Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Propofol

Classificaçāo

Anestésico Geral

Receita

Controle Especial - Humano

Espécies

Equinos

ARMAZENAMENTO

Descartar a ampola aberta até 6 horas depois. Proteger da luz. Guardar em temperatura de 4-22°C. Não congele.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • - Propofol, (este princípio ativo não tem apresentação, pois usualmente é encontrado em compostos, manipulações farmacológicas ou não existe comercialização industrial no Brasil)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Alquifenol sedativo. Anestesia geral de curta duração ou medicação pré-anestésica.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Não deve ser usado em animais hipotensos. Usar com cautela em portadores de choque, estresse intenso, hepatopatia, hipoproteinemia, hiperlipidemia, choque anafilático e convulsões.

EFEITOS ADVERSOS

Apneia e depressão respiratória são os sinais mais comuns. Pode ocorrer ainda: movimentos musculares espontâneos (bater de patas, tremores, rigidez muscular), respiração ofegante, nistagmo, salivação e retração da língua em alguns animais.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso em gestantes e lactantes deve ser cauteloso e bem avaliado pelo clínico.

SUPERDOSAGEM

Altas doses intensificam os sinais adversos e podem colocar em risco a saúde do paciente, devido a depressão cardiorespiratória e apneia acentuada.

Administração e doses

Via(s)

IV

Doses - Equinos

Indução anestésica

2 - 4 mg / kg

calcular

Infusão contínua com MPA

0,144 - 0,164 mg / kg/min

Infusão contínua sem MPA

0,21 mg / kg/min

OBSERVAÇÕES

Pode ser usado com acepromazina, diazepam, agonistas alfa-2 (p. ex., dexmedetomidina), butorfanol e anestésicos inalatórios.

Agite bem antes de usar.

Recomenda-se que o uso do propofol só seja feito quando houver suporte de oxigênio suplementar, para reverter os efeitos colaterais.

O propofol pode ser diluído em glicose a 5%, solução de Ringer lactato e solução fisiológica a 0,9%, mas não em uma concentração menor do que de 2 mg/mL.

Interações medicamentosas

Cloridrato de Dexmedetomidina

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado do Cloridrato de Dexmedetomidina

Conduta

Ajustar dose

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

COMPATIBILIDADE

Não deve ser misturado com outros anestésicos na mesma seringa.

FARMACODINÂMICA

Sugere-se que o mecanismo de ação do propofol seja semelhante aos barbitúricos.

Promove depressão dose-dependente da função cerebral, pela potencialização da transmissão GABAérgica.

Diminui o fluxo sanguíneo cerebral, o consumo de oxigênio cerebral, a pressão intracraniana e a pressão intra-ocular.

FARMACOCINÉTICA

O propofol tem potência hipnótica quase 2 vezes maior que o tiopental; não provoca danos teciduais quando extravasa das veias; liga-se de 97-98% nas proteínas plasmáticas.

É metabolizado no fígado e a excreção é através da urina e fezes.

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Há relatos de discrasias sanguíneas após o uso de propofol, no entanto, não significa um problema consistente na rotina clínica.

EFEITOS ADVERSOS

Apneia e depressão respiratória são os sinais mais comuns. Pode ocorrer ainda: movimentos musculares espontâneos (bater de patas, tremores, rigidez muscular), respiração ofegante, nistagmo, salivação e retração da língua em alguns animais.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso em gestantes e lactantes deve ser cauteloso e bem avaliado pelo clínico.

SUPERDOSAGEM

Altas doses intensificam os sinais adversos e podem colocar em risco a saúde do paciente, devido a depressão cardiorespiratória e apneia acentuada.

MONITORAMENTO

Monitorar sinais vitais durante a anestesia.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

BORA, L. F. O propofol na anestesia intravenosa total equina. Dissertação (mestrado) - Ciências Veterinárias. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

FANTONI, D. T.; CORTOPASSI, S. R. G. Anestésicos intravenosos. In: Andrade SF. Manual de terapêutica veterinária. 3. ed. São Paulo: Roca, 2008.

PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012