Caso Clínico: Hepatopatia Crônica

Empresa

Total Alimentos - Equilíbrio

Data de Publicação

31/12/2000

PDF

Produtos Relacionados

CASO CLÍNICO: HEPATOPATIA CRÔNICA

Profa Dra Viviani De Marco

Docente do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Santo Amaro. Responsável pelo atendimento em Endocrinologia Veterinária da NAYA Especialidades.

Sócia-fundadora da ABEV

Mariana de Aldemundo Pereira

Médica veterinária do hospital veterinário da Universidade de Santo Amaro (UNISA). Formação e aprimoramento em clínica médica de pequenos animais pela mesma universidade.

Edilson Isidio da Silva Junior

Aprimorando do hospital veterinário da Universidade de Santo amaro.

Hepatite Canina

Ao contrário da hepatologia humana, o diagnóstico de hepatite em cães é baseado na morfologia histológica, embora o termo hepatite seja usado independentemente da causa. Hepatites caninas primárias incluem hepatite aguda e hepatite crônica (associada ou não à cirrose) e, menos frequentemente, hepatite lobular dissecante, hepatite granulomatosa e hepatite eosinofílica (VAN DEN INGH T.S.G.A.M. et al, 2006).

O diagnóstico de hepatite crônica canina é estabelecido pelo “The World Small Animal Veterinary Association (WSAVA) Liver Standardization Group” de acordo com os achados histológicos, sendo caracterizada por apoptose ou necrose hepatocelular, variável infiltrado mononuclear ou células inflamatórias mistas, além de regeneração e fibrose. Infelizmente, nenhum sintoma clínico ou teste bioquímico é capaz de diferenciar hepatite primária de secundária, e as hepatopatias secundárias e reacionais são bastante frequentes na espécie canina (WATSON, P. J., 2014).

Etiopatogenia

Várias causas de hepatopatias têm sido documentadas em cães, incluindo microorganismos, toxinas, drogas, reações imunemediadas, distúrbios hereditários relacionados ao metabolismo do cobre, alterações metabólicas raciais específicas, além de neoplasias (WATSON, P. J., 2004; THRALL, M. A. 2007). Entretanto, apesar do grande esforço diagnóstico, a maioria dos casos de hepatite primária canina ainda permanece de origem “idiopática”. Não há, até o momento, dados clínicos publicados sobre a ocorrência das diferentes formas de hepatite classificadas pelo WSAVA em uma população canina, a progressão dessas diferentes formas, bem como a real ocorrência da hepatite associada ao acúmulo de cobre e da hepatite idiopática (SEVELIUS, E., 1995).

As raças mais predispostas à hepatite crônica são: Dobermann, Pinscher, West Highland White Terrier, Scottish Terrier, Labrador Retriever, Cocker Inglês e Cocker Americano. De maneira geral, não há predileção sexual e a idade média de animaisacometidos é entre 4 e 7 anos (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013; BEXFIELD, N. H., 2011).

Dentre as causas tóxicas podemos citar toxinas provenientes da cicuta verde (“Amanita phalloides”), uma espécie de cogumenlo, de toxinas fúngicas como o Microcystis aeruginosa, aflatoxinas e substâncias como o xylitol. Em meio aos medicamentos com potencial hepatotóxico estão o carprofeno, acetominofeno, sulfonamidas, lomustina, amiodarona, fenobarbital, cetoconazol, diazepam e azatioprina. Já os agentes infecciosos mais comuns são a Leptospira interrogans e o adenovírus canino tipo 1 (WEINGARTEN, M. A.; SANDE, A. A. 2015).

Um estudo retrospectivo realizado por BEXFIELD et al. (2011) apontou uma forte predisposição racial do Cocker Spaniel Inglês, em adultos jovens à meia-idade, a apresentarem hepatopatia crônica imunomediada, os quais apresentam elevação persistente das enzimas hepáticas, sendo alguns animais assintomáticos. Neste levantamento, a hepatopatia crônica foi confirmada por exame histopatológico que demonstrou infiltrado inflamatório linfocítico predominantemente. Reforçando essa hipótese, deve-se levar em consideração que essa raça também é bastante predisposta a desenvolver outras doenças imunomediadas, como a anemia hemolítica e o hipotiroidismso, sendo que, neste estudo, 4 cães com hepatopatia no momento do diagnóstico apresentavam concomitantemente hipotireoidismo.

Defeitos no metabolismo do cobre resultando em seu acúmulo no fígado promove estresse oxidativo e consequente necrose ou apoptose hepatocelular, sendo considerado uma importante causa de hepatopatia crônica em cães, principalmente nas raças Bedlington Terrier e Labrador Retriever. Outras raças caninas que podem ser acometidas pelo acúmulo anormal de cobre são: Dobermann, Pinscher, West Highland White Terrier, Labrador Retriever, Skye Terrier e Dálmata, embora não exista comprovação do envolvimento genético nessas raças. O acúmulo de cobre também pode ocorrer secundariamente à colestase, já que 80% da sua excreção ocorre pelas vias biliares, e também ao consumo excessivo na dieta (SPEE, B. et al. 2006; HOFFMANN, G. et al. 2006; MISOOKU, H. et al., 2013; COGLIATI et al, 2015).

A cirrose é o estágio terminal da hepatite crônica e é definida como um processo difuso caracterizado por fibrose do fígado e mudança da arquitetura hepática com micro ou macronódulos regenerativos circundados por extensas faixa de tecido conjuntivo, acompanhadas de anormalidades na vascularização com consequentes desvios portossistêmicos e hipertensão portal (VAN DEN INGH T.S.G.A.M. et al, 2006; COGLIATI et al., 2015). Os desvios portossistêmicos adquiridos associados à hipertensão portal levam a complicações clínicas importantes como ascite, encefalopatia hepática e sepse (COGLIATI et al., 2015).

Aspectos clínicos

Os sintomas clínicos associados às hepatopatias são decorrentes das alterações nas funções do fígado e sua magnitude irá depender da gravidade da doença bem como progressão, se agudo ou crônico. Como esse órgão apresenta grande capacidade de reserva e regeneração, sinais e sintomas apenas são observados quando a doença progressiva esgota as reservas hepáticas (WASHABAU, R. J., DAY, M. J., 2013).

Inicialmente os pacientes podem apresentar quadros gastrintestinais inespecíficos, tais como hiporexia, perda de peso, náusea, êmese e diarreia (FAVIER, R. P., 2009). A observação de ascite e encefalopatia hepática está relacionada a quadros mais crônico ((WASHABAU, R. J., DAY, M. J., 2013).

O exame físico relacionado às hepatopatias se concentra principalmente na avaliação das mucosas e palpação abdominal. Em caso de hepatomegalia sempre é importante descartar doença cardíaca congestiva. As mucosas podem estar normais, ictéricas ou pálidas. A icterícia é decorrente do aumento das concentrações séricas de bilirrubinas, podendo estar associada a diminuição da captação, conjugação e secreção das bilirrubinas pelo fígado lesado e alterações no fluxo biliar nas nas doenças hepáticas primárias. No entanto, a hiperbilirrubinemia também pode ter causas pré-hepáticas, como as anemias hemolíticas, ou pós-hepáticas, como duodenite, pancreatite e colecistite, doenças estas que devem ser investigadas diante de um animal ictérico (WEINGARTEN, M. A., SANDE, A. A., 2015).

A distensão abdominal secundaria à ascite resulta de hipertensão portal e hipoproteinemia e indica uma hepatopatia crônica, no entanto, é importante descartar outras causas de ascite e hipoalbuminemia. Esplenomegalia também pode ser observada em casos de hipertensão portal (FAVIER, R. P., 2009).

A encefalopatia hepática (EH) é uma alteração neurológica secundária à disfunção hepática, podendo ser aguda ou crônica, sendo a forma crônica a mais comum. Os sintomas da encefalopatia são variáveis e os primeiros sinais são apatia e alteração de estado mental. Nos casos mais avançados observa-se ataxia, andar compulsivo, “head pressing”, sialorréia, convulsão, estupor e coma (ROTHUIZEN, J., 2009).

O fígado é responsável pela conversão da amônia (proveniente primariamente do trato gastrintestinal) em ureia. Elevações da amônia plasmática e outras toxinas podem ocorrer secundariamente aos desvios portossistêmicos, à redução de mais de 70% do parênquima hepático ou a distúrbios congênitos do metabolismo do ciclo da ureia (WEBSTER, C. R. L., COOPER, J., 2009).

Diante de uma hiperamonemia há uma diminuição do potencial de ação da enzima glutamina sintetase dos astrócitos, permitindo que a amônia tenha contato com os neurônios. A elevação da amônia neuronal inibe as concentrações e atividade da glutaminase resultando no acúmulo de glutamina e diminuição do neurotransmissor glutamato. O desequilíbrio entre glutamato e GABA causa os sintomas neurológicos, juntamente com alterações nas concentrações de dopamina e norepinefrina (ROTHUIZEN, J. 2009).

Sintomas neurológicos também podem ocorrer secundariamente a hipoglicemia na hepatopatia crônica. A redução nos níveis de glicose sanguínea ocorrem devido ao prejuízo do metabolismo dos carboidratos e da capacidade de armazenamento de glicogênio. No entanto, essa é uma alteração tardia, já que animais com cerca de 75% da capacidade hepática comprometida ainda são capazes de manter a glicemia. Cães hepatopatas hipoglicêmicos normalmente apresentam também perda de massa muscular, devido ao catabolismo proteico que ocorre em necessidade do fornecimento de aminoácidos para a gliconeogênese (WEINGARTEN, M. A., SANDE, A. A., 2015).

Exames laboratoriais e diagnóstico

O diagnóstico das hepatopatias crônicas é um grande desafio, pois o reconhecimento da etiologia, muitas vezes, não é possível e os sinais e sintomas da doença podem ser inespecíficos, o que dificulta a prescrição de um tratamento específico, levando a respostas terapêuticas variáveis (FAVIER, R. P., 2009).

Nenhum teste diagnóstico isolado pode identificar adequadamente a doença no fígado ou a causa subjacente, por esta razão, vários testes laboratoriais devem ser utilizados para avaliar o sistema hepatobiliar. Testes de triagem recomendados para um animal com suspeita de hepatopatia incluem: hemograma completo, função hepática completa que inclui as enzimas alanino aminotransferase (ALT), fosfatase alcalina (FA), dosagem sérica de bilirrubinas e de proteínas séricas, urinálise e ultrassonografia abdominal (BUNCH, S.E., 2010).

A ALT é uma enzima encontrada no citosol dos hepatócitos e é o teste de escolha para dano hepatocelular em cães e gatos. Nas hepatopatias agudas como a hepatite infecciosa canina ou hepatite tóxica, essa enzima apresenta uma elevação importante e rápida, já nas hepatopatias crônicas essa elevação pode não ser exagerada, porém é persistente (HALL, E. J., GERMAN, A.J., 2005).

A aspartato aminotransferase (AST) é outra enzima que indica dano de hepatócitos, entretanto, diferentemente da ALT, é encontrada também em outros órgãos como coração e musculatura, sendo por isso, menos específica, e a presença de alterações teciduais também deve ser levada em conta quando esta enzima for analisada (HALL, E. J., GERMAN, A.J., 2005).

A FA presente nos canalículos biliares é normalmente secretada na bile e seu aumento na corrente sanguínea é um importante indicador de colestase intra ou extra-hepática (HALL, E. J., GERMAN, A.J., 2005). O aumento da atividade sérica da FA no cão é a alteração mais comumente encontrada nos exames bioquímicos de rotina. Diversos tecidos produzem esta enzima, como a mucosa intestinal, os rins, a placenta, o fígado e os ossos, sendo por isso considerada uma enzima pouco específica. Existem três formas distintas de isoformas da fosfatase alcalina que podem ser mensuradas, denominadas de isoforma hepática, isoforma óssea e isoforma corticosteróide induzida. Esta última se eleva em diversas situações como corticoideterapia, hiperadrenocorticismo, Diabetes mellitus, doenças que promovam elevação do cortisol endógeno. Uma FA elevada apresenta maior importância clínica quando a forma predominante é a FA hepática (CENTER, S. A., 2007).

Uma doença hepática marcante pode estar presente em pacientes com atividade enzimática normal, logo, o achado de valores normais não deve excluir investigações adicionais, principalmente na presença de sintomas clínicos (BUNCH, S.E., 2010).

Valores elevados nas enzimas hepáticas não estão correlacionados com a gravidade da lesão e não distinguem se esta lesão é localizada ou difusa. Além disso, elas não oferecem informação sobre a função do órgão e no caso do shunt portossistêmico congênito essas enzimas podem estar normais. Sendo assim, torna-se necessária a realização de exames mais específicos para avaliar a função do fígado, a exemplo das concentrações sanguíneas dos ácidos biliares (pré e pós-prandial), amônia, glicose e coagulograma (HALL, E. J., GERMAN, A.J., 2005).

A albumina é sintetizada no fígado, mas a hipoalbuminemia é observada somente quando ocorre perda de 80% da função hepática. Um importante diagnóstico diferencial é a hipoalbuminemia devido à proteinúria de origem renal (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

O teste dos ácidos biliares contribui para o reconhecimento de doenças hepatobiliares colestáticas clinicamente importantes e desvios portossistêmicos. O teste consiste em uma mensuração basal (em jejum alimentar de 12 horas) e outra pós-prandial (2 horas após a alimentação). Valores acima da referência podem indicar distúrbios na síntese e secreção dos ácidos biliares, no seu armazenamento na vesícula biliar ou alterações na circulação enterohepática, como ocorre nos desvios portossistêmicos congênito ou adquirido (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

A concentração plasmática de amônia pode ser relevante principalmente em cães que apresentem encefalopatia hepática, onde altas concentrações geralmente estão relacionadas à diminuição da capacidade metabólica hepática (comprometimento de mais de 70% do parênquima hepático) e à presença dos desvios portossistêmicos adquiridos, que ocorrem na cirrose (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

O fígado tem papel importante na hemostasia e síntese de fatores de coagulação, sendo importante a realização de coagulograma nesses pacientes. O hemograma também é indicado, já que alguns pacientes podem ter trombocitopenia por consumo ou por diminuição da sua produção, devido à redução da produção de trombopoietina, hormônio sintetizado no fígado que regula a produção da série megacariocítica na medula óssea (FAVIER, R. P., 2009; NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006; WEINGARTEN, M. A., SANDE, A. A., 2015).

Os exames de imagem são importantes para a avaliação do parênquima hepático, vias biliares, vascularização hepática, avaliação e acompanhamento da ascite. O exame também auxilia a visualização de shunts portossistêmicos e serve como guia para biópsias e análises citológicas (FAVIER, R. P., 2009).

A tomografia computadorizada e ressonância magnética podem auxiliar nos quadros de suspeita de neoplasia evidenciados pela ultrassonografia, para os casos em que há indicação cirúrgica principalmente, pois o uso de contraste auxilia a delimitação de tamanho, localização, vascularização e presença de metástase (FAVIER, R. P., 2009).

No entanto, o diagnóstico definitivo das hepatopatias é obtido por meio de exame histopatológico do fígado na maioria dos casos, o qual auxilia não apenas no diagnóstico, mas também no direcionamento terapêutico e estabelecimento de um prognóstico (ROTHUIZEN, J., 2009, WARREN-SMITH, C. M. R. et al., 2012).

A biópsia hepática irá avaliar uma pequena área do órgão e não necessariamente representará o órgão como um todo, portanto o resultado deverá ser somado aohistórico clínico, exames laboratoriais e de imagem para a concretização de um diagnóstico (ROTHUIZEN, J., 2009). A biópsia hepática é indicada nos casos de elevação persistente das enzimas hepáticas (principalmente ALT há pelo menos 4 meses) sem causa aparente, elevação dos ácidos biliares pré e pós-prandial, alteração de tamanho ou arquitetura do fígado no exame ultrassonográfico e sinais progressivos de hepatopatia. Também é possível realizar análise citológica hepática, porém sua acurácia é questionável (HALL, E. J., GERMAN, A.J., 2005).

Tratamento

O manejo terapêutico do animal com hepatopatia crônica tem como objetivos: tratar a causa de base quando identificada; reduzir a progressão da doença; preservar a função do órgão o máximo possível; fornecer um balanço energético positivo e tratar as complicações clínicas que afetam a qualidade de vida do animal, reduzindo sua sobrevida (WATSON P., 2014).

A terapia específica para cada caso irá depender dos achados histológicos, como por exemplo a evidenciação de acúmulo de cobre (devendo nesse caso ser usado quelantes de cobre e dieta pobre em cobre), o tipo e a distribuição de células inflamatórias. A presença marcante de um componente neutrofílico em região periportal sugere infecção crônica do fígado ou trato biliar, devendo ser feita uma cultura e antibiograma; já o achado de um componente linfoplasmocítico sugere um quadro autoimune (WATSON P., 2014).

Durante anos os glicocorticoides (GCs) foram usados para tratamento de hepatopatias crônicas, o que demonstrou em alguns estudos que eles podem contribuir para reduzir atividade inflamatória e fibrose hepática (FAVIER, R. P., 2009). Atualmente, essa droga só é indicada nos casos de hepatites autoimunes comprovadas por exame histopatológico (WATSON, P., 2014).

A abordagem terapêutica para hepatopatia varia de acordo com os sintomas e etiologia, porém devido à participação do fígado no metabolismo de substâncias endógenas e xenobióticos, ele está exposto ao estresse oxidativo de radicais livres constantemente, e apesar dos seus mecanismos naturais de proteção, há uma série de agentes hepatoprotetores e antioxidantes que podem ser indicados, a exemplo do ácido ursodeoxicólico, S-adenosylmetionina (SAMe), silimarina e vitamina E (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013). O uso de antioxidantes pode beneficiar esses pacientes, pois fatores oxidantes aceleram a progressão da doença (FAVIER, R. P., 2009).

O uso da vitamina K1 em animais com distúrbios de coagulação é recomendado na dose de 0,5-1,5 mg/kg por via oral ou subcutâneo a cada 12 ou 24 horas (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006; WEINGARTEN, M. A., SANDE, A. A., 2015).

Uso dos protetores gástricos para os animais que apresentam distúrbios gastrintestinais também é recomendado, dentre eles a ranitidina (2mg/kg/BID) e o omeprazol (1mg/kg/BID). Nos casos de sangramento gastrointestinal, administra-se também o sucralfato (1g para cada 25 kg de peso/TID) (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

Os hepatopatas crônicos que apresentam ascite necessitam o uso de diuréticos como espironolactona (0,5 a 1 mg/kg/BID) podendo ter a dose dobrada e associada a furosemida (1 a 2 mg/kg/BID) nos casos refratários. Nesse caso, é importante monitorar os níveis séricos de potássio. A abdominocentese se faz necessária quando o animal apresenta dificuldade respiratória e desconforto (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

Alguns cães podem apresentar hepatopatia associada à hepatoxicidade cúprica familiar, e neste caso, há necessidade de usar um quelante de cobre como a D-Penicilamina e reduzir o aporte alimentar de cobre. A dieta pobre em cobre não irá diminuir o cobre já existente no fígado, mas irá auxiliar para que não haja piora desse acúmulo. Os sais de zinco podem ser usados profilaticamente em raças predispostas a esse distúrbio, pois o zinco diminui a absorção de cobre, estimulando a mucosa intestinal a formar metalotioneína, que se liga ao cobre sequestrando-o da dieta e das secreções intestinais (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

Nos animais com encefalopatia hepática a lactulose por via oral é indicada para diminuir a absorção e formação de amônia nas alças intestinais, além de aumentar sua excreção. Na presença de sinais mais graves de encefalopatia há necessidade de aumentar a diurese por meio de fluidoterapia intravenosa. Em todos os casos, a hipovolemia, hipocalemia e alcalose metabólica devem ser corrigidos pois agravam a EH (ROTHUIZEN, J., 2009). Além disso, indica-se o uso do metronidazol (7,5 mg/g/BID) com o intuito de reduzir a formação de amônia pelas bactérias intestinais, além de um manejo alimentar adequado restrito em proteínas (ROTHUIZEN, J., 2009).

A modificação da dieta para animais com hepatopatia é essencial e objetiva otimizar a habilidade de regeneração do fígado, promovendo energia metabólica necessária para o animal. Animais com hepatopatia crônica normalmente estão em estado de catabolismo avançado e para manter o balanço positivo de nitrogênio, o requerimento proteico é mais elevado que nos animais hígidos, devendo a proteína ser de alto valor biológico e alta digestibilidade (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013). Nesse sentido, as dietas comerciais para hepatopatas têm se mostrado mais eficazes que as formuladas para doença renal (ROTHUIZEN, J., 2009). A única exceção são os animais com sintomas de encefalopatia hepática, onde a proteína deve ser reduzida (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013).

Um bom aporte de vitamina A pode auxiliar na diminuição da fibrose hepática, enquanto a vitamina C e E são potentes antioxidantes que protegem a membrana fosfolipídica celular; a vitamina E possui também características anti-inflamatórias (WEBSTER, C. R. L., COOPER, J., 2009).

Prognóstico

Sabe-se que a hepatopatia crônica não tem cura, apenas controle, e que o prognóstico na maioria das vezes é ruim, no entanto, espera-se que um tratamento adequado colabore para a melhor qualidade de vida e sobrevida dos animais (FAVIER, R. P., 2009). A investigação da etiologia pode auxiliar o direcionamento terapêutico, melhorando o prognóstico. Dessa forma, exames mais específicos e biópsia hepática são fundamentais para garantir uma melhor intervenção terapêutica (FAVIER, R. P., 2009, ROTHUIZEN, J., 2009).

Relato de caso:

Uma fêmea canina, castrada, da raça Cocker Spaniel, com 9 anos de idade, pesando 19 kg, foi atendida no hospital veterinário da Universidade de Santo Amaro pela primeira vez em março de 2014 com histórico de aumento de volume abdominal, prostração, anorexia, êmese e sialorreia havia 4 dias. Relatou também poliúria, polidipsia e emagrecimento progressivo nos últimos 6 meses. Ao exame físico, observou-se mucosas normocoradas, desidratação leve e aumento de volume abdominal devido à ascite. Foi realizada a paracentese, sendo drenado 1,2 litros de líquido translúcido, cuja análise revelou transudato puro. Neste dia, o animal foi submetido à fluidoterapia para correção da desidratação, medicação antiemética (maropitant) e protetor gástrico (omeprazol).

Foram coletados vários exames laboratoriais (hemograma, função renal, função hepática, glicemia e exame de urina tipo 1) e solicitado ultrassom abdominal.

Os exames laboratoriais revelaram: anemia não regenerativa discreta (Ht 35%), elevação discreta das enzimas hepáticas (ALT = 183 UI/L e FA = 406 UI/L), hipoalbuminemia (1,6 g/dl) e níveis dentro da normalidade de ureia, creatinina e glicemia. No ultrassom abdominal, observou-se fígado de dimensões normais, contornos irregulares e ecotextura grosseira tendendo a multinodular sugerindo um quadro de hepatopatia crônica, sem alterações nos demais órgãos analisados. Diante desses achados, a suspeita inicial foi de hepatopatia crônica e por este motivo foram prescritos as seguintes medicações por via oral: metronidazol (7,5mg/kg/BID), lactulose (5ml BID), furosemida (2 mg/kg/BID), espironolactona (2 mg/kg/SID) e omeprazol (1 mg/kg/SID). Após 10 dias, o animal apresentou melhora no estado geral e do apetite. As medicações foram mantidas e, neste momento, foi prescrito também silimarina (20 mg/kg/BID), ácido ursodeoxicolico (7,5mg/kg/BID) e ração terapêutica para hepatopatia (Ração Equilíbrio Veterinary Hepatic da Total Alimentos).

Foi solicitado um retorno em sete dias, no entanto, a proprietária retornou apenas três meses depois, referindo que o animal permaneceu em bom estado geral com alguns episódios isolados de êmese, porém sem desenvolver ascite. Estava administrando nesse momento somente a silimarina, o ácido ursodeoxicólico e a ração terapêutica. Foram solicitados novos exames laboratoriais, hemograma, ALT, FA, albumina, bilirrubinas, ácidos biliares, exame de urina tipo 1, coagulograma e dosagem plasmática de amônia , com o intuito de avaliar melhor o comprometimento da função hepática, além de ultrassom abdominal (Tabela 1). Neste momento, o fígado apresentava-se com diminuição de suas dimensões em comparação ao exame anterior, sendo o laudo: “fígado com dimensões discreta/moderadamente diminuídas, bordos afilados, margens irregulares, parênquima bastante grosseiro, apresentando algumas pequenas lesões hipoecogênicas tendendo a nodulares em permeio e ecogenicidade mantida – hepatopatia crônica? Arquitetura vascular apresentando calibre diminuído, dificultando sua avaliação. Vesícula biliar repleta por conteúdo anecogênico e moderada quantidade de lama biliar, paredes finas e lisas”(Figura 1) .

Apesar de se tratar de um quadro bastante crônico, o animal clinicamente estava bem e, na tentativa de ainda se evidenciar alguma causa de base, como acúmulo de cobre ou processo imunemediado, foi proposta a realização de biópsia hepática por laparotomia e exame histopatológico (Figura 2). Animal foi tratado com fitomenadiona (Vitamina K1) previamente ao procedimento cirúrgico para se evitar hemorragia trans e pós-cirúrgica. O exame histopatológico descreveu um quadro compatível com hepatite portal e periportal com infiltrado linfoplasmocitário multifocal, associado à fibrose e hiperplasia de ductos biliares.

Apesar de todas essas alterações constatadas, o animal permanecia sem sintomas clínicos e aceitando bem o alimento terapêutico.

Diante de um provável quadro de hepatite crônica imunemediada, optamos por usar drogas imunossupressoras com o objetivo de tentar retardar a progressão da doença. Tradicionalmente, a primeira opção imunossupressora para hepatopatias crônicas são os glicocorticoides, mas devido aos seus potenciais efeitos colaterais, foi prescrito o micofenolato de mofetila (10mg/kg/BID) também recomendado pela literatura (JOTHIMANI, D., CRAMP, M. E., CROSS T. J. S., 2014), sendo mantido o tratamento com silimarina, ácido ursodeoxicolico e fitomenadiona.

Entretanto, quatro dias após o início do tratamento o animal apresentou quadro agudo de gastroenterite (êmese, diarreia e anorexia), sendo suspenso imediatamente. O animal foi submetido a tratamento suporte apresentando melhora clínica apenas após cinco dias de terapia intensiva.

Devido a essa intolerância à droga e piora do quadro, optamos por manter o animal apenas com ácido ursodeoxicólico, fitomenadiona e dieta terapêutica. Com esse protocolo o animal tem se mantido estável (Figura 3) com um seguimento clínico no hospital veterinário da UNISA há 1 ano e 4 meses, apresentando-se normorético e com ganho de peso. No entanto, observa-se redução progressiva das concentrações séricas de ALT, FA e ureia, e aumento dos ácidos biliares e tempos de coagulação, refletindo uma maior perda de parênquima hepático funcional.

Discussão e Conclusão

O caso relatado trata-se de um cão da raça Cocker Spaniel, fêmea, oito anos de idade, que é uma das raças citadas pela literatura que apresentam hepatopatia crônica imunemediada e cirrose com mais frequência (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013; BEXFIELD, N. H. et al., 2011).

A sintomatologia e as alterações laboratoriais e ultrassonográficas apresentadas pelo animal, principalmente a ascite, a hipoalbuminemia, a elevação dos ácidos biliares e a identificação de redução do fígado associado a um padrão multinodular, apontam para um quadro crônico (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013). A ascite do hepatopata ocorre secundariamente à hipertensão portal e à hipoproteinemia (FAVIER, R. P., 2009).

As hepatopatias crônicas são um grande desafio diagnóstico, pois muitas vezes os sinais e sintomas são inespecíficos e nenhum teste diagnóstico isolado pode identificar exatamente a doença e sua etiologia, portanto no caso relatado foram realizados todos os exames de triagem recomendados para hepatopatia e apesar do ultrassom ter visualizado alterações hepáticas, o diagnóstico definitivo só foi alcançado com a realização de biópsia hepática (FAVIER, R. P., 2009, ROTHUIZEN, J., 2009, BUNCH, S. E., 2010, WARREN-SMITH, C. M. R. et al., 2012).

Neste caso, o animal apresentava elevação persistente das enzimas hepáticas sem causa aparente, hipoalbuminemia, elevação dos ácidos biliares pré e pós-prandiais e alteração de tamanho e arquitetura do fígado no exame ultrassonográfico, portanto optou-se por realizar a biópsia hepática para se tentar identificar uma causa de base, notadamente uma hepatopatia por acúmulo de cobre ou uma hepatite imunemediada (HALL, E. J., GERMAN, A.J., 2005).

Diante do resultado do exame histopatológico que evidenciou hepatite portal e periportal com infiltrado linfoplasmocítico multifocal, associado à fibrose e hiperplasia de ductos biliares, foi instituída uma terapia imunossupressora com micofenolato de mofetila, porém o animal apresentou efeitos colaterais gastrintestinais e a medicação teve que ser interrompida.

Nos quadros imunomediados de forma geral, indica-se o uso de drogas imunossupressoras e imunomoduladoras como prednisolona, azatioprina, micofenolato, metronidazol, metotrexato, clorambucil e ciclosporina (LOBETTI, R., 2013). A prednisolona, geralmente, representa a primeira opção terapêutica nas hepatopatias crônicas em medicina veterinária, no entanto, devido aos seus conhecidos efeitos colaterais e o risco de retenção de água com piora da ascite, bem como ulceração gastrointestinal, optamos pelo micofenolato, já que é uma droga que apresenta poucos efeitos colaterais e também porque tínhamos de doação em nosso hospital (JOTHIMANI, D., CRAMP, M. E., CROSS T. J. S., 2014; WATSON, P. J., 2014).

Após a interrupção do micofenolato e apropriada terapia de suporte o animal apresentou melhora clínica e mesmo sem qualquer terapia imunossupressora ele tem se mantido em bom estado geral e normorético. E apesar da evolução do quadro ser considerada desfavorável, está sendo bastante lenta.

A decisão de usar os esteroides ou outros imunossupressores não é uma tarefa fácil, pois o padrão de infiltrado linfoplasmocítico nas hepatites também pode estar presente em quadros inflamatórios crônicos inespecíficos e não necessariamente a um quadro imunemediado (WATSON, P. J., 2014).

Foi mantido o tratamento apenas com ácido ursodeoxicólico, fitomenadiona, omeprazol e dieta terapêutica Equilíbrio Veterinary Hepatic (Total Alimentos). Animais com hepatopatia crônica normalmente estão em estado de catabolismo avançado, então uma dieta de manutenção que utilize uma proteína de alta qualidade e digestibilidade como a proteína hidrolisada de soja presente da dieta selecionada é indicada na maioria dos casos (WASHABAU, R. J., DAY, M. J. 2013). Outra vantagem da dieta terapêutica são os níveis reduzidos de cobre, pois alguns cães podem apresentar hepatopatia associada à hepatoxicidade cúprica familiar e em casos de colestase a excreção do cobre está prejudicada (NELSON, R. W., COUTO, C. G., 2006).

Normalmente a hepatopatia crônica cursa com perda de peso e hiporexia, porém no caso relatado o animal apresentou ganho de peso com a dieta específica, além de se manter com bom apetite, apontando a alta palatabilidade do alimento (FAVIER, R. P., 2009).

Apesar dos exames apontarem um declínio da função do órgão bem como perda progressiva do parênquima hepático (redução de ALT, FA e ureia, elevação dos ácidos biliares e alteração nas provas de coagulação), clinicamente o animal está bem, apresentando até o momento um seguimento de 1 ano e 4 meses e com boa qualidade de vida e satisfação do tutor do animal.

Apesar das hepatopatias crônicas apresentarem evolução progressiva desfavorável e com prognóstico ruim, a tentativa de se identificar a causa de base e a escolha de um tratamento de suporte correto, incluindo drogas antioxidantes, protetores de mucosa gástrica, drogas coleréticas e dieta terapêutica apropriada pode dar ao paciente maior longevidade e qualidade de vida.

Referências


BEXFIELD, N. H. et al.; Chronic hepatitis in the English springer spaniel: clinical presentation, histological description and out come. Veterinary Record, 2011. p. 169 – 415.

BUNCH, S.E.; Distúrbios Hepatobiliares e do Pâncreas Exócrino. In NELSON, R. W.; COUTO, C. G.; Medicina Interna de Pequenos Animais, Rio de Janeiro, 20 Ed., 2010. p. 455 – 544.

CENTER, S. A.; Interpretation of Liver Enzymes, Veterinary Clinical Small Animals, Vol 37, 2007. p.297 – 333.

COGLIATI, B., SILVA, R. D., USHIKOSHI, W. S., Doenças hepáticas caninas In: Jericó M.M., Neto J.P.A., Kogika M.M. Tratado de Medicina Interna de cães e gatos, 1aed, Roca: Rio de janeiro, 2015. p. 1.035-43.

FAVIER, R. P.; Idiopathic Hepatitis and Cirrhosis in Dogs, Vet Clin Small Anim, vol 39, 2009. p.481–488.

HALL, E. J.; GERMAN, A.J.; Laboratory evaluation of hepatic disease, WSAVA Manual of canine e feline clinical pathology, 2005. p. 184-206.

HOFFMANN G., et al.; Copper associated chronic hepatitis in Labrador Retrievers, Journal Vet Intern Med, vol. 20, ed. 4, 2006. p. 856-861.

JOTHIMANI, D.; CRAMP, M. E.; CROSS T. J. S.; Role of Mycophenolate Mofetil for the Treatment of Autoimmune
Hepatitis - An Observational Study, Journal Clin Exp Hepatol, 2014. p. 221–225.

LOBETTI, R.; Classification and Management of Liver Disease, Bryanston Veterinary Hospital, 2013. Disponível: http://www.sonopath.com/articles/classification-and-man agement-liver-disease. Acesso em 8 de junho de 2015.

MISOOKU, H., et al.; Histological and Immunohistochemical Evaluations of Lobular Dissecting Hepatitis in American Cocker Spaniel Dogs, The Japanese Society of Veterinary Science, vol 75, 2013, p. 597 – 603.

NELSON, R. W.; COUTO, C. G.; Doenças hepatobiliares no cão. Medicina Interna de Pequenos Animais, Rio de Janeiro, 20 Ed., 2006. p. 507 – 525.

NELSON, R. W.; COUTO, C. G.; Testes diagnósticos para o sistema hepatobiliar. Medicina Interna de Pequenos Animais; Rio de Janeiro, 20 Ed., 2006. p. 467-488.

ROTHUIZEN, J.; Important clinical syndromes associated with liver disease, Vet Clin Small Animal, ed. 39, 2009. p. 419–437.

SEVELIUS, E.; Diagnosis and prognosis of chronic hepatitis and cirrhosis in dogs. Journal Small Animal Practice, 1995. p. 36:521–8.

SPEE, B. et al.; Copper metabolismo and oxidative stress in chronic inflammatory and cholestatic liver diseases in dogs, Journal Vet Intern Med, vol. 20, ed.5, 2006. p. 1085-1092.

THRALL, M. A. et al.; Hematologia e Bioquímica Clínica Veterinária, São Paulo, Roca, 2007.

VAN DEN INGH TSGAM, VAN WINKLE TJ, CULLEN JM et al.; Morphological classification of parenchymal disorders of the canine and feline liver. In: Rothuizen J, Bunch SE, Charles JA, et al, editors. Standards for clinical and histological diagnosis of canine and feline liver diseases. Philadelphia: Saunders Elsevier; 2006. p. 85–101.

WARREN-SMITH, C. M. R.; et al.; Lack of associations between ultrasonographic appearance of parenchymal lesions of the canine liver and histological diagnosis, Jornal of small animal practice,Vol 53, 2012. p. 168 -173.

WASHABAU, R. J.; DAY, M. J. Diagnostic approach to gastrointestinal pancreatic and hepatobiliary problem, Canine and feline gastroenterology, 2013. p. 333 – 385.

WATSON P. J.; Chronic hepatitis in dogs: a review of current understanding of the aetiology, progression, and treatment. Vet Journal, 2004. p. 167:228–41.

WATSON P. J.; Chronic Hepatitis Therapy In: Bonagura J.D., Twedt D.C. Kirk’s Current Veterinary Therapy XV, 2014, Elsevier Saunders: St Louis, p. 583-8.

WEBSTER, C. R. L.; COOPER J. C.; Diagnostic approach to hepatobiliary disease. In: Bonagura J.D., Twedt D.C. Kirk’s Current Veterinary Therapy XV, 2014, Elsevier Saunders: St Louis, p. 569-75.

WEBSTER, C. R. L.; COOPER, J.; Therapeutic Use of Cytoprotective Agents in Canine and Feline Hepatobiliary Disease, Vet Clin Small Anim, vol 39, 2009. p. 631–652.

WEINGARTEN, M. A.; SANDE, A. A.; Acute Liver Failure in Dogs and Cats, Journal of Veterinary Emergency and Critical Care, 2015. p. 1 – 19.