Avaliação hematológica de cães com TVT em tratamento com o quimioterápico sulfato de vincristina e suplementados com Nutralogic

Empresa

Vetnil

Data de Publicação

31/12/2000

PDF

Martins, W.C.1; Martins, M.I.M.3 ; Sant’Anna, M.C.2; Duarte, A.R.2; Vettorato, E.D.2; Flaiban, K.K.M.C.3
1. Graduando do curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Londrina (UEL)
2. Residentes do Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Londrina (UEL)
3. Docentes do Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Com o intuito de avaliar influência da suplementação com Nutralogic na variação da resposta hematológica dos cães com diagnóstico de Tumor Venéreo Transmissível (TVT), em tratamento quimioterápico com sulfato de vincristina, foi realizado o hemograma considerando dois grupos de animais e o tempo de tratamento (início, meio e fim). Foram utilizados 20 cães com TVT procedentes do Hospital Veterinário da Universidade Estadual de Londrina (HV-UEL), no período de novembro de 2008 a abril de 2009; os 20 animais foram divididos aleatoriamente em dois grupos: Grupo Controle e Grupo Suplementado, que recebeu Nutralogic Comprimidos® duas vezes ao dia durante todo o tratamento. Nas análises laboratoriais não houve diferença estatística entre os Grupos, mas considerando-se os três tempos de tratamento, todos os cães apresentaram queda no número de leucócitos, neutrófilos segmentados e bastonetes durante o tratamento. Entretanto, os cães do Grupo Suplementado necessitaram de menos sessões de quimioterapia para a cura.

Palavras-chave: TVT, perfil hematológico; cães; nutracêutico

O Tumor Venéreo Transmissível é uma das principais neoplasias que acometem cães e, que em condições naturais, afeta somente a espécie canina (ROGERS, 1997). Além de estar na lista das causas mais freqüentes de proprietários que buscam auxílio e tratamento com médicos veterinários (AMBALI; MOHAMMED, 1994).

Com o grande número de cães errantes, a incidência de tumor venéreo transmissível (TVT) é alta na rotina do Hospital Veterinário da Universidade Estadual de Londrina (HV-UEL), sendo uma afecção de grande importância devido à alta transmissibilidade entre cães em atividade reprodutiva. O diagnóstico é feito pela anamnese e exame clínico, e confirmado por citologia aspirativa com agulha fina (CAAF). O tratamento médico adequado demanda um tempo prolongado e, durante esse período, o paciente pode manifestar alguns efeitos colaterais secundários à quimioterapia de eleição, o sulfato de vincristina.

Dentre os efeitos colaterais pode-se citar os aspectos clínicos como inapetência, alopecia pouco significativa, vômito e diarréia (HOQUE et al., 1995). Há relato de toxicidade hematológica, dermatológica, neurológica resultando em neuropatia periférica que leva a paresia, déficit proprioceptivo, íleo paralítico e constipação, e discreta mielossupressão (WHITE, 1991; RODASKI; DE NARDI; PIEKARS, 2009), podendo também levar a alterações reprodutivas transitórias ou permanentes em machos, fator relevante para reprodutores (DALECK et al., 1995). Ocorrem ainda efeitos colaterais como anemia normocrômica e normocítica (TINUCCI-COSTA, 1994, 2009) leucopenia, neutropenia, linfocitose e trombocitopenia (CAMACHO; LAUS, 1987; PASSARELLI; DE OLIVEIRA, 2008).

Com base nessas alterações hematológicas se propôs a suplementação com Nutralogic®, um suplemento nutracêutico rico em nutrientes com ação antioxidante. Espera-se assim que este atue como imunoestimulante, de modo que os efeitos colaterais da quimioterapia, com sulfato de vincristina, nas alterações hematológicas, principalmente, da série branca, sejam menos agressivas, propiciando menores gastos com tratamento e melhor qualidade de vida aos pacientes. O objetivo deste trabalho foi comparar as alterações de hemograma entre o Grupo Controle, que recebeu somente quimioterapia com sulfato de vincristina, e o Grupo Suplementado, que durante o tratamento quimioterápico foram suplementados com o nutracêutico comercial Nutralogic®.

Foram utilizados 20 cães adultos, de ambos os sexos, em atividade reprodutiva, com padrão nutricional médio e sem distinção racial, provenientes do ambulatório de Teriogenologia de Animais de Companhia da HV-UEL (TAC), no período de Novembro de 2008 a Abril de 2009, com diagnóstico confirmado e em tratamento quimioterápico para o controle ao TVT. Esses animais foram divididos aleatoriamente em dois Grupos (Controle e Suplementado). Foram coletadas amostras de sangue de todos os cães e enviados para o Laboratório de Patologia Clínica do HV-UEL anteriormente a realização de cada sessão de quimioterapia com sulfato de vincristina, Tecnocris®, na dose de 0,5mg/m2, via intravenosa, com sessões intervaladas de sete dias. Se em qualquer uma das sessões o hemograma demonstrasse alguma citopenia, principalmente leucopenia (<4.000/mm3) e neutropenia (<2.500/mm3) a sessão era adiada por mais sete dias, até restabelecimento do quadro hematológico.

A suplementação com Nutralogic® foi feita somente para os animais do Grupo Suplementado como preconizado pelo fabricante, sendo administrado 1 (um) comprimido para cada 10Kg de peso corporal, duas vezes por dia (a cada 12 horas) durante todo o tratamento quimioterápico. Os resultados foram submetidos ao cálculo das médias e desvios padrão dos tratamentos. Esses valores passaram por análise de variância bifatorial (Grupo Controle x Grupo Suplementado e tempo de tratamento – Início, meio e fim). O Teste de Tukey foi utilizado para comparação entre as médias, considerando o nível de significância de p<0,05 (5%).

A análise hematológica demonstrou não haver diferença estatística significativa (p<0,05) entre os grupos, os cães do Grupo Suplementado apresentaram valores de Hemácias (x106/mm3), Hematócrito – VG – (%), Hemoglobina – Hg – (g/dL) e Monócitos diminuídos em relação aos cães do Grupo Controle (Tabela 1). Este fato tem explicação nos exames hematológicos iniciais desses animais, pois os mesmos apresentavam, desde o início, índices inferiores para essas variáveis em relação ao grupo não suplementado, como representado na Tabela 1.

Tabela 1. Média e desvio padrão dos valores hematológicos dos cães antes do início e ao término do tratamento para TVT com sulfato de vincristina, suplementados (Grupo Suplementado) e não suplementados (Grupo Controle) com Nutralogic®, no período de novembro de 2008 a abril de 2009. Londrina, 2009.

Médias seguidas de mesma letra não diferem entre si.

Com o intuito de avaliar o efeito da quimioterapia com sulfato de vincristina, analisou-se três momentos do tratamento quimioterápico, considerando todos os animais do experimento (Tabela 2).

Tabela 2. Valores hematológicos considerando todos os cães do Grupo Experimental (Controle e Suplementado) em tratamento com sulfato de vincristina para TVT no início, meio e fim do tratamento no período de novembro de 2008 a abril de 2009. Londrina, 2009.

a,b Letras diferentes na mesma linha representam, diferenças significativas para p<0,005

Notou-se que, durante todo o tratamento, os animais do Grupo Experimental não apresentaram alterações significativas (p>0,05) nos elementos da série vermelha do sangue; na série branca, notou-se diferença significativa (p<0,05) para leucócitos (M/mm3), neutrófilos bastonetes e segmentados ao longo do tratamento.

As análises apresentam resultados diferentes aos da literatura, pois não foi detectado nos animais anemia normocrômica e normocítica (TINUCCI-COSTA, 1994), trombocitopenia (PASSARELLI; DE OLIVEIRA, 2008), leucopenia absoluta, neutropenia absoluta e linfocitose na série branca (CAMACHO; LAUS, 1987; PASSARELLI; DE OLIVEIRA, 2008) devido ao tratamento de TVT com quimioterápico sulfato de vincristina.

Ocorreu queda no número de leucócitos, neutrófilos bastonetes e segmentados, no decorrer do tratamento com sulfato de vincristina nos cães com TVT, mas não representando citopenias para nenhuma das células. Não havendo também anemia e nenhuma outra alteração nas variáveis da série vermelha do sangue.

Os cães do Grupo Experimental obtiveram alta médica veterinária apresentando regressão total da lesão com 6,7 sessões de quimioterapia, em média, sendo que, apesar das análises hematológicas entre os grupos não demonstrarem diferenças estatísticas, nos cães do Grupo Controle a média foi de 7,6 sessões, enquanto que no Grupo Suplementado a média foi de 5,4 sessões, ou seja, uma redução de 29% de sessões quimioterápicas nos animais que receberam o imunoestimulante.

Portanto, nas condições deste estudo pode-se concluir que o Nutralogic mostrou-se eficiente como suplemento nutracêutico para pacientes com TVT em tratamento quimioterápico com sulfato de vincristina, possibilitando menor número de sessões quimioterápicas, com redução da lesão e alta médica mais precoces.

ROGERS, K.S. Transmissible venereal tumor. Comp Contin Educ Pract Vet; 19(9), p. 1036-1045, 1997. AMBALI, A.G.; MOHAMMED, A. Clinic Accessions to Maiduguri Veterinary Teaching Hospital, 1986 to 1990. Journal of Small Animal Practice, v.35, n.6, p.317-319, 1994.
HOQUE, M.; SINGH, G.R.; PAWDE, A. Electrosurgery versus scalpel surgery in canine transmissible venereal tumor. Indian Journal of Veterinary Research, v.4, n.2, p.51-54, 1995.
RODASKI, S.; DE NARDI, A.B.; PIEKARS, C.H., Quimioterapia Antineoplasica. In: DALECK, C.R.; DE NARDI, A.B.; RODASKI, S. Oncologia em Cães e Gatos. São Paulo: Roca, 2009. p.169.
WHITE, R.A. Manual of Small Animal Oncology. British Small Animal Veterinary Association, London, 380 p., 1991.
TINUCCI-COSTA, M. Utilização do fator de transferência dialisave (TFd) e RNA inume na imunoterapia de cães portadores naturais do tumor venéreo transmissível canino (TVT). 1994. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinária da Unesp.
TINUCCI-COSTA, M., Tumor Venéreo Transmissível Canino. In: DALECK, C.R.; DE NARDI, A.B.; RODASKI, S. Oncologia em Cães e Gatos. São Paulo: Roca, 2009. p.539-556.
DALECK, C.R.; FRANCHESCHINI, P.H.; PADILHA FILHO, J.G., et al. Análise histológica de testículos e sêmen de cães submetidos a administração de sulfato de vincristina. Braz J Vet Res Anim Sci; 32(1), p. 51-56, 1995.
CAMACHO, A. A.; LAUS, J. L. Estudos sobre a eficiência da vincristina no tratamento de cães com tumor venéreo transmissível. Ars Veterinária. v. 3, n. 1, p. 37-42, 1987.
PASSARELLI, P.M.; DE OLIVEIRA, S.P. Tumor Venéreo Transmissível (TVT). In: Portal Clinivel – Clínica Veterinária. Disponível em: http://www.clinivel.com.br/?conteudo=artigos&artigo=tvt. Acesso em: 25 mai. 2008 às 21h40min.