Sobre

Princípio(s) Ativo(s)

  • Danofloxacino

Classificaçāo

Antibiótico (grupo Quinolonas)

Receita

Receita Simples

Espécies

Bovinos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Informe ao Médico Veterinário a ocorrência de gestação ou lactação durante ou logo após o tratamento.

A interrupção do tratamento e a modificação de dose não devem ser feitas sem a orientação do Médico Veterinário. Os microrganismos são capazes de desenvolver resistência nos casos de subdosagem.

O medicamento só deve ser prescrito por um Médico Veterinário. O uso indiscriminado de antimicrobianos pode ser perigoso para a saúde dos animais.

As embalagens vazias podem ser recicladas ou descartadas no lixo comum após serem inutilizadas.

Continue o tratamento pelo tempo determinado pelo médico veterinário, mesmo se o animal apresentar melhora.

ARMAZENAMENTO

Conservar em local seco, entre 5°C e 30°C, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

É um antibiótico com ação contra bactérias gram-negativas e algumas gram-positivas. E. coli, Klebsiella pneumoniae, Staphylococcus aureus e epidermidis, Pasteurella multocida, Proteus mirabilis, Mycoplasma spp. E Rickettsia ricketsii. As fluoroquinolonas são indicadas para o tratamento de infecções no trato genito-urinário, incluindo prostatite, infecções dérmicas e infecções respiratórias em cães (VIEIRA & PINHEIRO, 2004). Além de gastroenterite bacteriana grave, otite, osteomielite, meningoencefalites e endocardites causadas por estes microorganismos (GÓRNIAK, 2006).

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Deve-se evitar o uso desta substância em animais jovens, porque pode causar lesão na cartilagem (VIEIRA & PINHEIRO, 2004). É contra-indicado a pacientes com conhecida hipersensibilidade a quinolonas.

EFEITOS ADVERSOS

Ocasionalmente pode causar náuseas, vômito e diarreia. Todas as fluorquinolonas podem causar artropatia em animais jovens.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Evitar o uso durante gestação e lactação.

SUPERDOSAGEM

Altas concentrações podem causar toxicidade no SNC, especialmente em animais com insuficiência renal (VIEIRA & PINHEIRO,2004).

Administração e doses

Via(s)

SC

IV

IM

Videos da(s) via(s)

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

24/24 horas

DURAÇÃO DO TRATAMENTO

A duração do tratamento pode variar muito de acordo com a gravidade da infecção.

Doses

Recomendado

Bovinos

1,25 mg / kg

calcular

OBSERVAÇÕES

A escolha do antimicrobiano deve ser baseada na experiência do clínico, resultados dos testes de sensibilidade e função renal do paciente (CALVERT, 1982).

A administração do medicamento por via parenteral, deve seguir os procedimentos de assepsia e utilização de seringas e agulhas descartáveis.

Interações medicamentosas

Observações da interação

Antiácidos contendo cátions e sucralfato podem diminuir a absorção da norfloxacina. Recomenda-se separar estas drogas e administra-las com uma diferença de 2 horas. A nitrofurantoína pode antagonizar a atividade antimicrobiana das fluoroquinolonas, portanto essa associação não é recomendada. Fluorquinolonas podem aumentar a nefrotoxicidade das ciclosporinas. O uso de cloranfenicol ou rifamicina, concomitantemente ao uso de quinolonas, produzirá efeito antagônico (GÓRNIAK, 2006).

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

São substâncias químicas pertencentes ao grupo das quinolonas de 2ª geração - fluorquinolonas. São antimicrobianos bactericidas e sua atividade se relaciona com a inibição das topoisomerases bacterianas do tipo II, também conhecida como DNA girase, impedindo o enrolamento da hélice de DNA numa forma superespiralada (GÓRNIAK, 2006).

FARMACOCINÉTICA

Após administração oral, é rapidamente absorvida, porém o pico máximo de concentração sérica varia conforme a espécie animal (em cães atinge o pico máximo em 0,9 horas). Uma das principais vantagens do uso das fluorquinolonas é seu largo volume de distribuição, além da baixa ligação com as proteínas plasmáticas.

O grau de biotransformação é bastante variável, as fluorquinolonas são parcialmente biotransformadas, sendo excretadas na urina e na bile, em altas concentrações, como substância ativa.

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Tem-se relacionado o aparecimento de cristalúria em animais com urina alcalina e tratados com fluorquinolonas; portanto, quando o uso destes antimicrobianos for prolongado, recomenda-se hidratação adequada e acidificação da urina.

EFEITOS ADVERSOS

Ocasionalmente pode causar náuseas, vômito e diarreia. Todas as fluorquinolonas podem causar artropatia em animais jovens.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Evitar o uso durante gestação e lactação.

SUPERDOSAGEM

Altas concentrações podem causar toxicidade no SNC, especialmente em animais com insuficiência renal (VIEIRA & PINHEIRO,2004).

MONITORAMENTO

Pacientes com insuficiência renal devem ser monitorados para acompanhar o aparecimento de cristalúria, hematúria ou nefrite intersticial.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Referências Bibliográficas

ANDRADE, S.F. Drogas que atuam no sistema nervoso periférico. In: Andrade SF. Manual de terapêutica veterinária. 2. ed. São Paulo: Roca, 2002. p.401-429.

GÓRNIAK, S. L. Quimioterápicos. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Monografias farmacêuticas. In: VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Formulário veterinário farmacêutico. 1. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2004