Boletim Técnico - Casos clínicos de cicatrização de feridas em cães e gatos

Empresa

Ourofino

Data de Publicação

23/03/2018

PDF

Produtos Relacionados

Introdução

As lesões de pele, particularmente as feridas, possuem grande importância clínica em função da alta frequência com que ocorrem, além da possibilidade de resultar em infecções e assim refletir no aumento do custo em protocolos de tratamentos (Souza, 1989 apud Wouk et al., 1998).

A cicatrização, que tem por finalidade a cura das feridas, é um processo fisiológico e consiste em uma perfeita e coordenada cascata de eventos celulares e moleculares que interagem para que ocorra a reconstituição do tecido (Mandelbaum et al., 2003).

Com a finalidade de auxiliar o processo cicatricial, muitos procedimentos e agentes têm sido testados de forma a estimular ou acelerar a cicatrização de feridas, principalmente devido tanto à variabilidade destas quanto a características individuais dos pacientes (Karayannopoulou et al., 2011).

Dentre os agentes, podemos citar a ketanserina e o asiaticosídeo, ativos genuinamente cicatrizantes que apresentam atuações distintas e benefícios complementares no processo de cicatrização.

A ketanserina é um antagonista dos receptores de serotonina 5-HT2 que aumenta a microvascularização e proporciona uma resposta inflamatória mais efetiva na fase inicial da cicatrização, ampliando a ativação de macrófagos para um controle maior da ferida.

Já o asiaticosídeo, que um composto isolado da Centella asiatica, age principalmente nos fibroblastos nas fases de proliferação e remodelamento, estimulando a síntese de colágeno tipo I e equilibrando a maturação da rede de fibras de colágeno, promovendo uma cicatrização mais rápida e com maior suporte às forças de tensão.

Apesar da cicatrização ser um processo fisiológico e, normalmente, não requerer intervenções; as feridas podem causar dor, além de expor o organismo à ocorrência de infecções.

Desde seu lançamento, em Maio de 2017, Regepil tem sido utilizado em muitos casos de feridas persistentes e de difícil cicatrização e tem mostrado resultados muito positivos.

Compartilhamos abaixo dois relatos de casos enviados para nós por veterinários que usaram Regepil e aprovaram seus efeitos na cicatrização de feridas.

Uso do Regepil após intervenção cirúrgica de colocação de prótese em decorrência de fratura vertebral (região lombo-sacra) em cão.

Atendimento clínico conduzido sob a responsabilidade do Dr. André Luiz Blaschikoff, Clínica Veterinária Alvorada, Rio de Janeiro/RJ.

No dia 15/12/2017, foi realizado o primeiro atendimento ao cão Thor da raça Pitbull, que em decorrência de um atropelamento, fraturou a coluna vertebral na região toraco-lombar e lombo-sacra.

Devido o maior grau de severidade de fratura na região lombo-sacra, animal passou por um procedimento cirúrgico de colocação de prótese, porém, após 30 dias do procedimento cirúrgico houve rejeição pelo organismo do animal.

A prótese foi retirada, seguida de uma nova sutura e devido a deiscência dos pontos, optou-se pela cicatrização da lesão por segunda intenção.

Diversos produtos cicatrizantes foram utilizados sem sucesso na cicatrização da ferida cirúrgica. Optou-se por iniciar o tratamento com o produto Regepil e observou-se imediata resposta no processo de cicatrização da ferida. Abaixo, imagens da evolução do processo cicatricial mostrando o fechamento das bordas e crescimento de tecido cicatricial até o 13o dia de tratamento.

Impressões do Dr. André Luiz Blaschikoff sobre a atuação de Regepil: “Regepil apresentou um resultado imediato após a primeira aplicação e a resposta ao tratamento foi melhorando a cada dia. Nenhum produto cicatrizante utilizado anteriormente apresentou sucesso, porém ao instituir o Regepil a ferida cicatrizou muito rápido.”

Uso do Regepil após osteosíntese de tíbia e fíbula em decorrência de atropelamento em cão.

Atendimento clínico conduzido sob a responsabilidade da Dra. Rosana Macedo de Senna, Clínica Veterinária Diagnose Animal, Salvador/ BA.

No dia 31/07/2017, foi realizado o primeiro atendimento a cadela Pretinha, SRD, que em decorrência de um atropelamento, ocasionou em fratura de tíbia e fíbula. O atendimento foi conduzido com a correção da fratura por meio de osteosíntese e no pós-operatório iniciou-se a aplicação do produto Regepil no local da ferida.

Optou-se em manter a ferida sem curativo e com 15 dias de tratamento houve a necessidade de debridamento da lesão. Pelo fato de o animal não ter se adaptado com o colar elisabetano e ocorrer lambeduras no local da ferida, houve uma maior demora no processo de cicatrização, que durou em torno de 4 meses.

Abaixo, segue o acompanhamento do processo cicatricial ao longo dos meses de tratamento com Regepil, cuja regeneração tecidual completa ocorreu no 112o dia de tratamento.

Impressões da Dra. Rosana Macedo de Senna sobre a atuação de Regepil “Produto excelente! Após utilização do Regepil a ferida foi cicatrizada com sucesso e a pele totalmente recuperada inclusive com o crescimento de pelos no local da lesão.”