Informações

Aviso

Este medicamento é de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Substância(s) Ativa(s)

Cloridrato de Bromexina

Tipo

Secretolítico

Mucolítico

Apresentações e concentrações

  • - Cloridrato de Bromexina 4 mg / 5 mL, solução oral (120 mL)
  • - Cloridrato de Bromexina 8 mg / 5 mL, solução oral (120 mL)

INDICAÇÕES

Indicado para a terapia secretolítica e expectorante nas afecções broncopulmonares agudas e crônicas associadas à secreção mucosa anormal e transtornos do transporte mucoso.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Evitar em gestantes e lactantes.

Espécie de animal

Canino, Felino

Interações

Esse produto não contém interações, pois não há referências sobre ou ainda não foi preenchida por nossa equipe técnica.

Utilização

Via

Oral

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

24 horas

DURAÇÃO DO TRATAMENTO

A critério do médico veterinário

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Utilizado como adjuvante no tratamento de bronquites e penumonias. Não deve ser utilizado como único medicamento em infecções.

Cães

Recomendado

Cães

3 - 15 mg / animal

Gatos

Recomendado

Gatos

3 - 6 mg / animal

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O mecanismo de ação da bromexina ainda não é totalmente conhecido. Acredita-se que ela atue nas glândulas brônquicas, liberando enzimas lisossomais das células produtoras de muco, o que ocasionaria a digestão das fibras mucopolissacarídicas (RIZZO e CRUZ, 2010).

Atua na redução da viscosidade das secreções pulmonares e auxilia na atuação de outros medicamentos (como antibióticos) por alterar a permeabilidade da barreira alvéolo-capilar.

FARMACOCINÉTICA

Em humanos é rapidamente absorvida pela via oral, apresentando sua ação cerca de 5 horas após a administração.

EFEITOS ADVERSOS

Pode causar efeitos gastrintestinais leves, mas efeitos adversos não são frequentes.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Dados sobre o uso da bromexina durante gestação e lactação são escassos, sendo preferível evitar seu uso nessas condições.

SUPERDOSAGEM

Nenhum efeito específico foi observado em humanos.

Em sobredose os efeitos adversos são agravados e o tratamento é sintomático.

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Pode alterar o nível de transaminase sérica, porém não foram comprovados efeitos de toxicidade hepática.

MONITORAMENTO

Monitorar a eficácia do medicamento.

Referências Bibliográficas

KRÜGER, Renan Marcel. Tosse em cães: revisão de fisiopatologia, métodos diagnósticos e etiologias. 2010.

RIZZO, J. A. e CRUZ, A. A. Drogas Muciativas (Mucolíticos, Expectorantes) e Antitussígenas. In: SILVA, P., 1921. Farmacologia/Penildon Silva – 8 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório