Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Cetoconazol

Classificaçāo

Antifúngico (grupo Azóis)

Receita

Receita Simples

Espécies

Equinos

COMPOSIÇÃO

Cada grama contém:

cetoconazol 20 mg

Excipientes: água purificada, álcool cetílico, álcool estearílico, miristato de isopropila, estearato de sorbitana, polissorbato 80, polissorbato 60, propilenoglicol, sulfito de sódio.

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Não interrompa o tratamento sem orientação do médico veterinário. O tratamento com cetoconazol deve ser prolongado por pelo menos 4 semanas após a cura clínica do paciente.

ARMAZENAMENTO

Conservar em local seco, entre 5°C e 30°C, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

O cetoconazol é um derivado iimidazólico usado para tratar infecções fúngicas superficiais e sistêmicas. Esta é a droga de eleição para a dermatite por malassezia, devendo ser seu uso sistêmico associado à terapia tópica. O cetoconazol tem sido usado eficazmente para terapia das candidíases cutânea e mucocutânea.

O seu uso é indicado para o tratamento de infecções por Trichophyton mentagrophytes e Microsporum canis, coccidiomicose, criptococose, blastomicose, histoplasmose e aspergilose nasal canina.

A associação do cetoconazol com a anfotericina B é recomendada para o tratamento das micoses profundas, já que, combinada com a terapia, a anfotericina B proporciona eficácia imediata e o cetoconaxol, longa duração da terapia antimicótica. Neste caso, a dose acumulada da anfotericina B é reduzida, o que minimiza seu risco de toxicidade (VIEIRA & PINHEIRO, 2004).

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Não é recomendado para pacientes que apresentem hipersensibilidade conhecida ao princípio ativo. Deve ser usado com cautela em animais com doenças hepáticas e trombocitopenia.

EFEITOS ADVERSOS

Seus principais efeitos colaterais são distúrbios gastrointestinais dose dependentes; elevação sérica assintomática das aminotransferases; hepatite tóxica e/ou insuficiência hepática; farmacodermias; depressão e anormal idades neurológicas são incomumente descritas;

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não é recomendado o uso em fêmeas gestantes ou lactantes.

SUPERDOSAGEM

Doses elevadas de cetoconazol podem provocar danos ao fígado e supressão da síntese de testosterona

Administração e doses

Via(s)

Oral

Tópica

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

12/12 horas

24/24 horas

DURAÇÃO DO TRATAMENTO

Para terapia tópica: No mínimo 30 dias

Para terapia oral: mínimo 4 semanas para infecções micóticas superficias e de 8 a 12 semanas para infecções micóticas sistêmicas

Doses

Recomendado

Equinos

30 mg / kg

calcular

OBSERVAÇÕES

As recomendações de dosagem do cetoconazol variam de acordo com a etiologia e a forma da doença fúngica. O fracionamento da droga tem sido associado à melhor biodisponibilidade desse fármaco e a menos efeitos colaterais. Doses superiores a 10 mg/kg podem suprimir a produção de cortisol adrenal e induzir a hipocortisolemia.

Interações medicamentosas

Esse produto não contém interações, pois não há referências sobre ou ainda não foi preenchida por nossa equipe técnica.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Os imidazóis interferem na síntese do ergosterol na membrana celular fúngica, inibindo a desmetilação do lanosterol, que é um precursor do esterol. O acúmulo deste altera vários sistemas enzimáticos e a permeabilidade da membrana, conduzindo à difusão de potássio intracelular e à morte celular. Adicionalmente, esses compostos interferem na síntese de ácidos graxos, triglicerídeos e ácidos nucléicos, além de inibirem enzimas oxidativas e o citocromo c peroxidativo, o que leva a um aumento intracelular da geração de produtos de rivados do oxigênio. Quando em baixas doses, essas drogas são fungistáticas, porém quando em alta concentração, elas da nificam rapidamente a membrana celular fúngica, possuindo efeito fungicida (FARIAS & GIUFFRIDA, 2008).

FARMACOCINÉTICA

O cetoconazol quando administrado oralmente apresenta absorção variável, dependendo do pH gástrico. Em meio ácido, sua biodisponibilidad e fica aumentada, devendo preferencialmente ser administrado após a alimentação. Seu uso com drogas anti-secretórias gástricas deve ser evitado. Após absorção, em humanos, 84% da droga conjuga-se à albumina plasmática, apresentando ampla distribuição na pele, na vulva e na vagina, nos ossos, nos tecidos pleural e peritoneal, no líquido sinovial e na saliva. Há baixa concentração no líquido cefalorraquidiano. A droga é metabolizada pelo fígado em produtos inativos, sendo eliminada predominantemente por via biliar. Sua meia-vida em humanos é de oito horas (FARIA & GIUFFRIDA, 2008).

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

O uso do cetoconazol pode causar alterações nas provas de função hepática (aumento de transaminases, bilirrubinas, fosfatase alcalina).

EFEITOS ADVERSOS

Seus principais efeitos colaterais são distúrbios gastrointestinais dose dependentes; elevação sérica assintomática das aminotransferases; hepatite tóxica e/ou insuficiência hepática; farmacodermias; depressão e anormal idades neurológicas são incomumente descritas;

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não é recomendado o uso em fêmeas gestantes ou lactantes.

SUPERDOSAGEM

Doses elevadas de cetoconazol podem provocar danos ao fígado e supressão da síntese de testosterona

MONITORAMENTO

Monitorar a eficácia do tratamento e possível aparição ou aumento de efeitos adversos, bem como os efeitos hepatotóxicos do cetoconazol.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

COSTA, E. O.; GÓRNIAK, S. L. Agentes antifúngicos e antivirais. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

FARIAS, M. R.; GIUFFRIDA, R. Antifúngicos. In: In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008, 912 p.

NOBRE, M. O. et al. Drogas antifúngicas para pequenos e grandes animais. Ciência Rural, Santa Maria, v.32, n.1, p.175-184, 2002

VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Monografias farmacêuticas. In: VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Formulário veterinário farmacêutico. 1. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2004