Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Furosemida

Classificaçāo

Diurético

Espécies

Bovinos e Equinos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Deixe água de qualidade à disposição do animal.

Informe ao médico veterinário sobre o aparecimentos de sinais adversos.

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Diurético de Alça.

EFEITOS ADVERSOS

Desidratação, hipocalemia, azotemia pré-renal, hipocloremia, hiponatremia, hipomagnésia, ototoxicidade, queda do débito cardíaco, colapso circulatório e insuficiência renal.

Gatos estão mais propensos a apresentação de sinais adversos.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Cautela no uso em gestação e lactação. A furosemida é excretada no leite.

SUPERDOSAGEM

O principal sintoma da intoxicação pela furosemida é a desidratação acompanhada do desequilíbrio eletrolítico.

Devem ser efetuadas a reposição de líquidos e a correção do balanço eletrolítico,além da monitorização das funções metabólicas.

Administração e doses

Via(s)

IV

IM

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

12/12 horas

IV (VIEIRA e PINHEIRO, 2004)

Recomendado

Bovinos

2,2 - 4,4 mg / kg

calcular

IV, IM (VIEIRA e PINHEIRO, 2004)

Recomendado

Equinos

0,5 - 1 mg / kg

calcular

Interações medicamentosas

Esse produto não contém interações, pois não há referências sobre ou ainda não foi preenchida por nossa equipe técnica.

Farmacologia

COMPATIBILIDADE

Em meio ácido a solução de furosemida apresenta precipitação, portanto no caso de diluição de soluções injetáveis de furosemida, deve-se ter cautela para que o pH da solução esteja dentro de uma variação de levemente alcalino para neutro. Solução salina normal é adequada como diluente.

FARMACODINÂMICA

A furosemida atua através da inibição da reabsorção de sódio, potássio e cloreto no segmento espesso do ramo ascendente da alça de Henle.

O efeito diurético alcançado leva também ao aumento da concentração urinária destes íons.

FARMACOCINÉTICA

A furosemida é facilmente absorvida quando administrada oralmente. Também pode ser utilizada pelas vias oral, subcutânea e intravenosa.

Quando utilizada pela via IV auxilia no tratamento de edema pulmonar por apresentar também efeito venodilatador.

Por ser ligar às proteínas plasmáticas logo após a absorção, apenas uma pequena parcela é metabolizada e a maior parte da dose terapêutica é transportada através dos túbulos contornados proximais.

Após administração intravenosa de furosemida, o início da ação ocorre entre 5 e 30 minutos (com duração dos efeitos de 2 a 3 horas) e quando administrada por via oral ocorre em 1 ou 2 horas e seus efeitos duram até 6 horas.

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Pode ocasionar anemia e leucopenia como efeitos adversos.

EFEITOS ADVERSOS

Desidratação, hipocalemia, azotemia pré-renal, hipocloremia, hiponatremia, hipomagnésia, ototoxicidade, queda do débito cardíaco, colapso circulatório e insuficiência renal.

Gatos estão mais propensos a apresentação de sinais adversos.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Cautela no uso em gestação e lactação. A furosemida é excretada no leite.

SUPERDOSAGEM

O principal sintoma da intoxicação pela furosemida é a desidratação acompanhada do desequilíbrio eletrolítico.

Devem ser efetuadas a reposição de líquidos e a correção do balanço eletrolítico,além da monitorização das funções metabólicas.

MONITORAMENTO

Monitorar a hidratação do paciente, se necessário fazer reposição hídrica.

Hipovolemia e distúrbios de eletrólitos também devem ser monitorados durante o tratamento.

Avaliar sinais de ototoxicidade em terapias prolongadas.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

MOREIRA, Christian Davids. Avaliação da utilização de Furosemida em eqüinos Puro Sangue de Corrida e sua correlação com a Hemorragia Pulmonar Induzida por Exercício. 2008.

PENACHIO, Daniel da Silva. Hemorragia pulmonar induzida por exercício: fatores predisponentes, prevenção e tratamento. 2009.

SCHADE, Jackson et al. Anomalia congênita interiatrial e interventricular em um equino: relato de caso. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 12, n. 1, p. 66-66, 2014.

VIEIRA F. C e PINHEIRO V. A. Monografias Farmacêuticas. In: VIEIRA F. C e PINHEIRO V. A. Formulário Veterinário Farmacêutico. 1ª edição, São Paulo: Pharmabooks, 2004.