A Linha Mypet® no Tratamento da Sarna Sarcóptica e Otodécica

Empresa

Ceva

Data de Publicação

31/12/2000

PDF

Produtos Relacionados

A sarna sarcóptica em cães, também conhecida como escabiose canina, caracteriza-se como uma dermatopatia parasitária extremamente pruriginosa em decorrência da presença do ácaro nas camadas mais externas da pele. Os animais acometidos apresentam eritema cutâneo, áreas alopécicas e crostosa na pele, sendo frequente a presença de lesões cutâneas por autotraumatismo desencadeado pelo prurido intenso.

As áreas de pele mais afetadas no início da afecção são a extremidade das orelhas, o contorno dos olhos, os cotovelos ou calcanhares, o abdome ventral e o pescoço. Com a progressão da doença, as lesões podem coalescer e se disseminar por toda a pele do animal, levando a uma deterioração do estado geral do indivíduo.

CONTÁGIO

Trata-se de uma doença altamente contagiosa entre os cães, podendo também afetar os seres humanos e, raramente, os gatos. A transmissão ocorre por meio do contato direto com animais parasitados ou por fômites (roupas e objetos). Pelo seu potencial de contágio, deve-se evitar o contato entre cães doentes e saudáveis.

DIAGNÓSTICO

Histórico clínico: dermatopatia pruriginosa, contagiosa e não sazonal, principalmente em animais jovens;

Exame físico: localização típica e aspecto das lesões cutâneas;

Visualização microscópica do ácaro em amostras obtidas por raspado ou biópsia cutânea;

Diagnóstico terapêutico: resolução do quadro em resposta à terapia acaricida.

TRATAMENTO

Além da administração de fármacos visando o alívio da irritação cutânea e a infecção secundária da pele, o tratamento inclui o emprego de substâncias acaricidas adulticidas com prolongado poder residual (Smith, 1995). A associação do piretroide d-fenotrina e o IGR (análogo do hormônio juvenil de insetos) piriproxifen, presentes no Mypet® Spray e Mypet® Strip-On, são formulações de uso veterinário para cães e gatos que se enquadram dentro desta concepção moderna de controle de ectoparasitos.

Todos os cães que tenham tido contato com um animal parasitado devem ser submetidos ao tratamento tópico. A limpeza e desinfecção do meio ambiente (canil, objetos, tapetes, roupas) são fundamentais para evitar a reinfestação dos animais. Para avaliação da e cácia do produto Mypet® Spray no tratamento de cães com escabiose foram estudados sete animais, machos e fêmeas, de diferentes raças e idades, diagnosticados com escabiose por Sarcoptes scabiei, por meio do exame parasitológico do raspado cutâneo. Os cães foram tratados com Mypet® Spray - 4 jatos/ kg de peso vivo, correspondendo à dosagem de 17,6 mg/kg, nos dias 0, +15, +30 e +45, totalizando quatro aplicações para cada cão (Tabela 1). Os animais foram avaliados quinzenalmente durante 60 dias após o primeiro tratamento por meio do raspado de pele das mesmas áreas onde o ácaro fora inicialmente identificado.

TABELA 1 - Presença do ácaro Sarcoptes scabiei no exame parasitológico de raspado de pele dos cães nos quais foi aplicado Mypet® Spray, antes e depois do tratamento.

Dos sete cães avaliados antes do início do estudo, seis apresentavam infestações graves e uma moderada. Na primeira avaliação clínica, 15 dias após o primeiro tratamento, observou-se melhora do quadro clínico em todos os animais tratados. Nas observações no 45o e 60o dias pós-tratamento, seis cães apresentaram resolução total das lesões. Um animal veio a óbito por hemoparasitose e cinomose seis dias após a aplicação do produto (Tabela 2). Na primeira avaliação parasitológica do raspado cutâneo, quinze dias após a aplicação do produto, já não se observou a presença do ácaro em 100% dos animais tratados.

Vale ressaltar que nenhum dos cães recebeu qualquer outro tipo de tratamento, como antibioticoterapia, anti-histamínicos ou loções antisseborreicas.

TABELA 2 - Classificação das lesões presentes no corpo dos animais no dia do diagnóstico da infestação e antes do tratamento, e o resultado da avaliação clínica do protocolo terapêutico em cada dia de tratamento.
*Cadela apresentou infecção por Ehrlichia canis e Babesia spp. e sintomatologia clínica compatível com cinomose, seis dias após a primeira aplicação.

Sarna otodécica

A sarna otodécica é uma dermatopatia parasitária causada pelo ácaro Otodectes cynotis, que habita o conduto auditivo de várias espécies de animais, principalmente cães e gatos. Os principais sintomas decorrentes da infestação são pruridos auriculares e meneios cefálicos intensos, podendo evoluir para complicações secundárias, como otohematoma, ou mesmo quadros neurológicos em animais que desenvolvem infecção bacteriana secundária no conduto auditivo com perfuração de tímpano e meningite. Animais acometidos desenvolvem frequentemente otite ceruminosa concomitante, em decorrência do aumento da produção do cerúmen em resposta ao quadro inflamatório/infeccioso desencadeado pelo ácaro. As otites externas podem ser agravadas pela proliferação de micro-organismos como bactérias e leveduras.

CONTÁGIO

A transmissão se dá por meio do contato direto entre animais doentes e sadios; por este motivo é importante manter o animal acometido isolado do restante dos animais até que esteja devidamente tratado ou curado, além de se recomendar a higienização de seus objetos (casinha, cama e cobertores) e do ambiente, para evitar a disseminação do agente para outros animais.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico se baseia nas alterações clínicas e comportamentais (meneios cefálicos, prurido auricular intenso, presença de cerúmen enegrecido etc.) e na identificação de ácaros no cerúmen (por análise microscópica).

Tratamento

Além da administração de produtos que contenham antibióticos e antifúngicos para aqueles animais que apresentarem infecção secundária (otite ceruminosa bacteriana ou fúngica), o tratamento inclui a limpeza do conduto auditivo para remoção de cerúmen e a aplicação de produtos acaricidas tópicos, de preferência com efeito residual prolongado. Vale ressaltar, mais uma vez, a importância do isolamento do animal durante o tratamento e do cuidado com a higiene do ambiente e de seus objetos pessoais. Um estudo foi conduzido para se avaliar a e cácia do parasiticida Mypet® Spray e Mypet® Strip- On no tratamento da sarna otodécica em cães, e para tanto, utilizaram-se 18 cães da raça beagle, machos e fêmeas, de idades e pesos variados. Todos os cães estudados apresentavam infestação natural pelo ácaro Otodectes cynotis e foram divididos em três grupos.

Grupo A: seis cães tratados com o produto Mypet® Spray em todo o corpo (dose de quatro jatos/kg), inclusive com a administração de um jato em cada conduto auditivo.

Grupo B: seis cães tratados com Mypet® Strip- On na dose de quatro gotas/conduto auditivo.

Grupo C: seis cães que não foram tratados com qualquer medicamento (foram mantidos como testemunhas).

Os três grupos foram mantidos em canis separados e foram examinados por meio de otoscopia nos dias +1, +6, +12, +19 e +26 após o tratamento.

Em ambos os grupos tratados com MyPet® Spray ou MyPet® Strip-on, observou-se 100% de eficácia na eliminação dos parasitos já na primeira avaliação após o tratamento (Dia + 1), conforme demonstrado na Tabela 3.

TABELA 3 - Presença do ácaro Otodectes cynotis nos ouvidos direito e esquerdo dos cães pertencentes ao grupo no qual foi aplicado Mypet® Strip-On, antes e depois do tratamento.
OD = Ouvido direito | OE = Ouvido esquerdo

Conclui-se que a associação entre um princípio com atividade adulticida, como o piretroide d-fenotrina, e um ativo IGR, como o piriproxifen, presentes nos produtos Mypet® Spray e Mypet® Strip-On, constitui- se um método eficaz e seguro no controle dos ácaros Sarcoptes scabiei e Otodectes cynotis, agentes causadores das sarnas sarcóptica e otodécica em cães.