Nome da Raça

Coton de Tulear

Porte

Pequeno

Peso

Fêmeas: 3,5-5 kg Machos: 4-6 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 23-25 cm Machos: 26-28 cm

Temperamento

Feliz, carinhoso, barulhento, engraçado

Adestrabilidade

Moderada

Introdução

Origem

Cachorros pequenos, macios e de pelo branco foram os cães de companhia favoritos por mais de 2.000 anos. Fáceis de levar para qualquer lugar por conta do seu tamanho, eles se espalharam rapidamente por todo o mundo. Estes cães Bichon, como se tornaram conhecidos, muitas vezes tiveram seus nomes associados aos lugares em que foram encontrados. Um deles é o Coton de Tulear, de Tulear, Madagascar. 

A sua origem não está exatamente clara, mas alguns afirmam que os pequenos cães brancos foram trazidos para a ilha por visitantes, fossem eles marinheiros, piratas, comerciantes ou diplomatas. 

A Federação Cynologique Internationale reconheceu o Coton como uma raça distinta em 1970. O Coton de Tulear Club of America (agora Madagascar Coton de Tulear Club of America) foi formado em 1976. O American Kennel Club reconheceu a raça em 2014.

Nome original

Coton de Tuléar

País de origem

França

Características gerais

Aspectos raciais

A aparência geral da raça Coton de Tulear é a de um cão pequeno, de pelos longos, brancos, com textura de algodão. Possui olhos escuros, redondos e uma expressão viva e inteligente. 

Sua cabeça é curta, vista de cima é triangular. Na região craniana, seu crânio quando visto de frente é ligeiramente arredondado, bastante largo em relação ao seu comprimento. Arcadas superciliares pouco desenvolvidas. 

O sulco frontal assim como a protuberância e a crista occipital são pouco marcados. Arcadas zigomáticas bem desenvolvidas. Na região facial, a rufa se prolonga da cana nasal, preto é a cor mais comum, porém pode ser marrom; narinas bem abertas.

Focinho: Reto. Lábios: Finos, aderentes, da mesma cor da trufa. Dentes bem alinhados. Mordedura em tesoura, torquês ou tesoura invertida, sem perder contato. Bochechas: Magras. Olhos: Redondos, escuros, vivos, bem separados; as bordas das pálpebras são bem pigmentadas de preto ou marrom de acordo com a cor da trufa.

Orelhas: Pendentes, triangulares, inseridas altas no crânio, finas nas pontas; portadas rentes às bochechas, alcançando a comissura labial. Cobertas por pelos brancos ou com tons de cinza claro (mistura de pelos brancos com pretos que dá uma aparência de cinza claro) ou vermelho ruão (mistura de pelos brancos com fulvo que dá uma aparência de vermelho ruão). 

O pescoço é bem musculoso, ligeiramente arqueado. Pescoço bem inserido nos ombros, limpo, sem barbelas. O tronco, na linha superior é ligeiramente convexa. Cão mais longo do que alto. Cernelha: Ligeiramente marcada. Dorso forte, linha superior muito ligeiramente arqueada. Lombo bem musculoso. Garupa oblíqua, curta e musculosa. Peito bem desenvolvido; bem descido até o nível dos cotovelos; longo. Costelas bem arqueadas. Linha inferior: Esgalgada, mas não excessivamente.

A cauda tem inserção baixa, no eixo da coluna vertebral. Em repouso fica portada abaixo do jarrete, a ponta sendo levantada. Em movimento fica portada alegremente curvada sobre o dorso, com a ponta em direção à nuca, cernelha, dorso ou lombo. Em cães com pelagem abundante, a ponta pode repousar na região dorso-lombar. As pernas dianteiras são bem aprumadas. Ombros e Braços: Ombros oblíquos, musculosos. Ângulo escápulo-umeral mais ou menos 120°. 

O comprimento dos braços corresponde aproximadamente ao da escápula. Antebraços possuem ângulo úmero-radial de mais ou menos 120°. Os antebraços são verticais e paralelos, bem musculosos, com bons ossos. O comprimento do antebraço corresponde aproximadamente ao do braço. Carpos: A continuação da linha do braço. Metacarpos: Fortes; vistos de perfil, ligeiramente oblíquos. Patas: Pequenas, redondas, dedos fechados, arqueados; almofadas pigmentadas.

Os membros posteriores são bem aprumados. Coxas: Fortemente musculosas, formando um ângulo coxofemoral de 80°. Pernas oblíquas, formando com o fêmur um ângulo de mais ou menos 120°. Articulação do jarrete seca, bem definida, ângulo de mais ou menos 160°. Metatarsos verticais. Patas posteriores são idênticas às anteriores. 

A movimentação padrão da raça é livre e fluente, sem cobrir muito o solo. Durante a movimentação, o dorso se mantém firme e sem sinal de movimento irregular. 

A pele é fina e bem aderente ao corpo em cada uma de suas partes. É de cor rosa, mas pode ser pigmentada. Seu pelo é a maior característica desta raça, da qual seu nome deriva. Muito macia e flexível com a textura do algodão, nunca dura ou áspera; a pelagem é densa, profusa e pode ser levemente ondulada.

Cor de base é branca. Uma ligeira sombra de cor cinza claro (mistura de pelos brancos com pelos pretos) ou vermelho ruão (mistura de pelos brancos com pelos fulvos) é permitida nas orelhas. Nas outras partes do corpo, esses tons podem ser tolerados se não alterarem a aparência geral de uma pelagem branca, mas não são desejados.

Pelo

Longo

Pelagem

Moderada

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Alegre e barulhento, o Coton de Tulear não quer nada além de agradar as pessoas. Ele formará fortes laços com sua família, o que significa que ele não conseguirá ficar separado dela por muito tempo. Isso pode levar à comportamentos indesejáveis relacionados à ansiedade de separação. 

O Coton pode ser bastante engraçado e palhaço. Eles podem caminhar sobre suas pernas traseiras e muitas vezes torcem suas cabeças para um lado quando escutam. Esta é também uma raça que vocaliza, o Coton irá falar com o dono através de grunhidos e latidos, e sempre espera uma resposta.

Embora pareçam bichos de pelúcia delicados, os Cotons são cães resistentes. É uma raça que adora crianças de todas as idades. Ele pode brincar felizmente com as crianças, pega-pega é o jogo favorito. Esta raça também se dá bem com outros animais na casa ou com os cães que ele encontra durante os passeios no parque ou na rua. 

O Coton tem um pelo de algodão seco. Não deve parecer brilhante, e não deve ser tão longo no tórax ou na área abdominal até tocar no chão. Embora o pelame não seja especialmente difícil de manter, considerando seu comprimento de 10 a 15 centímetros, ele requer um investimento regular de tempo.

No lado positivo, o pelo do Coton seca rapidamente, requer uma escovação relativamente pequena e não cai muito. Para manter seu pelame bonito, escove-o algumas vezes por semana. Também é uma boa ideia cortar o pelo nos pés entre as almofadas e os dedos dos pés. Pode ser necessário cortar os pelos sobre os olhos se estiver prejudicando a visão do cachorro. 

É importante manter os olhos e as orelhas limpas. O resto trata-se de cuidados básicos como idas periódicas ao veterinário, escovação dentária semanal e alimentação de boa qualidade.

Sensibilidade a fármacos

Não foram encontrados em literatura relatos de sensibilidade à fármacos específicos relacionados à raça em questão.

Predisposição à doenças

Neurológicas

Ataxia cerebelar neonatal:

  • Encontrado em 7 de 32 filhotes em um estudo;
  • Sinais clínicos iniciaram com 2 semanas de idade.

Oftálmicas

Retinopatia multifocal:

  • Desenvolve-se a partir dos 11 meses de idade.

Referências bibliográficas

CBKC Confederação Brasileira de Cinofilia. Padrão Oficial da Raça: Coton de Tulear. Disponível em: http://cbkc.org/racas. Acesso em: 15 fev. 2018. 

FOGLE, B. Guia Ilustrado Zahar Cães. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 344 p.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predispositions to Disease in Dogs and Cats. 3º Ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2018. 398 p.

Nestlé Purina Australia. Dog Breeds. Coton de Tulear. Disponível em: http://www.purina.com.au/owning-a-dog/dog-breeds/CotonDeTulear. Acesso em: 10 fev. 2018

Pet guide. Breeds. Dog Breeds. Coton de Tulear. Disponível em: http://www.petguide.com/breeds/dogs/cotondetulear. Acesso em: 10 fev. 2018

Vet Street. Dog Breeds. Coton de Tulear. Disponível em: http://www.vetstreet.com/dogs/coton-de-tulear. Acesso em: 10 fev. 2018

Imagem disponível em: http://www.vetstreet.com/dogs/coton-de-tulear#0_4rg0jgq2