Nome da Raça

Álter

Altura na Cernelha

Média de 1,58 m

Temperamento

Dócil

Introdução

Origem

A raça Álter, de origem portuguesa, é considerada uma raça derivada da antiga raça Andaluza, que se desenvolveu nas cocheiras reais, tendo sido introduzida no Brasil por D. João VI, ao tempo de seu reinado. Dizia-se que tinha menor porte que os andaluzes originais, porém possuía excelentes qualidades como cavalo de sela.

Além dessas introduções remotas, cujos produtos foram absorvidos na formação das raças Mangalarga e Campolina, foram feitas há poucos anos algumas importações. Dentre elas cumpre destacar as de Norman Prochet para a Fazenda Dois Córregos em Querência do Norte, PR. Seus herdeiros em homenagem a Prochet, dão a seus animais a denominação de “Álter de Enepê”. A descrição que se segue foi baseada em uma publicação desses criadores, publicada no “Anuário dos Criadores” - 1973.

País de origem

Portugal

Curiosidades

O registro definitivo é feito aos 3 anos de idade.

Em virtude da pequena população existente no país, está sendo preconizado o seu uso para cruzamentos, quer industrial, para a obtenção de bons animais de sela, quer absorvente para a formação de rebanhos puro-por-cruza.

Características gerais

Aspectos raciais

O perfil é reto, as faces musculosas, mostrando-se cheias ou arredondadas. As orelhas são afastadas, bem assim os olhos, devido à largura da fronte. As narinas são amplas e elípticas, o focinho pequeno e a boca bem rasgada.

Em seu conjunto, o corpo se mostra vigoroso e harmonioso (proporcionado). O peito é amplo, musculoso, o tórax profundo com costelas arqueadas. A cernelha é saliente, o dorso e lombo são curtos e reforçados, as espáduas são longas, inclinadas e bem musculadas, o ventre é bem sustido, a garupa é ampla, musculosa e horizontal.

A cauda apresenta um crineira abundante, meio longa e se liga harmoniosamente à garupa. Os membros são reforçados, com articulações nítidas, salientes e firmes. Os jarretes são abertos, as quartelas de bom tamanho e ótima inclinação. A concavidade da sola é regular e a ranilha elástica.

Pelagem

A pelagem, de preferência, deve obedecer às cores simples e uniformes, não se aceitando para registros animais brancos ou pampas.

Aptidões

Sela, desporto e adestramento. O andamento característico é a marcha trotada, ligeiramente braceira. Deveria ser apenas “alçada”.

Comportamento e cuidados

Vacinação e vermifugação

As vacinas previnem e/ou minimizam a ação de agentes que possam vir a causar doenças e gerar grandes perdas econômicas. Todos os equinos de uma mesma propriedade devem ser vacinados com o mesmo programa de vacinação. Os programas variam de acordo com a região em que o animal vive ou para qual será transportado.

As vacinas mais utilizadas em equinocultura são a contra influenza, tétano e encefalomielite equina. Em casos de propriedades com problemas de aborto equino a vírus, as éguas prenhas devem receber reforço adicional no 5º, 7º e 9º meses de gestação. Nos equinos os endoparasitas podem causar cólicas, anemias, diarréias, constipações e retardos no crescimento.

Programas de vermifugação devem ser implantados de acordo com o número de animais, extensão da propriedade, sendo importante a alternância do princípio ativo para evitar resistência parasitária e atingir todos os tipos de vermes.

Manejo

Alimentar

O alimento natural dos equinos são os volumosos. Os volumosos são ricos em fibras como as pastagens e as forragens que suprem parcialmente as necessidades nutricionais dos equinos. Devido às maiores exigências decorrentes do esporte, concentrados enérgicos e/ou protéicos (rações, grãos), foram adicionados à dieta como complemento do volumoso, com quantidade oferecida de acordo com a categoria do animal. O aumento de consumo de concentrados pode causar diversas enfermidades graves como miopatia de esforço, laminite ou cólicas.

Adotar uma periodicidade do horário de alimentar os equinos, evitando longos períodos em jejum. Devidos as perdas constantes de minerais, a suplementação com sal é importante para evitar deficiências.

Casqueamento e ferrageamento

Os cascos de um cavalo devem ser limpos diariamente, principalmente antes do exercício. Um bom casqueamento e ferrageamento nos cascos dos equinos, previne o aparecimento de afecções no aparelho locomotor e oferece proteção do casco dos impactos com o solo, respectivamente.

Confinamento

Água limpa, fresca e a vontade deve estar sempre ao alcance do animal. Manter cavalos em baias é antinatural. Um cavalo chega a se deslocar por dia a distância de 9 a 12 quilômetros. Oferecer baias grandes com ventilação adequada, boa cama, cochos e bebedouros com altura adequada são fundamentais.

Odontológico

As alterações dentárias influenciam na mastigação e digestão dos alimentos, causando menor aproveitamento dos nutrientes, perda de peso, queda de desempenho e problemas no trato gastrointestinal. Os cavalos devem passar por manejo odontológico com um médico veterinário capacitado a cada 6 meses.

Vacinação e vermifugação

As vacinas previnem e/ou minimizam a ação de agentes que possam vir a causar doenças e gerar grandes perdas econômicas. Todos os equinos de uma mesma propriedade devem ser vacinados com o mesmo programa de vacinação. Os programas variam de acordo com a região em que o animal vive ou para qual será transportado.

As vacinas mais utilizadas em equinocultura são a contra influenza, tétano e encefalomielite equina. Em casos de propriedades com problemas de aborto equino a vírus, as éguas prenhas devem receber reforço adicional no 5º, 7º e 9º meses de gestação. Nos equinos os endoparasitas podem causar cólicas, anemias, diarréias, constipações e retardos no crescimento.

Programas de vermifugação devem ser implantados de acordo com o número de animais, extensão da propriedade, sendo importante a alternância do princípio ativo para evitar resistência parasitária e atingir todos os tipos de vermes.

Referências bibliográficas

CINTRA, A. G. de C. O Cavalo: Características, Manejo e Alimentação. Editora ROCA. 2014.

TORRES, A. P.; JARDIM, W.R. Criação do cavalo e de outros eqüinos. Livraria Nobel. 1987.

Imagem disponível em: http://www.alterreal.pt/?q=BEIR%C3%83O%20%28AR%29

Portal São Francisco. Álter Real, Cavalo, História, Características, Origem Álter Real. Disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/animais/alter-real