Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Axetil Cefuroxima

Classificaçāo

Antibiótico

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Informe ao Médico Veterinário a ocorrência de gestação ou lactação durante ou logo após o tratamento.

A interrupção do tratamento e a modificação de dose não devem ser feitas sem a orientação do Médico Veterinário. Os microrganismos são capazes de desenvolver resistência nos casos de subdosagem.

O medicamento só deve ser prescrito por um Médico Veterinário. O uso indiscriminado de antimicrobianos pode ser perigoso para a saúde dos animais.

Continue o tratamento pelo tempo determinado pelo médico veterinário, mesmo se o animal apresentar melhora.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • - Axetil Cefuroxima, (este princípio ativo não tem apresentação, pois usualmente é encontrado em compostos, manipulações farmacológicas ou não existe comercialização industrial no Brasil)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A axetil cefuroxima se apresenta mais estável que o cefamandol no combate às beta-lactamases, além de ser ativa contra cepas de Enterobacter que comumente inativam fármacos como o cefamandol e as cefalosporinas de primeira geração (RODRIGUES, et al., 2007).

EFEITOS ADVERSOS

Todas as cefalosporinas são geralmente seguras ao uso, mas raramente pode ocorrer alergia ao medicamento. Bem como reação de hipersensibilidade cruzada às penicilinas (SPINOSA, 2006; ANDRADE et al., 2008).

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso seguro de cefalosporinas durante a gestação não foi estabelecido, embora não existam relatos de problemas fetais relacionados.

A avaliação do clínico quanto aos benefícios e riscos do tratamento é fundamental.

SUPERDOSAGEM

Discrasias sanguíneas, causadas por mielotoxicidade em animais tratados por longos períodos, já foram registradas.

As cefalosporinas causam nefrotoxicidade quando utilizadas por períodos prolongados em seres humanos (ANDRADE et al., 2008).

Administração e doses

Este produto ainda não tem informações de Administração e doses

Interações medicamentosas

Esse produto não contém interações, pois não há referências sobre ou ainda não foi preenchida por nossa equipe técnica.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

À semelhança das penicilinas, as cefalosporinas inibem enzimas transpeptidases de membrana que sintetizam os peptideoglicanos da parede celular bacteriana, levando-as a lise osmótica (ANDRADE et al., 2008).

A parede celular é responsável pela proteção, sustenção e manutenção da forma da bactéria, logo a supressão da sua síntese conduz à morte da célula (SPINOSA, 2006).

FARMACOCINÉTICA

As cefalosporinas distribuem-se bem em todos os tecidos, mas especialmente as de primeira e segunda gerações atingem boas concentrações em pele e tecido subcutâneo. Em geral, atravessam mal a barreira hematoencefálica. A maioria é excretada sob forma ativa na urina e algumas pela via biliar (ANDRADE et al., 2008).

CONSIDERAÇÕES LABORATORIAIS

Há relatos de anemias causadas por múltiplos mecanismos em cães, incluindo anemia hemolítica imunomediada e depressão medular relacionada ao uso de cefalosporinas (GOSSETT, 2000).

EFEITOS ADVERSOS

Todas as cefalosporinas são geralmente seguras ao uso, mas raramente pode ocorrer alergia ao medicamento. Bem como reação de hipersensibilidade cruzada às penicilinas (SPINOSA, 2006; ANDRADE et al., 2008).

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso seguro de cefalosporinas durante a gestação não foi estabelecido, embora não existam relatos de problemas fetais relacionados.

A avaliação do clínico quanto aos benefícios e riscos do tratamento é fundamental.

SUPERDOSAGEM

Discrasias sanguíneas, causadas por mielotoxicidade em animais tratados por longos períodos, já foram registradas.

As cefalosporinas causam nefrotoxicidade quando utilizadas por períodos prolongados em seres humanos (ANDRADE et al., 2008).

MONITORAMENTO

Deve ser monitorada a eficácia do tratamento, caso não haja melhora do paciente, nova terapia deve ser estabelecida.

Avaliações

Como você avaliaria a performance do produto?

Desempenho do Produto

Muito satisfatório
Satisfatório
Insatisfatório
Muito insatisfatório

Distribuidores

Este produto ainda não tem distribuidores

Referências Bibliográficas

ANDRADE, S. F. et al. Quimioterápicos, antimicrobianos e quimioterápicos. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008, 912 p. .

GOSSETT, K. A. Anemias associated with drugs and chemicals. In.: FELDMAN, B. F.; ZINKL, J. G.; JAIN, N. (Ed.). Schalm’s veterinary hematology. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2000. p. 185-189.

RODRIGUES, Paulo Ricardo Centeno et al. O uso das cefalosporinas na clínica de pequenos animais: breve revisão. Veterinária em Foco, v. 4, n. 2, p. 143-158, 2007.

SPINOSA, H. S. Antibióticos beta-lactâmicos: penicilinas e cefalosporinas. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.