Pequenos Animais – Erliquiose canina: fármacos empregados e profilaxia

A erliquiose canina é uma doença infecciosa severa que acomete cães, gatos e humanos, causada por bactéria do gênero ehrlichia. Onde a principal é a ehrlichia canis. O ciclo desta se inicia com a inoculação do agente no cão através da picada pelo carrapato, rhipicephalus sanguineus, seu vetor, no momento do repasto sanguíneo. Os sinais clínicos dependem da resposta imunológica do cão e esta doença é dividida em três fases: aguda, subaguda e crônica. A fase aguda é o inicio da infecção, o animal apresenta letargia, depressão, anorexia e febre. Na fase subaguda pode ocorrer depressão, hemorragias, edema de membros, perda de apetite e palidez das mucosas. Já na fase crônica, os sinais clínicos são variáveis em gravidade e não específicos e incluem acentuada anorexia e perda de peso, emaciação, tendências hemorrágicas, infecções secundárias em decorrência da imunossupressão, glomerulopatia e falha renal, poliartrite, sinais neurológicos e manifestações oculares.

O tratamento da erlichiose canina se baseia na administração de antibacterianos, principalmente os da classe das tetraciclinas – princípio ativo: tetraciclina, doxiciclina, cloranfenicol e dipropionato de imidocarbe. Dentre as tetraciclinas, a doxiciclina tem sido a mais aceita no tratamento. A mesma é um antibiótico semissintético, lipossolúvel, que inibe a síntese de proteínas bacterianas. Ao contrário de outras tetraciclinas convencionais, ela apresenta boa absorção intestinal e alcança elevada concentração celular, o que é almejável no caso de infecções causadas por bactérias intracelulares. Além disso, é de uso prático, pois pode ser administrada a cada 24h e tem baixa toxicidade. Não há consenso na duração do tratamento antimicrobiano. Atualmente recomenda-se o tratamento por 28 dias, na dose de 10mg/kg, a intervalos de 12 ou 24h, via oral.

Continuar lendo Pequenos Animais – Erliquiose canina: fármacos empregados e profilaxia