karine@dikabr.com
Telefone: (67) 99265-5761

Vet Smart e parceiros doam produtos e equipamentos para UFLA e lançam Projeto Renova Campus

O Vet Smart tirou do papel seu primeiro projeto social com o intuito maior de valorizar a medicina veterinária de nosso o País, o Projeto Renova Campus.

Trata-se de uma iniciativa para angariar empresas sérias e parceiras para doação de produtos e equipamentos para Universidades públicas de Medicina Veterinária. O objetivo é melhorar as condições de ensino, estimular outras parcerias entre setor público e privado, bem como aproximar estudantes e professores ainda mais do universo dos produtos veterinários.

Logo do projeto Renova Campus, idealizado pelo Vet Smart

A primeira rodada do projeto ocorreu no dia 23/11 e contemplou a Universidade Federal de Lavras – MG em cerimônia realizada na Universidade (fotos abaixo) e teve como parceiras as empresa Delta Life, Virbac e Royal Canin.

A Delta Life, representada por Douglas Nunes, doou os equipamentos: Focos Cirúrgicos Bicolor, eletrocardiógrafo all-in-one DL600, aparelho de anestesia e ventilação pulmonar DL740, primeiro monitor multiparamétrico desenvolvido inteiramente no Brasil DL1000.

A Royal Canin doou os produtos: RECOVERY canine/feline, Gastro Intestinal Canine wet, Gastro Intestinal Canine dry, Gastro Intestinal Feline wet e Gastro Intestinal Feline dry.

Já a Virbac doou os produtos: Zoletil, Rilexine injetável, Shotapen e Agroplus, Effipro, Endogard e Milteforan.

A Universidade foi representada pelo Chefe do DMV, professor Antônio Carlos Cunha Lacreta Júnior, pelo Pró-reitor de Planejamento e Gestão, professor João Chrysostomo de Resende Júnior e pela Professora e Coordenadora do Hospital Veterinário, Ruthnéa Aparecida Lázaro Muzzi.

Confira aqui os vídeos de depoimentos dos parceiros sobre o Projeto Renova Campus.

Nós do Vet Smart desejamos sucesso para a UFLA com essa nova UTI e trabalharemos para expandir o Projeto Renova Campus para demais universidades pelo país.

Contem conosco.

Palestra sobre tratamento periodontal marca lançamento da Linha Odonto Soft Care

No próximo dia 28 de novembro acontecerá, em São Paulo, o Lançamento Oficial da Linha Odonto Soft Care.

Soft Care alia tecnologia, natureza e um grande conhecimento no desenvolvimento de cosméticos para trazer uma linha de cuidados veterinários para a saúde oral. Os produtos possuem fórmulas com pH balanceado, desenvolvidas e adaptadas para higiene bucal de cães e gatos. Limpam e ajudam a prevenir periodontites, mantendo a gengiva saudável, hálito fresco e os dentes limpos, cada vez mais brancos. Ideal para facilitar a higienização em casa.

No evento, a Dra. Vanessa Carvalho, especialista em odontologia veterinária, palestrará sobre Tratamento Periodontal: saiba como fazer bem feito.

Para confirmar presença, basta enviar um e-mail para clinical@petsosicety.com.br

Local: Hotel Confort Nova Paulista
Rua Vergueiro, 2740 – Vila Mariana, São Paulo – SP

 

 

UCBVET, 100 anos de dedicação à saúde e bem estar dos animais.

Fundada em 1917, a UCBVET é uma das indústrias de medicamentos veterinários nacionais mais tradicionais e atuantes no setor. Posiciona-se entre as 15 empresas farmacêuticas do país com maior faturamento, de acordo com dados do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan).

A história de sucesso, desta que é a segunda empresa veterinária a ser fundada no Brasil – pelo empresário e visionário João Brunini – mostra que a inovação e o crescimento estão na gênese da empresa.

Nesses 100 anos de história, vivenciou momentos de um país que aos poucos caminhava rumo à industrialização, modernização e a competição de mercado no qual teve a competência para acompanhar todas as mudanças necessárias e se solidificar.

As mudanças internas e estruturais que aconteceram ao longo dos anos prepararam a UCBVET para seu momento atual, que inclui um planejamento estratégico com ações que estimulam a inovação e a evolução da linha de produtos além da constante capacitação das equipes, com objetivo de atender cada vez mais as tendências de mercado e a demanda dos clientes.

O ano de 2014 foi o início de um novo capítulo na história da companhia, com a reestruturação da marca centenária. Conhecida anteriormente como Uzinas Chimicas Brasileiras, depois como UCB, agora conhecida como UCBVET Saúde Animal, ganhou uma nova logomarca com design inovador e novas embalagens com conceito dinâmico e moderno, com diversos elementos gráficos e informações de fácil interpretação tendo como objetivo tornar uma só marca, reconhecida globalmente.

A UCBVET atua em todo o território nacional e exporta para países da América Latina e África. Atualmente possui no portfólio 57 produtos em 106 apresentações, destinadas ao tratamento de cães, gatos, bovinos, suínos, ovinos, caprinos, equinos e aves, sendo: antimicrobianos, anti-inflamatórios, analgésicos, antitóxico, reconstituintes orgânicos, endectocidas, endoparasiticidas, ectoparasiticidas e hormônios.

Vetnil lança DMSO® Injetável: Novo anti-inflamatório e analgésico para cães e gatos

Para o tratamento da dor e edema em tecidos musculoesqueléticos e viscerais de cães e gatos, a Vetnil – uma das líderes em saúde animal no Brasil, anuncia o novo DMSO® injetável, pioneiro e exclusivo no mercado para administração intravenosa.

O mecanismo de ação anti-inflamatória é consequência, em grande parte, da remoção de radicais livres, o que proporciona proteção e diminuição dos danos teciduais, resultando na redução do edema. A ação analgésica, por sua vez, ocorre diretamente pelo bloqueio químico nas fibras dos nervos aferentes e ação central e, indiretamente pela própria função anti-inflamatória por ele exercida. “Devido ao seu potencial como analgésico e anti-inflamatório possui amplo uso em ortopedia e neurologia, principalmente em casos de cirurgias ortopédicas com grandes extensões, assim como em traumas medulares atuando como varredor de agentes deletérios a medula”, destaca Carla Janeiro Coiro, Médica Veterinária e Analista de Desenvolvimento de Novos Produtos da Vetnil.

“Estamos felizes por oferecer mais um produto de qualidade, seguro e eficaz para o bem-estar e saúde dos cães e gatos. Nossa equipe de desenvolvimento e pesquisa teve o grande desafio de atender à demanda do mercado e assim criou o DMSO® Injetável, que auxilia no tratamento da dor e possui ação anti-inflamatória”, destaca Fernanda Cioffetti Marques, Médica Veterinária e Gerente de Marketing da Vetnil.

Modo de usar:

Deve ser aplicado lentamente por via intravenosa, diluído em solução a 10% (fisiológica ou ringer lactato).

Cães e gatos: 1g/kg, uma a duas vezes ao dia, durante 2 a 5 dias, ou seja, diluir aproximadamente 1mL de DMSO injetável em 9mL, de solução fisiológica ou de ringer lactato para cada 1kg de peso corporal.

Apresentação: frascos contendo 100 mL e 500 mL.

Sobre a Vetnil

Fundada há mais de 20 anos pelo médico veterinário Dr. João Carlos Ribeiro, a Vetnil, empresa 100% nacional, atua em pesquisas e no desenvolvimento de produtos para a saúde e performance de pets e de equinos, estando entre as líderes de mercado nestes segmentos no Brasil. A companhia também exporta as suas soluções para diversos países e tem acumulado premiações importantes, como a “100 Melhores empresas para se trabalhar no Brasil” (Revista Época, 2006), “30 Melhores empresas para a mulher trabalhar” (Revista Época, 2006), “As 200 Pequenas e Médias Empresas Que Mais Crescem No Brasil” (Revista Exame, 2015), “Melhores do Agronegócio – As 10 melhores do Setor Saúde Animal” (Anuário do Agronegócio 2015, Revista Globo Rural), além de ter sido vencedora na categoria ‘Produtos Veterinários’ do Anuário do Agronegócio da Revista Globo Rural de 2016.

Mais informações:

A4&Holofote (11) 3897-4122
Regina Diniz: reginadiniz@a4eholofote.com.br
Priscilla Tavollassi: priscillatavollassi@a4eholofote.com.br

Para ajudar animais vítimas do incêndio, empresas de MS enviam medicamentos homeopáticos e florais para Chapada dos Veadeiros

SIGO Homeopatia Veterinária e Florais Pantanal Cerrado se uniram para colaborar com recuperação de animais feridos na tragédia ambiental

Há cerca de 20 dias, um incêndio de grandes proporções atingiu a reserva da Chapada dos Veadeiros, em Goiás (GO). Uma verdadeira força-tarefa foi criada com profissionais de vários segmentos para ajudar no combate ao fogo e resgate dos animais feridos ou assustados com as chamas, que já devastaram 64 mil hectares, o equivalente a 25% de toda a área da reserva, segundo informações da mídia nacional.

De Mato Grosso do Sul, a ajuda partiu de duas empresas voluntárias, a Florais Pantanal e Cerrado, de responsabilidade da veterinária homeopata Heloísa Fernandes e pela SIGO Homeopatia Veterinária, no dia 1º de novembro, enviaram lote de medicamentos para as equipes de resgate para o trato dos animais.

“Muitos animais estão abalados e traumatizados física e psicologicamente com a situação, por isso vamos enviar o TraumaSigo, para o trato desse trauma causado pelo estresse e ferimentos”, explica a médica veterinária e diretora da SIGO Homeopatia, Mônica Souza.

A médica veterinária homeopata Heloísa Fernandes, foi quem teve contato com as equipes de resgate e buscou maneiras de auxiliar os animais feridos.

Tragédia de Mariana – Essa não é a primeira vez que a indústria sul-mato-grossense SIGO colabora na recuperação de animais vítimas de catástrofes. Em 2015, quando o município mineiro de Mariana foi atingido pela maior tragédia ambiental registrada no Brasil, além de matar e desabrigar milhares de pessoas, os animais também sofreram, muitos foram resgatados doentes e feridos por grupos de voluntários, que precisavam de ajuda para tratar os mais de 600 animais recolhidos à época, de acordo com informações divulgadas na época pelo Estadão.

Cães, gatos, cavalos, galinhas, patos, porcos e até mesmo bois foram resgatados e, diante de tantas notícias sobre a necessidade de ajuda, a doutora em homeopatia, Leoni Bonami, que mora em São Paulo, decidiu mobilizar voluntários que pudessem ajudar.

“Fiz contato com a Mônica, diretora da SIGO pedindo que ajudasse com essa situação. Já conhecia seu trabalho com a homeopatia tanto veterinária, como para o trato de solo em geral, como pastos. Pensei que poderíamos ao menos atuar na recuperação de trechos da cidade. Foram encontrados muitos metais pesados na lama tóxica que se espalhou e a homeopatia poderia colaborar no controle”, relata Leoni.

Além do tratamento em parte do solo, que colabora para a recuperação da área e para a saúde de toda comunidade, os animais receberam atenção com homeopatia voltada pós-trauma e imunidade. Devido a umidade e infestação de mosquitos, houve risco de epidemia de leishmaniose.

“Na área endêmica havia risco grande de leishmaniose e enviamos lotes de produtos específicos para garantir o controle por meio do aumento da imunidade dos cães, os resultados foram positivos e muitos animais já foram adotados e os que não conseguiram um lar os próprios voluntários estão cuidando”, comenta.

Para a médica veterinária e diretora da SIGO Homeopatia Veterinária, o essencial é que cada um faça sua parte para amenizar os impactos sociais e ambientais das tragédias que muitas vezes atingem cidades ou regiões inteiras.

“Nós podemos ajudar por meio da homeopatia, mas o esforço precisa ser grande, há pessoas trabalhando na área e vítimas que precisam de ajuda de todos os setores, não só do poder público, mas também da iniciativa privada. É importante a mobilização coletiva”, finaliza a diretora Mônica Souza.

Problemas articulares em Cães

Com o aumento da expectativa de vida dos cães, e também devido ao número cada vez maior de animais com problemas de sobrepeso e obesidade, a prevalência dos problemas articulares tem aumentado ano após anos. O uso associado de anti-inflamatórios e condroprotetores pode ser uma importante ferramenta no dia-a-dia do Médico Veterinário Clínico de Pequenos Animais.

Uma vez que ainda não há tratamento que possa evitar ou reverter as alterações patológicas, o tratamento conservativo visa o alívio do desconforto e retardo do desenvolvimento das alterações degenerativas. O uso dos anti- inflamatórios não esteroidais (AINEs) é eficaz para alívio dos sintomas clínicos decorrentes da inflamação inibindo as prostaglandinas (PGs). Entretanto, segue-se o desconforto após suspensão de seu uso.

Os condroprotetores mais comumente utilizados podem ser classificados como agentes condromoduladores, com a função de retardar ou diminuir a progressão degenerativa das lesões nas cartilagens articulares. Esses agentes possuem três efeitos primários como condroprotetor: sustentar o aumento do metabolismo dos condrócitos e células sinoviais, inibir as enzimas degenerativas do líquido sinovial e da matriz cartilaginosa, e inibir a formação de microtrombos nos vasos da circulação que nutrem a articulação (BOOTHE, 1997).

A seguir, separamos duas situações onde essa associação farmacêutica pode ser útil.

Uso em quadros de problemas articulares

Talvez a patologia mais comumente encontrada na clínica de pequenos animais seja a afecção articular degenerativa (AAD), ou osteoartrose (OA). A OA é uma doença de múltiplas causas e caracteriza-se por alterações patológicas da articulação sinovial. Esta patologia afeta muitas espécies animais, com ocorrência estimada em 20% dos cães com mais de 1 ano de idade (JOHNSTON, 1997).

Essa afecção ocorre graças ao resultado de eventos mecânicos e biológicos que desestabilizam o equilíbrio normal entre a degradação e síntese dos condrócitos da cartilagem articular, matriz extracelular e osso subcondral, culminando na degeneração articular.

As evidências clínicas da OA são caracterizadas por dor articular, limitação e alteração dos movimentos, redução do apoio, crepitação, efusão ocasional e graus variáveis de inflamação local, sem efeitos sistêmicos

Souza et al. (2010) realizaram uma excelente revisão sobre os estudos clínicos que se debruçaram sobre a efetividade do uso de condroprotetores nos quadros de OA. Os autores realizam um apanhado dos estudos que utilizaram os condroprotetores e os AINEs.

Ao citarem um teste realizado por Moreau et al. (2003), que relatou melhoras sensíveis nos animais tratados com AINEs, demostrada através de uma avaliação feita pela análise cinética, por meio de placa de força, mostrando melhora dos animais submetidos ao tratamento com AINEs, com os animais apresentando retorno à condição normal do uso do membro afetado. Foram realizadas outras avaliações subjetivas por meio de escalas para o proprietário e ortopedista, além de um escore também realizado para o exame radiográfico de cada articulação acometida. Essa avaliação subjetiva percebeu mudanças significativas nos grupos tratados com AINEs.

Já quanto ao uso dos condroprotetores a revisão apontou que em um modelo experimental de sinovite induzida, foi comprovada uma diminuição da inflamação por meio de cintilografia nos animais tratados com condroprotetor em relação ao grupo controle com placebo. Realizaram conjuntamente exames clínicos, nos quais houve melhora da claudicação nos animais tratados.

Uso em animais obesos

Animais com obesidade ou sobrepeso precisam diminuir a ingestão calórica e aumentar a atividade física para que possam controlar adequadamente o seu escore de condição corporal. No entanto, muitas vezes estes animais têm dificuldades de locomoção e desenvolvem e/ou agravam quadros articulares por conta do problema com o peso.

Portanto, paralelamente à prescrição de um regime dietético, calculado a partir das necessidades energéticas diárias de cada animal, e a indicação de exercícios físicos e acompanhamento de programas de emagrecimento, pode ser necessário um tratamento preventivo e/ou curativo para problemas articulares.

De acordo com Guimarães e Tudury (2006) os efeitos físicos de carregar um excesso de peso colaboram para o aparecimento de problemas articulares e locomotores e para o desenvolvimento de artrite, contribuindo para que o animal venha a apresentar intolerância ao exercício. A complicação das injúrias articulares conduz a uma redução de mobilidade e de gasto energético podendo dar início a um ciclo causa-efeito-causa, que piora, progressivamente, tanto a obesidade quanto a injúria articular. Assim, com o uso de um anti- inflamatório associado a condroprotetores pode ser extremamente benéfico, possibilitando ao animal a prática regular de exercícios, aumentando muito o sucesso nos programas de controle da obesidade.

Dicas para os proprietários

Fique atento aos sintomas dos problemas articulares: o animal apresenta dificuldade ou falta de entusiasmo ao ser chamado para um passeio, fica cada vez mais tempo deitado, procura lugares mais quentes para se deitar, ou apresenta algum tipo de manqueira. Se notar esses sinais, ele deve ser levado ao Médico Veterinário imediatamente.

E como saber se o seu amigo está obeso? Um cão com o peso normal deve apresentar uma ‘cinturinha’ após a última costela. Esta concavidade deve ser bem discreta, mas facilmente perceptível quando olhamos nosso amigo de cima. As costelas não devem ser visíveis, mas devem ser facilmente percebidas na palpação. Se você não enxergar mais essa ‘cinturinha’ ou não conseguir contar as costelas dele palpando a sua lateral, está na hora de leva- lo ao Médico Veterinário para começar um programa de controle de peso com acompanhamento. Você estará poupando muita dor de cabeça no futuro, dando ao seu companheiro mais qualidade de vida.

Uma dupla campeã

A Syntec oferece ao Clínico de Pequenos Animais uma excelente associação: Flumedine e Condrotec Pet.

Flumedine é um AINEs a base de Flunexino Legumina, que possui potente ação analgésica, ação anti-inflamatório e antipirética. É especialmente indicado para o combate imediato da dor, aliviando os sintomas e proporcionando conforto ao animal com quadros articulares.

Já Condrotec Pet é indicado para o uso contínuo em casos crônicos, pois auxilia a regeneração articular, diminui a velocidade no estabelecimento das lesões da cartilagem. Pode ser utilizado como preventivo, como nos casos de animais obesos ou com sobrepeso, ajudando a prevenir o desenvolvimento das doenças articulares.

Referências consultadas

BOOTHE, D. M. Nutricalceuticals in veterinary medicine. Compendium Continuum Education Practice Veterinary, v. 19, n. 11, p. 1248-1255, 1997. GUIMARÃES, A. L. N.; TUDURY, E. A. Etiologias, conseqüências e tratamentos de obesidades em cães e gatos – Revisão. Veterinária Notícias, v. 12, n. 1, p. 29-41, 2006.

JOHNSTON, S. A. Osteoarthritis: joint anatomy, physiology, and

pathobiology. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v. 27, n. 4, p. 699-723, 1997.

SOUZA, A. N. A.; SALADINO, A. O.; BIASI, C.; MATERA, J. M. Uso dos condroprotetores na afecção articular degenerativa: revisão. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., v. 8, n. 3, p. 281-289, 2010.