Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Neomicina

Classificaçāo

Antimicrobiano

Receita

Receita Simples

Espécies

Bovinos e Equinos

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Os aminoglicosídeos são indicados para o tratamento de infecções causadas por microrganismos Gram-negativos aeróbicos (RIVIERE e SPOO, 2013).

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Dentre os antibióticos aminoglicosódeos, a neomicina apresenta o maior potencial nefrotóxico, não sendo recomendada portanto para utilização sistêmica (PAES, 2012).

EFEITOS ADVERSOS

Pode causar distúrbios gastrointestinais em equinos sensíveis.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso tópico e oral parece não apresentar efeitos na gestação e lactação.

Administração e doses

Via(s)

Oral

Tópica

Intramamária

Tratamento de mastite (via intramamária) (COSTA, 2011)

Recomendado

Bovinos

300 mg / animal

OBSERVAÇÕES

Sugere-se a dose de 20 mg/kg a cada 12 horas, por via oral para uso em terapia antidiarreica (PAES, 2012).

Interações medicamentosas

Esse produto não contém interações, pois não há referências sobre ou ainda não foi preenchida por nossa equipe técnica.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Os aminoglicosídeos se ligam irreversivelmente às proteínas na subunidade 30S do ribossoma dos microrganismos. Esses agentes bactericidas interferem na síntese proteica bacteriana, de forma que são produzidos peptídeos não funcionais, sintetizados através da leitura equivocada do RNAm. Os aminoglicosídeos ultrapassam a barreira externa das bactérias Gram-negativas através dos canais de porina, que são canais aquosos formados por essas proteínas. O oxigênio é essencial no processo de transporte ativo do fármaco para dentro da célula, explicando a baixa eficiência dos aminoglicosídeos contra organismos anaeróbios. (CARVALHO, 2010; RIVIERE e SPOO, 2013; PAES, 2012).

FARMACOCINÉTICA

Os aminoglicosídeos são absorvidos no tratro gastrointestinal em quantidades mínimas por apresentarem características de alta polaridade, não sendo considerada uma via eficiente para sua administração para obtenção de efeitos sistêmicos. Por via IM ou SC são completamente absorvidos e apresentam concentração sérica máxima entre 30 e 120 minutos. São eliminados nas fezes e urina sem serem metabolizados pelo organismo animal (CARVALHO, 2010; PAES, 2012; RIVIERE e SPOO, 2013). A neomicina por outro lado, apresenta grande potencial nefrotóxico, portanto seu uso é preferido em formulações tópicas, como pomadas antimastíticas, colírios e velas uterinas, e por via oral como antidiarreico (PAES, 2012).

EFEITOS ADVERSOS

Pode causar distúrbios gastrointestinais em equinos sensíveis.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso tópico e oral parece não apresentar efeitos na gestação e lactação.

MONITORAMENTO

A hidratação do paciente deve ser monitorada quando utilizada por via oral.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

CARVALHO F. L. Q. Aminoglicosídios. In: SILVA, P., 1921. Farmacologia/Penildon Silva – 8 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

COSTA, E. O. Uso de Antimicrobianos na Mastite. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

PAES, A.C. Aminoglicosídeos. In: BARROS, C. M. e DI STASI, L. C. Farmacologia veterinária. Manole. Barueri-SP, 2012.

RIVIERE, J. E. e SPOO J.W. Antibióticos aminoglicosídeos. In: ADAMS, H. Richard. Farmacologia e terapêutica em veterinária / editoria de H. Richard Adams; [tradução Cid Figueiredo]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.