Sobre

Aviso

Este medicamento é de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Acetaminofeno

Classificaçāo

Anti-inflamatório Não Esteroidal (AINE), Analgésico

Receita

Receita Simples

Espécies

Equinos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

NÃO DEVE SER UTILIZADO EM GATOS.

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Anti-inflamatório não-esteroidal, predominantemente Analgésico e Antitérmico.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Deve ser usado com cautela em animais, sempre sob avaliação do médico veterinário.

EFEITOS ADVERSOS

Podem ocorrer toxicidade hepática e renal além de alterações hematológicas, cardiorespiratórias e dermatológicas . Em humanos, durante o uso de altas doses de paracetamol podem ocorrer vômitos, anorexia e dor abdominal e sintomas clínicos de lesão hepática (CARVALHO, 2010).

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Em humanos se apresenta relativamente seguro para uso durante a gestação. Não existem estudos que garantam seu uso em animais gestantes. É excretado em pequenas quantidades no leite.

SUPERDOSAGEM

Pode causar necrose hepática. Tratamento: Administração de N-acetilcisteína pode diminuir a gravidade da lesão hepática.

Administração e doses

Via(s)

Oral

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

6 a 8 horas

Doses

Recomendado

Equinos

7 mg / kg

calcular

Interações medicamentosas

Anticoagulantes

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado dos Anticoagulantes, com risco de sangramento

Mecanismo de Ação

Paracetamol ou seu metabólito aumenta o antagonismo à vitamina K

Conduta

Ajustar dose

Barbitúricos

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento da toxicidade do Paracetamol

Mecanismo de Ação

Aumento do metabolismo do Paracetamol, que leva ao aumento de suas hepatotoxinas

Conduta

Ajustar dose

Carbamazepina

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento da toxicidade do Paracetamol

Mecanismo de Ação

Aumento do metabolismo do Paracetamol, que leva ao aumento de suas hepatotoxinas

Conduta

Ajustar dose

Fenitoína

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento da toxicidade do Paracetamol

Mecanismo de Ação

Aumento do metabolismo do Paracetamol, que leva ao aumento de suas hepatotoxinas

Conduta

Ajustar dose

Insulina

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento do efeito hipoglicemiante

Conduta

Monitorar glicemia, ajustar dose

Rifampicina

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento da toxicidade do Paracetamol

Mecanismo de Ação

Aumento do metabolismo do Paracetamol, que leva ao aumento de suas hepatotoxinas

Conduta

Ajustar dose

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O paracetamol age inibindo fracamente a COX-1 e COX-2, por isso possui efeito antiinflamatório fraco, porém ainda possui propriedades analgésicas e antitérmicas (CARVALHO, 2010; STEAGALL e ROCHA, 2012).

FARMACOCINÉTICA

Em meio ácido ou rico em peróxidos o acetaminofeno não consegue inibir a COX, não sendo eficiente nesses casos. O acetaminofeno é metabolizado no fígado e pode apresentar hepatotoxidade em diversas espécies animais, sendo completamente contraindicado para gatos (CARVALHO, 2010; STEAGALL e ROCHA, 2012).

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Durante quadros de intoxicação em humanos pode alterar valores de AST e ALT.

EFEITOS ADVERSOS

Podem ocorrer toxicidade hepática e renal além de alterações hematológicas, cardiorespiratórias e dermatológicas . Em humanos, durante o uso de altas doses de paracetamol podem ocorrer vômitos, anorexia e dor abdominal e sintomas clínicos de lesão hepática (CARVALHO, 2010).

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Em humanos se apresenta relativamente seguro para uso durante a gestação. Não existem estudos que garantam seu uso em animais gestantes. É excretado em pequenas quantidades no leite.

SUPERDOSAGEM

Pode causar necrose hepática. Tratamento: Administração de N-acetilcisteína pode diminuir a gravidade da lesão hepática.

MONITORAMENTO

Sinais de toxicidade hepática devem ser monitorados durante o tratamento.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

CARVALHO, W. A. Anti-inflamatórios Não Esteroides, Analgésicos, Antipiréticos e Drogas Utilizadas no Tratamento da Gota. In: SILVA, P., 1921. Farmacologia/Penildon Silva – 8 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

STEAGALL, P. V. M e ROCHA, N. P. Farmacologia dos anti-inflamatórios não esteroidais e antipiréticos- analgésicos. In: BARROS, C. M. e DI STASI, L. C. Farmacologia veterinária. Manole. Barueri-SP, 2012.