Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Diazinon

Classificaçāo

Antiparasitário

Receita

Receita Simples

Espécies

Bovinos e Equinos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Utilizar equipamentos de proteção durante a aplicação, principalmente em pulverizações. Não inalar.

Evitar o contato de pele, olhos e boca com inseticidas.

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Indicado para o controle de ectoparasitos.

EFEITOS ADVERSOS

Intoxicações podem ocorrer em decorrência do uso de organofosforados animais susceptíveis ou quando usado em doses elevadas.

Os principais efeitos são: náusea, vômito, diarreia, dor abdominal, polaciúria, sialorréia, sudorese, bradicardia, miose, tremores musculares e espasmos (ALMEIDA e AYRES, 2011; SANTARÉM, 2008).

Os efeitos no SNC podem causar tanto estimulação como depressão.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não é recomendado o uso de organofosforados em fêmeas com gestação adiantada.

SUPERDOSAGEM

O tratamento com sulfato de atropina (antagonista competitivo dos receptores muscarínicos) auxilia na redução dos efeitos tóxicos causados pelos organofosforados.

Administração e doses

Via(s)

Tópica

Interações medicamentosas

Aminofilina

Grau de Interação

Grave

Conduta

Incompatível

Observações da interação

Antídoto: Sulfato de Atropina pelas vias IM ou IV: 1 a 6 mg cada 5 a 30 minutos, até atropinização leve

Morfina

Grau de Interação

Grave

Conduta

Incompatível

Observações da interação

Antídoto: Sulfato de Atropina pelas vias IM ou IV: 1 a 6 mg cada 5 a 30 minutos, até atropinização leve

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

COMPATIBILIDADE

Comumente utilizado em formulações em associação com Cipermetrina ou Clorpirifós.

FARMACODINÂMICA

Os organofosforados atuam bloqueando a degradação da acetilcolina através da inibição irreversível da acetilcolinesterase.

Com a neurotransmissão sináptica danificada, o parasito sofre uma paralisia espástica.

FARMACOCINÉTICA

Por serem lipossolúveis apresentam boa absorção pela pele ou mucosas, e são rapidamente distribuídos e oxidados no fígado, em seguida sendo eliminados pela urina.

EFEITOS ADVERSOS

Intoxicações podem ocorrer em decorrência do uso de organofosforados animais susceptíveis ou quando usado em doses elevadas.

Os principais efeitos são: náusea, vômito, diarreia, dor abdominal, polaciúria, sialorréia, sudorese, bradicardia, miose, tremores musculares e espasmos (ALMEIDA e AYRES, 2011; SANTARÉM, 2008).

Os efeitos no SNC podem causar tanto estimulação como depressão.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não é recomendado o uso de organofosforados em fêmeas com gestação adiantada.

SUPERDOSAGEM

O tratamento com sulfato de atropina (antagonista competitivo dos receptores muscarínicos) auxilia na redução dos efeitos tóxicos causados pelos organofosforados.

MONITORAMENTO

Monitorar quanto ao surgimento de resistência parasitária.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, M. A. O e AYRES, M. C. C. Agentes Antinematódeos. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

SANTARÉM, V. A et al. Endo e Ectoparasiticidas. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica veterinária. 3ª ed. – São Paulo: Roca, 2008.