Detectar e monitorar inflamação sistêmica em cães com Proteína C-Reativa (PCR)

Empresa

IDEXX

Data de Publicação

14/03/2019

PDF

Produtos Relacionados

O que é PCR?

A Proteína C-Reativa (PCR) ou CRP (do inglês C-Reactive Protein) é um marcador altamente sensível e específico de inflamação sistêmica em cães. A PCR é sintetizada pelo fígado e liberada na circulação em resposta à lesão tecidual, e sua concentração vai mudar rapidamente após a melhora ou agravamento da situação inflamatória. Não fornece informações sobre as causas da inflamação (ver figura 1).

Figura 1: Concentração relativa da PCR em resposta a estímulos inflamatórios em relação ao tempo. Um aumento na PCR é detectável em até 6 horas após o estímulo da inflamação. Queda na concentração são observadas em menos de 24 horas.

O que a PCR faz?

No local de qualquer lesão tecidual, monócitos e macrófagos irão responder produzindo citocinas inflamatórias. Citocinas são uma categoria de pequenas proteínas envolvidas na sinalização celular. Inicialmente, a concentração dessas citocinas inflamatórias aumenta no tecido local afetado. Quanto maior a lesão tecidual, maior será a concentrações das citocinas inflamatórias no plasma (ver figura 2).

Figura 2: Inflamação sistêmica e liberação de PCR no cão.

* Proteínas de fase aguda: Proteínas cujas concentrações plasmáticas mudam em resposta à inflamação. Essa resposta é chamada de resposta de fase aguda. A PCR é um exemplo de proteína de fase aguda.

As citocinas inflamatórias ativam o fígado para produzir várias proteínas de fase aguda , incluindo a PCR. A PCR é liberada na circulação e modula a resposta imune do corpo em resposta a lesão tecidual. Os detalhes permanecem ainda desconhecidos.

Quais informações o teste PCR fornece?

  • Detecta e caracteriza a gravidade (mas não indica a causa) da inflamação sistêmica.
  • Permite o monitoramento da progressão.
  • Ajuda com o prognóstico. Em vários estudos, cães com uma diminuição da PCR ao longo do tempo tendem a mostrar evoluções mais favoráveis.
  • Uso apenas em cães. 

Como interpreto os resultados do Teste PCR?

A PCR é utilizada para detectar, caracterizar a gravidade e monitorar a inflamação sistêmica em cães. Os valores de PCR aumentarão significativamente em até 6 horas após o início da inflamação . Após a resolução da inflamação, concentrações de PCR podem reduzir em até 24 horas. A PCR não é significativamente afetada pela idade, gênero, raça, estresse ou dieta.

A inflamação sistêmica está presente?

Figura 3: Interpretação da PCR canina. O intervalo de referência para a PCR é de 0-1 mg /dL. Em concentrações inferiores a 1 mg/dL, a inflamação sistêmica é improvável. Em concentrações superiores a 3 mg/dL, provavelmente a inflamação sistêmica está presente. Para 1-3 mg/dL, a inflamação sistêmica pode estar no início, leve ou pode estar em resolução e o paciente deve ser monitorado. 

Duas opções com resultados confiáveis

Catalyst® PCR Teste

O teste Catalyst® PCR pode ser realizado nos analisadores Catalyst® One e no Catalyst® Dx da IDEXX (individualmente ou em combinação com outros perfis bioquímicos e/ou eletrólitos) para uma análise abrangente do paciente. Os resultados são liberados em apenas 8 minutos quando realizados individualmente e em cerca de 12 minutos quando determinada em conjunto com outros parâmetros.

Proteína C-Reativa Laboratório de Referência IDEXX

O Laboratório de Referência da IDEXX também oferece em seu portfólio a Proteína C-Reativa. Você pode solicitar o teste de várias formas:

  • Código PCR: Proteína C-Reativa
  • Código PCRHA: Proteína C-Reativa + Hemograma Abrangente
  • Código PINFL: Painel Inflamátorio (Proteína C-Reativa+Proteína Total e Frações+ALT+FA+UREIA+CREAT+IDEXX SDMA+Hemograma Abrangente)
  • Código PCR3: Proteína C-Reativa Seriada (dosagem seriada de 3 amostras de PCR do mesmo paciente em até 7 dias).

Assim como nos analisadores Catalyst®, o intervalo de referência para o PCR é de 0-1 mg /dL e, em concentrações superiores a 3 mg/dL, a inflamação sistêmica está provavelmente presente. A amostra recomendada para a análise é o soro (coletado em tubo com tampa vermelha), não coletar em tubo com gel separador de coágulo. 

O que quer dizer “Inflamação Sistêmica”?

O termo “sistêmico” implica que a inflamação passou do local da produção de citocinas inflamatórias promovendo o aumento das concentrações dessas citocinas na circulação. Isso não significa que a doença esteja afetando todos os sistemas do animal.

Por exemplo, nos estágios iniciais de um abscesso prostático, a inflamação será local. Com a progressão, a inflamação pode se tornar sistêmica. Por contraste, múltiplas lesões menores em todo o cão - pense em um cachorro correndo entre arbustos espinhosos - pode não resultar em inflamação sistêmica.

Quais pacientes caninos se beneficiarão da Proteína C-Reativa?

Doentes

Determinar se a inamação sistémica está presente ou não em pacientes doentes. Como um marcador para inamação sistêmica, concentrações elevadas de PCR podem ser causadas por diversas condições:

  • Piometra
  • Pneumonia
  • Pancreatite
  • Doença hemolítica imunomediada
  • Poliartrite imunomediada
  • Doença inflamatória intestinal
  • Infecções bacterianas sistêmicas, como a leptospirose
  • Infecções virais sistêmicas, como parvovirose
  • Infecções parasitárias sistêmicas, como a leishmaniose
  • Entre outras

Pacientes em tratamento

Monitorar a eficácia do tratamento para condições acima durante a hospitalização e durante retornos.

Pacientes submetidos a cirurgias complexas

Use a mensuração de PCR para monitorar a resposta pós-operatória e detectar rapidamente as complicações inflamatórias.

Pacientes com sintomas inespecíficos

Considere a PCR ao avaliar estes pacientes e, diante de um valor alto de PCR (> 3 mg/dL) realize investigações adicionais.

Se a concentração de PCR for aumentada, indicando inflamação sistêmica, o que devo fazer?

O exame físico e outros exames para obter uma base mínima de dados (hemograma completo, perfil bioquímico com eletrólitos associado ao teste IDEXX SDMA™ e urinálise) fornecem informações que ajudarão a determinar a causa subjacente.

Provavelmente precisará de mais testes de diagnóstico, incluindo exames de imagem, por exemplo.

PCR e Hemograma Completo

Quando comparado com aumento de glóbulos brancos totais ou aumento de neutrófilos, a PCR é um indicador mais sensível de inflamação.

Além disso, a produção de PCR é independente da resposta de neutrófilos e da medula óssea. Por exemplo, pacientes com condições inflamatórias avassaladoras têm baixa contagem de neutrófilos (devido ao consumo excedendo fornecimento) e ainda assim a PCR é dramaticamente aumentada.

Além disso, a PCR não é influenciada pelos corticosteróides, agentes antiinflamatórios não esteróides (AINEs), epinefrina, e outros tratamentos que possam influenciar o números de neutrófilos na circulação e interpretações confusas de leucograma.

A presença de neutrófilos bastonetes na circulação é a marca de um leucograma inflamatório e é provável que seja presente em muitos cães com altos valores de PCR. No entanto, ao contrário da PCR, a presença de bastonetes não fornece quantificação e caracterização objetiva da gravidade ou tendência da doença.

O que acontece com a doença do fígado?

Embora a PCR seja produzida no fígado, animais com função hepática comprometida ainda tem uma resposta normal de PCR à inflamação sistêmica. Adicionalmente, mudanças nas concentrações de proteína total não afetam as respostas de PCR.

Artigos

Ceron JJ, Eckersall PD, Martýnez-Subiela S. Acute phase proteins in dogs and cats: current knowledge and future perspectives. Vet Clin Pathol. 2005;34(2):85–99.

Eckersall PD, Bell R. Acute phase proteins: biomarkers of infection and inflammation in veterinary medicine. Vet J. 2010;185(1):23–27.

Referências

Nakamura M, Takahashi M, Ohno K, Koshino A, Nakashima K, Setoguchi A, Fujino Y, Tsujimoto H. C-reactive protein concentration in dogs with various diseases. J Vet Med Sci. 2008;70(2):127–131.

Mansfield CS, James FE, Robertson ID. Development of a clinical severity index for dogs with acute pancreatitis. J Am Vet Med Assoc 2008;233:936–944.

Gebhardt C, Hirschberger J, Rau S, et al. Use of C-reactive protein to predict outcome in dogs with systemic inflammatory response syndrome or sepsis: original study. J Vet Emerg Crit Care 2009;19:450–458.

Galezowski AM, Snead ECR, Kidney BA, Jackson ML. C-reactive protein as a prognostic indicator in dogs with acute abdomen syndrome. J Vet Diagn Invest. 2010;22:395–401.

Kuribayashi T, Shimada T, Matsumoto M, Kawato K, Honjyo T, Fukuyama M, Yamamoto Y, Yamamoto S. Determination of serum C-reactive protein (CRP) in healthy beagle dogs of various ages and pregnant beagle dogs. Exp Anim. 2003;52(5):387–390.

Fransson BA, Karlstam E, Bergstrom A, Lagerstedt AS, Park JS, Evans MA, Ragle CA. C-reactive protein in the differentiation of pyometra from cystic endometrial hyperplasia/mucometra in dogs. J Am Anim Hosp Assoc. 2004;40(5):391–399.

Burton SA, Honor DJ, Mackenzie AL, Eckersall PD, Markham RJ, Horney BS. C-reactive protein concentration in dogs with inflammatory leukograms. Am J Vet Res. 1994;55(5):613–618.

Kum C, Voyvoda H, Sekkin S, Karademir U, Tarimcilar T. Effects of carprofen and meloxicam on C-reactive protein, ceruloplasmin, and fibrinogen concentrations in dogs undergoing ovariohysterectomy. Am J Vet Res. 2013;74(10):1267–1273.

Craig SM, Fry JK, Rodrigues Hoffmann A, et al. Serum C-reactive protein and S100A12 concentrations in dogs with hepatic disease. J Small Anim Pract. 2016;57:459–464.