Sobre

Aviso

Este medicamento é de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Mesilato de Bromocriptina

Classificaçāo

Agonista Dopaminérgico

Receita

Receita Simples

Espécies

Equinos

COMPOSIÇÃO

Cada comprimido sulcado de Parlodel® contém 2,87 mg de mesilato de bromocriptina, correspondendo a 2,5 mg de bromocriptina base.

Excipientes: amido, estearato de magnésio, lactose, ácido maleico, dióxido de silício e edetato dissódico.

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Mulheres gestantes ou lactantes devem manusear o medicamento utilizando todos os procedimentos de proteção para evitar a exposição.

Quando utilizada para a interrupção da gestação, o animal deve ser cuidadosamente acompanhado pelo médico veterinário.

ARMAZENAMENTO

Conservar no recipiente original, em temperatura ambiente, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Agonista dopaminérgico e inibidor da prolactina, utilizado como abortivo, inibidor da lactação e para tratamento da hiperplasia pituitária em equinos.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Usar com cautela em portadores de doenças hepáticas.

EFEITOS ADVERSOS

Sinais gastrintestinais, sedação e hipotensão.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes e lactantes onde não se deseja o aborto ou interrupção da lactação.

SUPERDOSAGEM

Na superdosagem podem ocorrer diarréias, tremores musculares e taquicardia.

Administração e doses

Via(s)

SC

Oral

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

12 / 12 horas

Doses

Recomendado

Equinos

0,03 - 0,09 mg / kg

calcular

Interações medicamentosas

Observações da interação

A administração concomitante com Alcalóides do ergot, amitraz, anti-hipertensivos, azitromicina, ciclosporina e metoclopramida podem modificar a absorção dessas substâncias e causar efeitos adversos.

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A bromocriptina se liga aos receptores dopaminérgicos no sistema nervoso central, provocando estimulação.

Com isso, inibe a secreção da prolactina da hipófise anterior sem afetar os níveis normais de outros hormônios hipofisários. Por sua ação de inibição da prolactina é utilizada para a inibição da lactação, já que a prolactina é necessária para a manutenção da lactação.

Também é utilizada no tratamento de hiperadrenocorticismo (doença de Cushing equina) por sua inibição na liberação de ACTH.

FARMACOCINÉTICA

Apesar de apresentar absorção dificultada pela via oral, ainda assim pode ser utilizado por essa via em equinos.

Apresenta alta taxa de ligação às proteínas plasmáticas.

EFEITOS ADVERSOS

Sinais gastrintestinais, sedação e hipotensão.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes e lactantes onde não se deseja o aborto ou interrupção da lactação.

SUPERDOSAGEM

Na superdosagem podem ocorrer diarréias, tremores musculares e taquicardia.

MONITORAMENTO

Animais com histórico de hipotensão devem ter a pressão sanguínea monitorada durante a terapia.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

REED, S. M. Adenomas Hipofisários: Doença de Cushing Equina. In: Reed S.M. & Bayly W.M. Medicina interna equina. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2000.