Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Moxidectina

Classificaçāo

Endectoparasiticida

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • - Moxidectina 10 mg/mL, solução injetável

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Antiparasitário (lactona macrolítica).

EFEITOS ADVERSOS

Foram relatados efeitos adversos em cães: vômito, disorexia, anorexia, sialorréia, adipsia, diarréia, sonolência, prostração, mioclonias e enantema (DELAYTE et al., 2006).

SUPERDOSAGEM

Doses de 3 mg/kg/mês por via oral não foram tóxicas para cães, mesmo de raças susceptíveis a intoxicação (ALMEIDA e AYRES, 2011).

Administração e doses

Via(s)

SC

Oral

Videos da(s) via(s)

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

Prevenção de Dirofilariose: a cada 30 dias.

Sarna Sarcóptica: Semanal.

Sarna Demodécica (SC): 7-15 dias.

Sarna Demodécica (Oral): 24 / 24 horas.

DURAÇÃO DO TRATAMENTO

Sarna Sarcóptica: 3-6 semanas.

Doses - Cães

Prevenção de Dirofilariose (Oral)

3 mcg / kg

calcular

Controle de Endoparasitas (Oral ou SC)

25 - 300 mcg / kg

calcular

Sarna Sarcóptica (Oral ou SC)

200 - 250 mcg / kg

calcular

Sarna Demodécica (SC)

200 mcg / kg

calcular

Sarna Demodécica (Oral)

400 mcg / kg

calcular

Interações medicamentosas

Observações da interação

Não informado

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A moxidectina atua de modo semelhante ao da ivermectina. São absorvidas pelo parasito tanto por via oral (parasitos hematófagos) quanto cuticular (nematódeos) e atuam potencializando os canais de cloro.

Elas se ligam ao glutamato nos canais iônicos, proporcionando a hiperpolarização que resulta na paralisia flácida e morte do parasito.

Agem também sobre a neurotransmissão mediado pelo GABA.

FARMACOCINÉTICA

A moxidectina apresenta solubilidade em lipídios 100 vezes maior que a ivermectina.

É biotransformada no fígado e tem seu pico de concentração plasmática por volta de 24 horas. Seus resíduos são encontrados principalmente na gordura da carne e do leite de forma inalterada. A eliminação ocorre através das fezes.

EFEITOS ADVERSOS

Foram relatados efeitos adversos em cães: vômito, disorexia, anorexia, sialorréia, adipsia, diarréia, sonolência, prostração, mioclonias e enantema (DELAYTE et al., 2006).

SUPERDOSAGEM

Doses de 3 mg/kg/mês por via oral não foram tóxicas para cães, mesmo de raças susceptíveis a intoxicação (ALMEIDA e AYRES, 2011).

MONITORAMENTO

Monitorar a ocorrência de vômitos e fazer terapia adequada se necessário.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

AGUILAR-TIPACAMÚ, G.; RODRÍGUEZ-VIVAS, R. I. Uso de la moxidectina para el tratamiento de los parásitos internos y externos de los animales. Revista Biomédica, v. 13, n. 1, p. 43-51, 2002.

ALMEIDA, M. A. O e AYRES, M. C. C. Agentes Antinematódeos. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

DELAYTE, E. H. et al. Efficacy of systemics macrocyclic lactones (ivermectin and moxidectin) for the treatment of generalized canine demodicosis. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 58, n. 1, p. 31-38, 2006.