Sobre

Aviso

Este medicamento é de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Halotano

Classificaçāo

Anestésico Inalatório

Receita

Controle Especial - Humano

Espécies

Bovinos e Equinos

COMPOSIÇÃO

Cada mL contém:

halotano 1 mL

timol 0,01% p/p

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

O uso de anestésicos inalatórios deve ser cuidadosamente acompanhado por um médico veterinário.

ARMAZENAMENTO

Conservar em recipiente hermeticamente fechado, pois o halotano é extremamente volátil.

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Anestésico geral inalatório.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Não usar em animais com histórico de hipertermia malígna ou hepatotoxidade após uso prévio do fármaco;

Usar com cautela em portadores de insuficiência hepática, arritmias cardíacas, aumento da pressão intracraniana, traumatismo craniano e miastenia grave.

EFEITOS ADVERSOS

Hipotensão, síndrome da hipertermia maligna, arritmias, depressão cardíaca, aumento da pressão intracraniana, depressão respiratória, acidose respiratória e em humanos pode causar hepatotoxicidade.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O halotano é descrito como potente relaxante uterino.

Seu uso deve ser evitado durante gestação.

SUPERDOSAGEM

Concentrações excessivas podem ser fatais.

Administração e doses

Via(s)

Inalatória

Indução

Recomendado

Bovinos e Equinos

2 - 5 % / animal

Manutenção

Recomendado

Bovinos e Equinos

0,5 - 3 % / animal

OBSERVAÇÕES

Valor da concentração alveolar mínima para grandes animais é em torno de 0,9 a 1%.

Em humanos é observado que a concentração alveolar mínima diminui com a idade.

O halotano vem sendo subtituído por opções de anestésicos mais novos como o isoflorano.

Interações medicamentosas

Aminoglicosídeos

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Bloqueio neuromuscular aditivo

Conduta

Evitar o uso

Amiodarona

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Potencialização da hipotensão

Conduta

Incompatível

Besilato de Atracúrio

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Potencialização das ações dos bloqueadores neuromusculares não despolarizantes

Mecanismo de Ação

Potencialização e sinergismos das ações farmacológicas

Conduta

Incompatível

Beta-bloqueadores

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Hipotensão grave e prolongada

Conduta

Incompatível

Bloqueadores neuromusculares

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Bloqueio neuromuscular aditivo

Conduta

Evitar o uso

Brometo de Pancurônio

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado do brometo de pancurônio

Mecanismo de Ação

Potencialização e sinergismos das ações farmacológicas

Conduta

Ajustar dose

Cetamina

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Hipotensão e diminuição do débito cardíaco

Mecanismo de Ação

Desconhecido

Conduta

Evitar o uso

Cloridrato de Doxapram

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Arritmia

Conduta

Evitar o uso

Cloridrato de Xilazina

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Arritmia ventricular

Conduta

Evitar o uso

Doxapram

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Arritmia

Conduta

Evitar o uso

Ergometrina

Tipo de Interação

Antagonismo

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Efeito terapêutico diminuido do Halotano, com risco de hemorragia uterina grave

Conduta

Incompatível

Fenitoína

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento do risco de hepatotoxicidade do Halotano

Conduta

Evitar o uso

Lincomicina

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Bloqueio neuromuscular aditivo

Conduta

Evitar o uso

Metildopa

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento dos níveis de Halotano

Conduta

Ajustar dose

Midazolam

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Potencialização da ação anestésica do Halotano

Conduta

Ajustar dose

Morfina

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Potencialização dos efeitos de depressão respiratória

Conduta

Evitar o uso

Ocitocina

Tipo de Interação

Antagonismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico diminuido da Ocitocina e aumento do seu efeito hipotensor

Conduta

Evitar o uso

Teofilina

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Arritmias graves

Mecanismo de Ação

Desconhecido

Conduta

Incompatível

Xantinas

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Aumento do risco de arritmias

Conduta

Evitar o uso

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

COMPATIBILIDADE

Na presença de umidade os vapores atacam o alumínio, bronze e o chumbo, mas não o cobre.

A borracha, alguns plásticos e materiais similares são solúveis no halotano, deteriorando-se facilmente quando em contato com o mesmo.

FARMACODINÂMICA

O mecanismo de ação dos anestésicos inalatórios ainda não é bem esclarecido.

Quando inalado, o halotano é absorvido através dos alvéolos até a corrente sanguínea e circula através do organismo até o principal local de ação, o cérebro, onde causa uma depressão progressiva do sistema nervoso central, iniciando nos centros mais altos (córtex cerebral) e espalhando-se para os centros vitais da medula.

Produz relaxamento muscular moderado além de supressão das secreções salivares, brônquicas e gástricas.

Apresenta indução e recuperação rápidas, facilitando alterações na profundidade da anestesia durante os procedimentos e sendo rapidamente reversível.

FARMACOCINÉTICA

Aproximadamente 60% a 80% do halotano absorvido são eliminados inalterados com a expiração nas primeiras horas após sua administração.

O restante continua a ser exalado por vários dias ou semanas e sofre oxidação e redução no organismo.

Em humanos são citados metabólitos que podem se ligar irreversivelmente a estruturas das células, podendo causar hepatotoxicidade em indivíduos que apresentem predisposição.

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Pode causar interferência em teste de função hepática.

EFEITOS ADVERSOS

Hipotensão, síndrome da hipertermia maligna, arritmias, depressão cardíaca, aumento da pressão intracraniana, depressão respiratória, acidose respiratória e em humanos pode causar hepatotoxicidade.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O halotano é descrito como potente relaxante uterino.

Seu uso deve ser evitado durante gestação.

SUPERDOSAGEM

Concentrações excessivas podem ser fatais.

MONITORAMENTO

O paciente deve ser cuidadosamente acompanhado durante anestesia.

Monitorar frequência e ritmo cardíaco e respiratório.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

BORGES, José Henrique Saraiva et al. Efeitos da infusão contínua de cetamina S (+) em eqüinos anestesiados pelo halotano. Ciência Animal Brasileira, v. 11, n. 1, p. 141-148, 2010.

FANTONI, Denise Tabacchi et al. Uso da solução hipertônica de cloreto de sódio a 7, 5% no tratamento da hipotensão arterial decorrente da anestesia com halotano em eqüinos. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 34, n. 6, p. 327-331, 1997.

FANTONI, D. T. e CORTOPASSI, S. R. G. Anestésicos Inalatórios. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica veterinária. 3ª ed. – São Paulo: Roca, 2008.

SÁ, P. A. et al. Efeitos do modo ventilatório sobre variáveis hemogasométricas em equinos submetidos à mudança de decúbito durante a anestesia geral inalatória com halotano. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, p. 549-554, 2010.

SILVA POLYDORO, Alexandre et al. Alterações cardiorrespiratórias da anestesia geral em eqüinos com romifidina, tiletamina/zolazepam e halotano. Ciência Rural, v. 27, n. 2, p. 249-256, 1997.