Nome da Raça

Angorá Turco

Peso

2,5 – 5 kg

Altura

20 – 25 cm

Temperamento

Afetuoso, ativo e sociável

Introdução

Origem

O Angorá Turco parece ter surgido nas regiões montanhosas do Oriente Médio e nos confins da Turquia (região de Ancara, capital do país) há mais de mil anos. Ele foi descoberto na Turquia pelos primeiros viajantes e exploradores provenientes da Europa Ocidental, em particular Pietro della Valle, que levou os primeiros exemplares para a Itália no século XVII.

Logo, muito admirados e considerados como presentes refinados, os angorás se espalharam pela Europa por meio de trocas entre aristocratas. Este gato passou a ser, desde então, muito apreciado nas cortes europeias e particularmente na corte do rei da França, Luís XIII.

No século XIX, o Angorá Turco quase desapareceu da Europa Ocidental com a modernização da criação de gatos de raça. Depois de servir de base genética à criação do gato persa, o Angorá foi praticamente ofuscado por esta nova raça nas exposições.

Sua situação tornou-se um tanto mais crítica porque, em seu país de origem, a raça desapareceu em decorrência da mestiçagem, a ponto de o governo turco desenvolver um programa de proteção e reprodução seletiva para os raros exemplares de raça pura que haviam restado.

Este programa de proteção limitava-se, porém, apenas aos gatos brancos, apesar de vários documentos atestarem a diversidade de cores de pelagem do Angorá.

Estes indivíduos ficaram ameaçados de extinção até a Segunda Guerra Mundial, e sobreviveram graças a criadores americanos e europeus que os importaram da Turquia, onde a raça, atualmente, é protegida.

Esta raça tem um papel importante na história da felinicultura, uma vez que se considera que ela transmitiu a característica de pelame longo para a maior parte das raças atuais de pelo semilongo ou longo, especialmente o Persa.

Outra designação

Turkish Angora (inglês)

País de origem

Turquia

Características gerais

Aspectos raciais

O Angorá Turco dá a impressão de solidez, graça e grande fluidez de movimentos. O corpo fica entre o tipo mediolíneo e o tipo longilíneo. A cauda é longa, peluda e costuma ficar abaixo da horizontal em repouso e acima do corpo em movimento.

Com frequência, a cauda forma um penacho, o que aumenta a elegância deste gato. As patas longas e finas estão em harmonia com o corpo. Os pés são pequenos, de formato arredondado e apresentam tufos entre os dedos. A tamanho da cabeça varia de pequeno a médio e o formato tende a ser harmonioso, triangular, afinando ligeiramente perto do queixo.

De perfil, o focinho, de tamanho mediano, forma um ângulo suave com o crânio, mas não apresenta um verdadeiro stop (separação entre o crânio e a face). As orelhas, situadas no alto do crânio, são longas, pontudas e munidas de um tufo de pelos. Os olhos são ligeiramente amendoados ou amarelados a esverdeados, oblíquos e muito expressivos.

A pelagem é semilonga na face e acima; no restante do corpo é longa, com tendência a ondulação em região de pescoço, ventre e interior das patas. Ela forma um colarinho e uma cobertura no traseiro. Sua textura é sedosa. Os primeiros criadores de Angorás Turcos insistiram, por muito tempo, que só a variedade branca deveria ser reconhecida.

Entretanto, desde 1978, outras variedades foram admitidas e, atualmente, todas as cores são reconhecidas, o que inclui padrões de cores únicas, bicolores, tartaruga e listrado – entre eles, estão, por exemplo, a cor branca, preta, branco com creme, azul fumaça, entre outros.

Pelagem

Longo

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

O Angorá Turco é um gato afetuoso, muito apegado à família. É ativo, possuem bastante energia e requerem enriquecimento ambiental para poderem se exercitar diariamente. Muito inteligentes, aprendem truques com facilidade. É um gato muito sociável com outros animais e seres humanos.

A escovação do pelame pode ser feita de duas a três vezes por semana.

A higienização oral semanal evita doenças periodontais.

Sensibilidade a fármacos

Quando submetidos à administração de alguns fármacos, os felinos apresentam diferentes respostas daquelas manifestadas pelos cães. Em gatos, a intoxicação pelo uso de substâncias como o paracetamol, ácido acetilsalicílico e dipirona se faz bastante frequente na rotina médico-veterinária, podendo, muitas vezes, levar o animal a óbito e isto ocorre devido às particularidades dos mecanismos de metabolização farmacológica da espécie.

Gatos apresentam uma deficiência relativa na atividade de algumas enzimas, como a glicuronil-transferase, responsável por catalisar as reações de conjugação mais importantes no metabolismo de fármacos dos mamíferos.

Além disso, estes animais são muito suscetíveis ao desenvolvimento de metahemoglobinemia e à formação de corpúsculos de Heinz após a administração de alguns fármacos, por possuírem um número maior de grupos sulfidril nas hemácias, quando comparado com cães e humanos.

Desta forma, é fundamental que o médico veterinário esteja atento a essas peculiaridades metabólicas dos gatos para melhor atender e informar seus clientes quanto ao risco da administração de certas substâncias.

Predisposição à doenças

Surdez em gatos brancos de olhos azuis: O gene W, responsável pelo pelame de coloração branca e olhos azuis, pode causar alterações como surdez em alguns gatos com este padrão da raça Angorá Turco.

Cardiomiopatia hipertrófica: Estes animais também são predispostos a desenvolver cardiomiopatia hipertrófica (CMH), a doença cardíaca mais comum dos gatos. Esta condição causa um espessamento (hipertrofia) do músculo cardíaco, o que resulta no volume reduzido de sangue dentro dos ventrículos, reduzindo assim o volume de sangue que o coração bombeará para a circulação sistêmica.

A CMH pode gerar falência cardíaca, tromboembolismo arterial sistêmico e é uma causa de morte súbita em gatos. Um ecocardiograma pode confirmar se o gato a possui.

Referências bibliográficas

The Cat Encyclopedia: The Definitive Visual Guide. Editora: Penguim Random House, 2014.

Enciclopédia Larousse do Gato e do Gatinho. Editora: Larousse, 2010.

International Cat Care. Angorá Turco. Disponível em: https://icatcare.org/advice/cat-breeds/turkish-angora

Imagem disponível em: http://www.vetstreet.com/cats/turkish-angora#1_o00c0agb