Nome da Raça

Border Terrier

Porte

Pequeno a médio

Peso

Machos: 6 – 7 kg. Fêmeas: 5 – 7 kg.

Altura na Cernelha

Machos: 37 – 40 cm. Fêmeas: 33 – 36 cm.

Nível de atividade

Moderada

Temperamento

Afetuoso, obediente e destemido

Adestrabilidade

Acima da média

Introdução

Origem

A raça Border Terrier vem de vários cruzamentos envolvendo terriers de trabalho britânicos como Bedlington Terrier, Lakeland Terrier e Dandie Dinmont Terrier. Seu nome faz referência à sua região natal, a fronteira histórica entre a Escócia e a Inglaterra.

Este cão foi tradicionalmente usado na caça às raposas, durante o qual ele se juntou aos cães mais comuns como o Foxhound. O Border Terrier não foi realmente apreciado no restante da Europa até meados da década de 1980.

A raça foi reconhecida definitivamente pela FCI em 1963 e pela AKC em 1930.

Nome original

Border Terrier

País de origem

Grã-Bretanha

Características gerais

Aspectos raciais

A cabeça do Border Terrier se assemelha a de uma lontra. O crânio é moderadamente largo. A trufa é normalmente preta, mas, a cor fígado ou cor de carne também são aceitas. O focinho é curto e forte e a mordedura em tesoura, mas também pode ser em torquês. Os olhos são escuros, com uma expressão viva. As orelhas do Border Terrier são pequenas, em forma de “V”, de espessura moderada e caídas para a frente próximas às bochechas.

O pescoço possui comprimente moderado. O tronco é alto, estreito e muito longo, com lombo forte. O peito possui costelas bem voltadas para trás, mas não em barril. A cauda é moderadamente curta, muito espessa na raiz, afilando até a ponta. De inserção alta e portada alegremente, mas nunca curvada sobre o dorso.

Os membros anteriores são retos, com ossatura não muito pesada, e os posteriores são vigorosos, o que lhe confere passada fluentes. Mãos e pés são pequenos, com coxins espessos.

O pelo é duro e denso, com subpelo cerrado e a pele grossa. As cores da pelagem são o vermelho, trigo, grisalho e castanho ou azul e castanho.

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

O Border Terrier é um cão de trabalho que combina atividade com coragem. Ele apresenta uma personalidade marcante, entretanto mantém uma atitude feliz.

É muito ligado aos seus donos e pode se dar bem com as crianças, desde que não seja pressionado e sempre sob supervisão. Seu forte instinto de caça, pode ser um problema com roedores e pequenos animais de estimação em geral. Normalmente late apenas quando necessário.

Na ação de caça, o Border Terrier gosta bastante da companhia de um cavalo, executando corridas curtas com grande intensidade.

Pelo seu temperamento forte, o Border Terrier deve ser devidamente educado desde uma idade precoce. Deve apreender seus limites com uma educação firme, mas sem excessos. Também é importante socializá-lo bem quando filhote para crescer equilibrado.

Atividades físicas regulares para atender sua necessidade de trabalhar, aliadas a jogos e brincadeiras são importantes para manter o Border Terrier equilibrado física e mentalmente. Caminhadas diárias são um ótimo exercício.

Sua pelagem não necessita de cuidados especiais, sendo recomendado apenas escovações esporádicas e banhos somente quando necessário.

Sensibilidade a fármacos

Não relatada

Predisposição à doenças

Musculoesqueléticas

Hipertonicidade ou cãibra

  • Contração muscular dolorosa, de poucos minutos de duração e sem perda de consciência
  • Relacionadas com hipotireoidismo e hipoadrenocorticismo

Oftálmicas

Catarata

  • Herança genética
  • Idade do início: 3 a 5 anos
  • Lentamente progressivo

Renais e urinárias

Síndrome de Falconi

  • Defeito no túbulo proximal com consequente reabsorção deficiente e perda urinária excessiva de diversos componentes, tais como água, glicose, fosfato, sódio, potássio,cálcio, aminoácidos, bicarbonato, proteínas com peso molecular de até 50.000 dáltons e outros solutos

Referências bibliográficas

http://cbkc.org/application/views/docs/padroes/padrao-raca_73.pdf

https://www.chien.fr/race/border-terrier/

http://www.akc.org/dog-breeds/border-terrier/

http://www.blogdocachorro.com.br/ranking-de-inteligencia-canina/

http://www.fci.be/en/nomenclature/BORDER-TERRIER-10.html

JERICÓ, Márcia Marques; ANDRADE NETO, João Pedro de; KOGIKA, Márcia Mery. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. 1. ed. Rio de Janeiro: Roca, 2015.

GOUGH, Alex; THOMAS, Alison. Breed Predisposition to Disease in Dogs and Cats.1. Ed. Oxford:Blackwell Publishing Ltd, 2004 – página 29.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Medicina interna de pequenos animais. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Imagem: https://www.pets4homes.co.uk/images/breeds/2/large/a42876935732355e2cd3d687361c4bf6.jpg