Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Lidocaína

Classificaçāo

Anestésico Local

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

A administração parenteral da lidocaína só deve ser realizada por profissional habilitado e capacitado a atender possíveis intercorrências.

ARMAZENAMENTO

Conservar em local seco, à temperatura ambiente (15°C a 30°C), ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • - Lidocaína, solução injetável

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A lidocaína é usada localmente como agente anestésico, mas também é indicada no tratamento de arritmia ventricular, principalmente taquicardia ventricular e complexos prematuros ventriculares.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A lidocaína deve ser usada com cautela em gatos, pois estes apresentam maiores efeitos no SNC. Não deve ser usada em animais com hipersensibilidade à droga. É contra-indicada em bloqueio cardíaco completo. Deve ser usada com cautela em pacientes com bradicardia sinusal, síndrome da doença sinusal e bloqueio átrio-ventricular.

EFEITOS ADVERSOS

Excitação no SNC, agitação, desorientação, tremores musculares, convulsão, vômito. Pode causar arritmia cardíaca.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Os anestésicos locais podem atravessar a barreira placentária e causar depressão miocárdica e respiratória no feto. No entanto, quando o uso é necessário, os efeitos podem ser minimizados utilizando-se doses menores que as recomendadas e diminuindo o tempo de realização do procedimento (MASSONE, 2008).

SUPERDOSAGEM

Felinos são muito sensíveis à lidocaída, então a superdosagem pode levar ao óbito do animal (VIEIRA & PINHEIRO, 2004). O SNC é mais sensível que o cardiovascular a doses elevadas de anestésicos locais, ou seja, a sobredosagem pode acarretar a perda da consciência, crises graves de convulsão, apneia e coma.

Administração e doses

Via(s)

Perineural

Epidural

Infiltrações

IM

IV

Tópica

Intradérmica

SC

Videos da(s) via(s)

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

Antiarrítmico: IV - a cada 10 minutos/ IM - a cada 90 minutos.

Antiarrítmico

Canino

Cães

2 - 4 mg / kg

calcular

Felino

Gatos

0,25 - 0,75 mg / kg

calcular

Anestésico local

Ambos

Cães e Gatos

0,05 - 0,2 ml / kg

calcular

OBSERVAÇÕES

A administração IV em gatos deve ser feita lentamente.

Interações medicamentosas

Amiodarona

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Toxicidade a lidocaína

Mecanismo de Ação

Inibição do metabolismo da lidocaína

Conduta

Monitorar a função cardíaca

Atenolol

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado da lidocaína

Mecanismo de Ação

Diminuição do metabolismo hepático

Conduta

Evitar o uso

Brometo de Bupivacaína

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeitos sistêmicos tóxicos

Conduta

Evitar o uso

Brometo de Rocurônio

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado da lidocaína

Conduta

Ajustar dose

Cimetidina

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado da Lidocaína, levando a toxicidade

Mecanismo de Ação

Inibição do metabolismo hepático da Lidocaína e diminuição do fluxo sanguíneo hepático

Conduta

Evitar o uso

Octreotida

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Diminuição da frequência cardíaca

Conduta

Evitar o uso

Propanolol

Tipo de Interação

Toxicidade

Grau de Interação

Moderado

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado da lidocaína, levando a toxicidade

Mecanismo de Ação

Diminuição do metabolismo hepático

Conduta

Evitar o uso

Saquinavir

Tipo de Interação

Sinergismo

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Efeito terapêutico aumentado da lidocaína

Conduta

Incompatível

Tramadol

Grau de Interação

Grave

Efeito Clínico

Risco de convulsão

Conduta

Evitar o uso

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

É um potente anestésico local que atua por meio do bloqueio dos canais de sódio, impedindo a geração e condução de impulsos nervosos na membrana nervosa. À medida que o efeito anestésico progride em um nervo, o limiar para a sua excitabilidade elétrica se eleva gradualmente, o potencial de ação declina e a condução do impulso nervoso se torna mais lenta (FANTONI et al., 2006). No coração, estabiliza a membrana miocárdica, reduzindo a taxa de despolarização máxima das fibras cardíacas, sem alteração do potencial de repouso, associado a um aumento do limiar de excitabilidade e diminuição do período refratário (TÁRRAGA, 2006).

FARMACOCINÉTICA

Para o controle de arritmias a lidocaína só é efetiva quando administrada via intravenosa, sendo sua biotransformação hepática de primeira passagem e a eliminação também renal (TÁRRAGA, 2006). Como anestésico local, atravessa as membranas do nervo por difusão, obedecendo a um gradiente de concentração que depende basicamente da sua lipossolubilidade. A absorção a partir de diferentes locais é influenciada pelo fluxo sanguíneo do tecido e a passagem para o compartimento circulatório. A principal via de biotransformação é a hidrólise enzimática e a excreção dos metabólitos e até mesmo do próprio anestésico é por via renal (FANTONI et al., 2006) .

EFEITOS ADVERSOS

Excitação no SNC, agitação, desorientação, tremores musculares, convulsão, vômito. Pode causar arritmia cardíaca.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Os anestésicos locais podem atravessar a barreira placentária e causar depressão miocárdica e respiratória no feto. No entanto, quando o uso é necessário, os efeitos podem ser minimizados utilizando-se doses menores que as recomendadas e diminuindo o tempo de realização do procedimento (MASSONE, 2008).

SUPERDOSAGEM

Felinos são muito sensíveis à lidocaída, então a superdosagem pode levar ao óbito do animal (VIEIRA & PINHEIRO, 2004). O SNC é mais sensível que o cardiovascular a doses elevadas de anestésicos locais, ou seja, a sobredosagem pode acarretar a perda da consciência, crises graves de convulsão, apneia e coma.

MONITORAMENTO

O paciente em tratamento com a lidocaína deve ser observado continuamente afim de detectar possíveis sinais de intoxicação e promover o suporte ao paciente o mais rápido possível.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

DIAS, R. R. et al. Influência da lidocaína na proteção miocárdica com solução cardioplégica sangüínea. Rev Bras Cir Cardiovasc vol.17 no.3 São José do Rio Preto, 2002

FANTONI, D. T. et al. Anestésicos locais. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

MASSONE, F. Anestesiologia Veterinária: Farmacologia e Técnicas. 5ª ed. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, p.592, 2008

ROSSI, C. N. et al. Ressuscitação cardiorespiratória em cães e gatos – revisão. Revista Portuguesa Ciências Veterinárias (2007) 102 (563-564) 197-205

TÁRRAGA, K. M. Medicamentos antiarrítmicos. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Monografias farmacêuticas. In: VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Formulário veterinário farmacêutico. 1. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2004 p

WALLER, S. B. et al. Efeitos colaterais de anestésicos em neonatos de cães e gatos nascidos de cesariana. Acta Veterinaria Brasilica, v.8, n.1, p.1-9, 2014