Sobre

Princípio(s) Ativo(s)

  • Zinco

Classificaçāo

Mineral, Suplemento Alimentar

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

ARMAZENAMENTO

Armazenar em frasco bem fechado, protegido da luz e em temperatura ambiente.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • - Zinco, (este princípio ativo não tem apresentação, pois usualmente é encontrado em compostos, manipulações farmacológicas ou não existe comercialização industrial no Brasil)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

O zinco é utilizado para o tratamento de doenças de deficiência de zinco como aquelas que provocam problemas dermatológicos. Também é utilizado como agente antifibrótico em doenças hepáticas. Um dos outros usos do zinco é como agente quelante em animais. Mais comumente, o zinco é usado para diminuição das concentrações de cobre em animais com doença hepática, sempre em associação com outros medicamentos (p. ex., penicilamina). Quando utilizado para o tratamento de doença hepática por cobre, apresenta uma ação lenta e pode levar até 3 meses para os efeitos completos.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Se a forma intravenosa for utilizada (p. ex., sulfato de zinco), os efeitos colaterais podem ser mais prováveis devido principalmente à absorção oral ser mais limitada.

Administração e doses

Via(s)

Oral

IV

Videos da(s) via(s)

FREQUÊNCIA DE UTILIZAÇÃO

12/12 horas

24/24 horas

Doença hepática - Cães

Sulfato

2 mg / kg

calcular

Gluconato

3 mg / kg

calcular

Suplemento - Cães e Gatos

Sulfato ou gluconato

1 mg / kg

calcular

Acetato

1,5 - 3 mg / kg

calcular

Dermatológico

Sulfato ou gluconato

Cães e Gatos

10 mg / kg

calcular

OBSERVAÇÕES

Administrar sem alimentação para melhorar a absorção oral, porém um pouco de alimento irá prevenir náuseas associadas ao tratamento. Ao considerar varias formas, a forma do gluconato pode ser mais bem tolerada do que a forma de sulfato ou acetato.

Ajustar a dose com base nos níveis plasmáticos de zinco.

Interações medicamentosas

Observações da interação

A absorção oral é diminuída com o uso de tetraciclinas, ferro, cobre, fitatos (encontrados em farelos e grãos) e penicilamina.

* Aviso Legal - Interações Medicamentosas - O Aplicativo Vet Smart contém informações de interação medicamentosas em geral, que foram levantadas por pesquisa realizada pelo próprio Vet Smart, de modo que as informações médicas e sobre medicamentos não é um aconselhamento médico veterinário e não deve ser tratado como tal. Portanto, a Vet Smart não garante nem declara que a informação sobre tratamentos médicos veterinários ou interações medicamentosas do Aplicativo Vet Smart: (A) estará constantemente disponível, ou disponíveis a todos; ou (B) são verdadeiras, precisas, completas, atuais ou não enganosas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O zinco é um elemento essencial importante em mais de 200 metaloenzimas. Também é importante na síntese de ácidos nucleicos, membrana celular e proteínas. É importante também para o crescimento, reparo tecidual e divisão celular. O zinco atua como agente quelante, competindo com o ferro na inibição da fibrose e na formação de colágeno. Os benefícios são observados em animais de experimentação e no homem com doenças hepáticas. Um dos usos é no tratamentoda cirrose hepática. O zinco também atua como antioxidante e na prevenção de danos em membranas. Além disso, o zinco induz a produção de metalotioneina na mucosa das células intestinais, que liga o cobre presente na dieta e preveni a absorção hepática.

MONITORAMENTO

Monitorar as concentrações sanguíneas de zinco, pelo menos mensalmente, para prevenir níveis altos que provocam hemólise. As concentrações sanguíneas ideais de zinco devem ser de 200 a 500 μg/dL. Uma concentração em torno de 800 μg/dL é considerada tóxica, mas níveis em torno de 200 μg/dL são necessários para o tratamento de doença hepática por cobre.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012.