Os riscos do compartilhamento de agulhas

Prática pode trazer uma série de doenças para o rebanho como tripanossomose, anaplasmose e babesiose 

Dentro do sistema produtivo de gado de corte e leite, o manejo sanitário adequado é imprescindível para garantir a biossegurança do ambiente e dos animais.
O compartilhamento de agulhas, entre bovinos, para aplicação de vacinas ou medicamentos traz riscos especialmente para transmissão de hemoparasitoses como a tripanossomose, a anaplasmose e a babesiose, doenças que diminuem a produtividade e podem levar os animais ao óbito.

Com o crescimento dos rebanhos comerciais de corte e aumento da produção em leiterias, o uso de seringas e agulhas descartáveis se torna impraticável, ainda mais para aplicações em massa, como no caso de vacinações. “O produtor precisa ter um número de agulhas e seringas esterilizadas que atendam à demanda do rebanho e que proporcione trocas frequentes, a cada 10 ou 20 animais. Além disso, vale ressaltar que no caso de aplicações intravenosas, o compartilhamento deve ser evitado”, afirma o Gerente de Serviços Técnicos de Pecuária de Corte da Ceva Saúde Animal, Marcos Malacco.

Para garantir a biossegurança do rebanho, é indicado o uso de pistolas dosadoras automáticas ou seringas, e agulhas lavadas e convenientemente esterilizadas. “Todo o material utilizado nas aplicações parenterais (injetáveis) deve ser lavado e depois esterilizado através de fervura. Todas as peças das pistolas automáticas que entrem em contato direto com as vacinas ou medicamentos injetáveis, inclusive as borrachas, devem ser lavadas e fervidas após a desmontagem dos equipamentos”, explica Malacco.

A esterilização dos equipamentos deve ser feita imediatamente antes da sua utilização. Após a desmontagem e lavagem criteriosa das partes internas das pistolas dosadoras e seringas metálicas, todo o material deverá ser esterilizado sob fervura em água limpa. Uma vez iniciada a fervura da água, o material deverá permanecer por um mínimo de 10 minutos na água fervente. Posteriormente, durante a remontagem das pistolas automáticas e seringa metálicas, as borrachas deverão ser convenientemente lubrificadas possibilitando o aumento de sua vida útil e facilidade no manuseio durante as aplicações injetáveis.

Para garantir o bem-estar dos animais, as vacinas e medicamentos devem ser aplicados causando o mínimo de estresse possível. “Os animais devem ser manejados com calma e as aplicações devem ocorrer após a correta contenção dos mesmos. Devemos evitar manter os animais presos por um longo período nos canzis, currais ou mangueiros. A lotação dessas instalações deve ser adequada ao temperamento dos animais a serem manejados. O ideal é que próximo ao centro de manejos ou canzis haja água disponível em abundância, bom sombreamento e alimentação adequada para a manutenção dos animais antes e após o manejo das aplicações e que os animais permaneçam o menor tempo possível nos currais ou presos em canzis de contenção”, finaliza Malacco.

Sobre a Ceva Saúde Animal

A Ceva Saúde Animal é atualmente a 6ª maior empresa de saúde animal do mundo, presente em mais de 110 países tem sua atuação focada na pesquisa, desenvolvimento, produção e comercialização de produtos farmacêuticos e biológicos para animais de companhia, e produção (bovinos, suínos e aves). Mais informações disponíveis no site: www.ceva.com.br

Homeopatia veterinária: fórmulas combinadas garantem solução no campo e maior lucratividade ao produtor

Economia, eficiência e praticidade no manejo. Esses são os principais benefícios dos produtos combinados da SIGO Homeopatia Veterinária. São fórmulas que reúnem dois ou três protocolos na  mesma embalagem e que tratam e previnem doenças variadas em animais de campo.

As fórmulas SIGOPEC foram desenvolvidas para tratar curativa e preventivamente as enfermidades mais comuns na pecuária de corte, de leite e na ovinocultura, entre elas: mastite, afecções de casco,  sodomia ,parasitas como verminoses, carrapatos, moscas do chifre e estábulo e bernes, entre outros. Outro diferencial do tratamento homeopático é o seu caráter melhorador, como o incremento na engorda,  agregado também aos produtos combinados.

“Os produtos SIGO foram desenvolvidos sob  o pilar do amplo conhecimento em Homeopatia e a experiência de muitos anos no trato pecuário dos técnicos criadores das fórmulas. Nosso objetivo é levar solução ao produtor, verificar o que ele precisa e oferecer fórmulas que atendam a sua necessidade, aliado ao atendimento técnico pós venda altamente especializado”, avalia Mônica Souza, médica veterinária e diretora da SIGO.

A veterinária explica que a grande vantagem na apresentação combinada de seus produtos é a facilidade de aplicação ( não precisa abrir um monte de embalagens) e principalmente, a economia . Ao adquirir produtos combinados, o produtor não paga o equivalente a três fórmulas , sem falar no menor  impacto ambiental com descarte de embalagens,  uma das grandes preocupações da empresa.

“Para o produtor, além de ser mais fácil administrar um produto para três problemas, há muita vantagem na relação custo-benefício, já que vai pagar por dois produtos o equivalente ao valor de a 1,5 item. Também há menos produção de embalagem, ou seja, menos resíduo na natureza”, avalia.

Produtos combinados:

  1. EngordSigo – dois produtos conjugados: controle de sodomia ( desvio de comportamento onde os bois não castrados se machucam)  aliado ao maior rendimento de carcaça oferecido pelo desvio de gordura das vísceras para a carcaça;
  2. ParaboiSigo (EngordSigo+ SodoSigo+EndectoSigo) – é a união dos protocolos de controle de endo e ecto parasitas ( carrapatos, moscas, bernes e vermes)  com controle de sodomia e incremento da engorda, garantindo maior cobertura de gordura na carcaça. Esse produto de apresentação 3 em 1 confere 1% a mais em peso de carcaça pela deposição de gordura , 1 arroba a mais nos animais por serem mantidos  inteiros e controle de parasitas, evitando recolhidas dos animais no curral para aplicação de produtos parasiticidas.

Essa combinação resulta em ótima relação custo: benefício de mais de 10:1;

  1. LactoSigo – É a solução para as principais doenças que atingem as vacas leiteiras, como mastite, carrapato, mosca do estábulo e problemas no casco;
  2. OvinoSigo- Trata a principal inimiga da ovinocultura, a verminose,  da ceratoconjuntivite, além de controle de afeções do fígado, como a fotossensibilização e as diarreias causadas por coccidioses em apriscos.Publicado por Sigo Homeopatia

Vetnil promove o 3º Encontro Vetnil de Residentes em Medicina Veterinária

 Com cerca de 60 palestrantes, o evento que acontece de 21 a 23 de agosto em Itu/SP, deve reunir mais de 500 residentes em Medicina Veterinária de 21 estados brasileiros.

Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da Medicina Veterinária no Brasil, a Vetnil, uma das líderes em saúde animal no país, realiza o 3º Encontro Vetnil de Residentes em Medicina Veterinária, de 21 a 23 de agosto no Itu Plaza Hotel, em Itu, Interior de São Paulo. O evento, que acontece a cada dois anos, é gratuito, e trará as últimas novidades do setor com temas sobre os segmentos pet e equinos, mercado veterinário e empreendedorismo. São esperados mais de 500 participantes de 70 instituições de ensino em Medicina Veterinária, de 21 estados brasileiros.

De acordo Cristiano de Sá, diretor de Marketing e Novos Negócios da Vetnil, o evento já se consolidou como uma referência, sendo 100% feito com foco nos residentes. “A Vetnil entende o evento como um investimento em qualificação e aprimoramento do profissional médico veterinário. Temos o apoio de parceiros na divulgação e participação no evento. Após as duas primeiras edições, podemos afirmar que a iniciativa proporciona debates e conteúdos relevantes  ao programa de residência em Medicina Veterinária, além da troca de experiências enriquecedora entre ex-residentes, que hoje atuam no mercado, com os residentes participantes, apontando um novo leque de opções de onde atuar e que caminho seguir. Sem dúvida,  esta edição  será mais um marco na trajetória de sucesso da Vetnil”, destaca.

Neste ano, o Encontro de Residentes contará com aproximadamente 60 palestrantes que abordarão temas variados e divididos entre pequenos animais e equinos nas áreas: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Reprodução, Nutrição, Anestesiologia e Diagnóstico por Imagem. Haverá também alguns momentos de debates abertos   os programas atuais de residência em Medicina Veterinária do Brasil, exemplos de empreendedorismo e histórias de ex-residentes e profissionais de sucesso do mercado.

Repetindo as duas últimas edições, está progamada uma Confraternização de Boas Vindas no primeiro dia de evento e um Happy Hour no segundo. Entre as novidades deste ano, estão as salas de Diagnóstico por Imagem e participantes internacionais. “Durante o Encontro, homenagearemos os Médicos Veterinários que tiveram uma atuação importante para o desenvolvimento da Residência Veterinária no Brasil”, complementa Sá.

O evento contará também com o apoio de grandes entidades, como CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária), CRMV/SP (Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo), Anclivepa Brasil e SP (Associação Nacional dos Clínicos Veterinários de Pequenos Animais), ABRAVEQ (Associação Brasileira dos Médicos Veterinários de Equídeos), SEBRAE e MEC (Ministério da Educação e Cultura).

Serviço

Evento: 3º Encontro Vetnil de Residentes em Medicina Veterinária
Data:
21 a 23 de agosto de 2017
Local: Itu Plaza Hotel – Alameda das Amoreiras, 81, Jardim Paraíso II, Itu/SP

Mais Informações: http://www.vetnil.com.br/encontroresidentes2017/

Sobre a Vetnil

Fundada há mais de 20 anos pelo médico veterinário Dr. João Carlos Ribeiro, a Vetnil, empresa 100% nacional, atua em pesquisas e no desenvolvimento de produtos para a saúde e performance de pets e de equinos, estando entre as líderes de mercado nestes segmentos no Brasil. A companhia também exporta as suas soluções para diversos países e tem acumulado premiações importantes, como a “100 Melhores empresas para se trabalhar no Brasil” (Revista Época, 2006), “30 Melhores empresas para a mulher trabalhar” (Revista Época, 2006), “As 200 Pequenas e Médias Empresas Que Mais Crescem No Brasil” (Revista Exame, 2015), “Melhores do Agronegócio – As 10 melhores do Setor Saúde Animal” (Anuário do Agronegócio 2015, Revista Globo Rural), além de ter sido vencedora na categoria ‘Produtos Veterinários’ do Anuário do Agronegócio da Revista Globo Rural de 2016.

Ourofino Saúde Animal palestra na Vet Health Global  

Realizada no Canadá, Conferência Internacional de Saúde Animal é um dos principais eventos do mundo em tecnologia e inovação 

Para promover soluções eficazes para a sanidade animal, impulsionar a produtividade no campo e cuidar da relação das pessoas com seus pets, a Ourofino Saúde Animal marca presença nos principais eventos do setor, nos âmbitos nacional e internacional, compartilhando e absorvendo novos conhecimentos. Neste mês, foi a vez de a empresa participar da Conferência Internacional de Saúde Animal (Vet Health Global), em Charlottetow, no Canadá.

Entre 12 e 14 de junho, o gerente executivo de Novos Negócios da Ourofino, José Ricardo Maio, acompanhou as principais tendências em pesquisa e tecnologia no segmento de saúde animal e trocou experiências com os principais líderes, pesquisadores e formadores de opinião do mundo, especialmente da Europa e América do Norte.

O gerente também foi palestrante no evento e falou sobre resistência antimicrobiana. “Palestrei durante uma das plenárias sobre o uso de antibióticos e problemas relacionados à resistência bacteriana, apresentando o cenário brasileiro, as inovações locais e o comportamento do mercado, além de discutir o futuro do setor. Foi uma oportunidade enriquecedora”, destaca.

É a terceira vez que a Ourofino participa da Vet Health Global, sendo a segunda edição com palestrante. “Como filosofia da companhia, a Ourofino busca inovar constantemente, tanto para animais de companhia quanto para os de produção, então é fundamental estarmos presentes nos principais eventos do setor”, completa Maio.

A indústria veterinária zela por atender às necessidades atuais e futuras do mercado de grandes e pequenos animais, com atenção ao meio ambiente e à sanidade animal, por isso a empresa investe na área de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e fomenta a interação com profissionais do agronegócio e do setor pet.

A Vet Health Global é uma conferência bienal e é tida como um local de encontro para os líderes da indústria internacional.

Sobre a Ourofino Saúde Animal

A Ourofino Saúde Animal é composta por diferentes empresas, que atuam na fabricação e distribuição de produtos veterinários nos segmentos de animais de produção e de companhia. Em uma área de 180 mil m2, em Cravinhos (SP), o complexo industrial está entre os mais modernos do setor e atende a rigorosas normas locais e internacionais para fabricação de produtos veterinários para bovinos, equinos, aves, suínos e pets.

São mais de mil colaboradores, incluindo a maior equipe comercial no Brasil para atender revendas, cooperativas, distribuidoras, agroindústrias e produtores rurais. A companhia foi fundada em 1º de junho de 1987 pelos empreendedores Norival Bonamichi e Jardel Massari. Mais informações em www.ourofinosaudeanimal.com.

 

Informações para a imprensa:

ComTexto Comunicação Corporativa

Thaís Campos – thaiscampos@ctexto.com.br
Fernanda Franco – fernanda@ctexto.com.br 
Tel.: (16) 99772-5907 / 3964-7000
www.ctexto.com.br

Ourofino participa da 14ª Megaleite com exclusivo anti-inflamatório

Maxicam 2% é o único no Brasil à base de meloxicam e oferece ação analgésica prolongada

Reunir toda a cadeia produtiva para promover a potencialidade da pecuária leiteira é o principal objetivo da Exposição Brasileira do Agronegócio do Leite – Megaleite, evento que acontece entre 28 de junho e 1º de julho, no Parque da Gameleira, em Belo Horizonte (MG). E a Ourofino Saúde Animal é presença garantida na feira, destacando o Maxicam 2%, único anti-inflamatório brasileiro à base de meloxicam para bovinos.

“Processos inflamatórios causam desconforto aos animais, refletindo diretamente na capacidade produtiva. Para ajudar a garantir uma pecuária leiteira rentável, a Ourofino desenvolve soluções exclusivas como o Maxicam 2%, que é referência de eficácia e qualidade”, diz Gustavo Paranhos, gerente de produtos para gado de leite na empresa.

O anti-inflamatório não esteroide apresenta potente ação analgésica e anti-inflamatória prolongada (24 horas), além de uma proteção adicional para as cartilagens das articulações. O Maxicam 2% injetável não causa efeitos colaterais, por atuar apenas nos pontos de inflamação, e pode ser utilizado em tratamentos de médio e longo prazo, o que as demais moléculas presentes no mercado não permitem.

Durante a Megaleite, a Ourofino ainda apresentará os antimastíticos Sellat e Ciprolac Vaca Seca e o antimicrobiano Lactofur, que oferecem tratamentos efetivos aos rebanhos. “Nosso principal objetivo é apresentar soluções diferenciadas e ligadas às reais necessidades do dia a dia do pecuarista nacional, além de destacar a campanha Leite é Bom com Tudo”, reforça Gustavo.

Para saber mais detalhes dos produtos, os visitantes devem procurar o estande da Ourofino Saúde Animal, no qual os profissionais estarão a postos para tirar dúvidas, orientar, disseminar conteúdos e, consequentemente, impulsionar a produtividade do setor.

Sobre a campanha Leite é Bom com Tudo, é uma iniciativa da Ourofino que preza pelo incentivo à produtividade da pecuária leiteira e ao consumo da bebida e seus derivados. Por isso, ela se propõe a fomentar os negócios da cadeia produtiva do segmento em um trabalho realizado com parceiros que vão desde o setor primário, em que estão os produtores, as revendas e cooperativas, até consumidores.

Além de competições de animais para julgamentos, a programação da 14ª edição da Megaleite inclui concursos leiteiros, palestras, cursos, leilões e a feira. O evento acontece das 8h às 22h.

Sobre a Ourofino Saúde Animal

Localizada em Cravinhos (SP), o complexo industrial com mais de 180 mil metros quadrados está entre os mais modernos do segmento e atende a rigorosas normas locais e internacionais para fabricação de produtos veterinários para bovinos, equinos, aves, suínos e pets.

A indústria veterinária brasileira emprega mais de mil colaboradores, que inclui a maior equipe comercial do segmento no Brasil para atender revendas, cooperativas, agroindústrias e produtores rurais. A companhia foi fundada em 1º de junho de 1987 pelos empreendedores Norival Bonamichi e Jardel Massari. Mais informações em www.ourofinosaudeanimal.com.

 

Informações para a imprensa:

ComTexto Comunicação Corporativa
Thaís Campos – thaiscampos@ctexto.com.br
Fernanda Franco – fernanda@ctexto.com.br
Tel.: (16) 99766-2825 / 3964-7000
www.ctexto.com.br

Quer fazer parte de nosso time de conteudistas de grandes animais?

Estamos montando um time campeão de veterinários e estudantes de grandes animais interessados em criar conteúdos em textos para nosso novo blog de grandes animais e assim difundir conhecimento com nossa base de mais de 20.000 usuários mensais!

Se você escreve bem, tem bons conhecimentos técnicos e quiser fazer parte de nosso time mande um email para vetsmart@vetsmart.com.br falando sobre sua experiência com bovinos e equinos.

Você será avaliado por nossa equipe e poderá nos ajudar nessa grande missão.

Grandes Animais – Brucelose: principais diretrizes do combate à enfermidade

Em linhas gerais a brucelose trata-se de uma zoonose infectocontagiosa que tem como agente etiológico bactérias do gênero Brucella. Tem distribuição mundial e gera importantes problemas sanitários e prejuízos econômicos no território nacional, sendo motivo de restrições ao mercado internacional. Atualmente no Brasil, o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) tem atuado em ações na implementação de protocolos a fim de erradicar totalmente a doença em solo nacional. Continuar lendo Grandes Animais – Brucelose: principais diretrizes do combate à enfermidade

Grandes Animais – Dermatofilose: caracterizando e manejando animais acometidos

A dermatofilose, também conhecida como “estreptotricose”, é uma enfermidade infectocontagiosa aguda ou crônica e se apresenta em forma de dermatite hiperplásica ou exsudativa, caracterizando-se por erupções cutâneas crostosas e escamosas, acometendo diversas espécies de mamíferos, com relatos em bovinos, ovinos, caprinos, suínos, equinos e também em humanos. Nos equinos é prevalente em animais jovens, de até 2 anos de idade e é considerada autolimitante em indivíduos imunocompetentes.

A ocorrência da dermatofilose está limitada a presença de animais portadores, entretanto por se tratar de um agente oportunista, a bactéria é encontrada na pele íntegra (flora residente) podendo penetrar e colonizar o folículo piloso mediante condições ambientais favoráveis. Fatores estressantes como desmama precoce, carência alimentar e traumatismos por manejo inadequado, associados a períodos chuvosos e quentes, levam ao desequilíbrio das barreiras superficiais de defesa imunológica e inespecíficas (pH, ácidos graxos e flora normal) quebrando a integridade da pele e permitindo que os zoósporos de D. congolensis invadam o tegumento produzindo a dermatite bacteriana.
Continuar lendo Grandes Animais – Dermatofilose: caracterizando e manejando animais acometidos

Feliz dia do trabalhador rural. Uma homenagem do Vet Smart Bovinos e Equinos

Poucos são capazes se lembram ou procuram saber quem são eles. Quem são àqueles que todos os dias permitem que possamos fazer as compras de frutas e legumes nos supermercados, mercearias e feiras.

São as mãos calejadas, a pele queimada de sol e o corpo dolorido que fazem deles grandes. São homens e mulheres, de pouca ou muita idade. Aram a terra, plantam a semente, regam e colhem os frutos.

Frutos esses que vão todos os dias para a mesa de milhões de brasileiros, ou ainda, são exportados mundo afora. São esses mesmos trabalhadores que garantem o sustento da família plantando em seu pedaço de terra ou trabalhando para grandes empresas.

É certo que sem esses gigantes pouco ou quase nada seria possível no campo, e é por essa razão que a Vet Smart parabeniza os 23,4 milhões de brasileiros que carregam consigo a missão de trazer o alimento para junto de nós da melhor maneira possível.

Trabalhador rural: reconhecemos o seu valor e agradecemos a dedicação à Nação.

Por Larissa Florêncio de Assis, colaboradora do Setor de Patologia Clínica Veterinária da Universidade Federal de Lavras e Editora Chefe Vet Smart.

Grandes Animais – Febre do leite: desafios da reprodução

A hipocalcemia é um distúrbio metabólico no qual o mecanismo de regulação dos níveis de cálcio no sangue é perturbado pelo aumento súbito e acelerado da mobilização desse elemento no início do período de produção de colostro e leite. É uma doença comum em vacas leiteiras de alta produção, aparecendo em geral, a partir da segunda lactação e entre 24 e 48 horas após o parto. O quadro clínico do problema é bastante evidente: há um excitamento nervoso, com tremores de cabeça e tetania ou contração muscular, notadamente das grandes massas musculares, além de protusão ou exposição da língua. As vacas ficam tristes, com sintomas de apatia e abertura dos membros posteriores e ataxia ou falta de coordenação dos movimentos, dando ao animal um aspecto de cavalete, seguido de prostração ao cair ao chão.

A hipocalcemia é resultante da queda da concentração de cálcio no sangue. Na maioria das vezes, esta queda ocorre na ocasião do parto devido à alta demanda de cálcio para a produção do colostro. Animais que apresentam a forma clínica da hipocalcemia possuem níveis abaixo de 6,0 mg de cálcio/100 ml de sangue. Quando a concentração de cálcio no sangue encontra-se entre 6,5 a 8,0 mg/100 ml ocorre a hipocalcemia subclínica. Este distúrbio é facilmente tratado com aplicações intravenosas de borogluconato de cálcio a 23% . Como o cálcio é cardiotóxico, a sua aplicação deve ser lenta e acompanhada de auscultação cardíaca.  Na maioria dos animais a recuperação acontece imediatamente após o tratamento ou até 2 horas após. Os sinais indicativos de melhora clínica durante o tratamento são: tremores  musculares finos, aumento da intensidade dos batimentos cardíacos, o pulso se torna evidente, retorno da defecação e eructação e tentativa do animal em se manter em pé. Quando o diagnóstico é feito corretamente e as vacas são tratadas em tempo hábil, a maioria se recupera.

Continuar lendo Grandes Animais – Febre do leite: desafios da reprodução