A Claudicação no Cão Obeso

Empresa

Royal Canin

Data de Publicação

28/02/2016

PDF

Vinicius Gonzalez Peres Albernaz
Médico Veterinário Residente
Cirurgia de Pequenos Animais
FMVZ - UNESP - Campus Botucatu

A obesidade é definida como o peso corpóreo 20% maior que o considerado ideal. É conhecida atualmente como o distúrbio nutricional mais comum em cães, acometendo de 25-50% dos animais, em um processo progressivo e continuo semelhante a epidemia de obesidade em humanos. Diversos problemas de saúde são causados ou complicados pela obesidade, como doenças pulmonares e cardiovasculares, pancreatite, complicações relacionadas a anestesia, a inflamação crônica e a obesidade. Quando levada ao extremo, diminui a qualidade e a expectativa de vida.

Estima-se que osteoartrite acometa cerca de 20% dos cães acima de um ano de idade. Caracteriza-se por dor e sensibilidade articular, limitação de movimento, crepitação, efusão e inflamação local. A obesidade é fator de risco para o desenvolvimento de osteoartrite em cães e humanos, envolvendo fatores mecânicos, metabólicos e bioquímicos. O excesso de peso, aumenta o estresse mecânico sobre as articulações de suporte e o estresse cíclico excessivo, contribui para a degradação da cartilagem articular e remodelamento do osso subcondral. Entre as alterações mecânicas do aumento do peso corpóreo capaz de iniciar e evoluir para osteoartrite estão as mudanças cinemáticas, como alterações no suporte de peso para áreas incapazes de sustentar grandes cargas.

No quesito bioquímico, há estreita relação entre a obesidade e o status inflamatório sistêmico, que juntamente com a leptina, um hormônio secretado principalmente por adipócitos, desempenham papel importante na patogênese da osteoartrite, modulando a função de condrócitos, contribuindo para a formação de osteófitos por meio do aumento da expressão de matriz metaloproteinase e agrecanases reduzindo a funcionalidade de colágeno e proteoglicanos. De forma semelhante, estimula a liberação de mediadores inflamatórios responsáveis pela ocorrência de doenças relacionadas a inflamação na obesidade, como a osteoartrite. Desta forma, limitar a ingestão de alimentos ao mínimo necessário para manter o peso ideal em cães susceptíveis durante a fase de crescimento e nos adultos jovens reduz a severidade dos sinais de osteoartrite, diminui o acometimento de múltiplas articulações e atrasa a necessidade de tratamento.

A ingestão adequada de alimentos reduz a incidência de displasia coxofemoral. A causa deste efeito é desconhecida, mas parece não se limitar somente ao baixo peso corpóreo, mas também pela menor taxa de crescimento em animais jovens. Alguns autores arriscam afirmar que a dieta restritiva é uma alteração do tipo ambiental que melhora o fenótipo de animais genotipicamente predispostos à displasia coxofemoral. As mesmas considerações parecem ser verdadeiras para a osteoartrite de múltiplas articulações, com a maior incidência e severidade de osteoartrite de cotovelo e ombro. Além disto favorece o surgimento de fraturas do côndilo umeral, ruptura do ligamento cruzado cranial do joelho e a doença do disco intervertebral. De forma geral, manter o peso ideal de cães retarda a necessidade de tratamento para osteoartrite, adia a necessidade de eutanásia por doenças crônicas e até mesmo retarda a morte natural por causas não relacionadas a osteoartrite.

Indo além de um dos principais predisponentes para o desenvolvimento de osteoartrite articular, pacientes com esta afecção podem desenvolver sobrepeso e obesidade após apresentar os sinais clínicos. Este fenômeno ocorre devido ao ciclo causa-efeito-causa em que a redução da atividade física devido às injurias articulares e à dor reduz o gasto energético em animais que não se exercitam normalmente, levando ao ganho de peso excessivo. O ganho de peso que ocorre após o desenvolvimento da doença piora os sinais clínicos e a aparência radiográfica das lesões.

A redução do peso corpóreo maior que 6% no cão obeso significativamente diminui os sinais clínicos de claudicação e melhora a mobilidade. Mesmo isoladamente a redução de peso pode resultar em melhora substancial dos sinais clínicos a curto e longo prazo. Independente do ganho de peso e sobrecarga mecânica, a própria ingestão de alimentos ricos em gordura isoladamente predispõe ao surgimento de osteoartrite e ao agravamento dos sinais clínicos.

A perda de peso deve sempre ser considerada como modalidade terapêutica em cães com claudicação e intolerância ao exercício causada por osteoartrite, especialmente objetivando redução de 6-9% do peso corpóreo. Evitar o ganho de peso excessivo e a redução da massa corpórea por si só melhora a qualidade de vida de animais com claudicação de origem osteoarticular. A prescrição de exercícios leves, melhoria da dieta e a ingestão de ácidos graxos insaturados como ômega 3 apresentam efeito antiinflamatório. A ingestão de alimentos coadjuvantes especialmente formulados para melhorar os sinais de artrite beneficia a maioria dos cães com sobrepeso. Assim que o nível de atividade física aumenta, o paciente deve ser reavaliado quanto ao início de um programa de restrição calórica. Apesar dos recentes avanços na terapêutica da obesidade em cães e a melhora progressiva na qualidade dos alimentos comerciais, a prevenção ainda é a melhor forma de tratamento.

Encontre esse e mais conteúdos em http://portalvet.royalcanin.com.br

1. German, A.J. Holden, S.L.; Wiseman-Orr, M.L.; Reid, J.; Nolan, A.M.; Biourge, V.; Morris, P.J.; Scott, E.M.; Quality of life is reduced in obese dogs but improves after successful weight loss. The Veterinary Journal. 2012; 192(3):428-434.
2. German, A.J.; Holden, S.L.; Morris, V.; Biourge, V.; Long-term follow-up after weight management in obese dogs: The role of diet in preventing regain. The Veterinary Journal. 2012; 192(1):65-70.
3. German, A.J.; The growing problem of obesity in dogs and cats. The Journal of Nutrition. 2006; 136(7 Suppl):1940S-1946S.
4. Guimarães, A.L.N.; Tudury, E.A.; Etiologias, consequências e tratamento de obesidades em cães e gatos – revisão. Veterinária Noticias. 2006; 12(1):29-41.
5. Impellizeri, J.A.; Tetrick, M.A.; Muir, P.; Effect of weight reduction on clinical signs of lameness in dogs with hip osteoarthritis. Journal of American Veterinary Medical Association. 2000; 216(7):1089-1091.
6. Marshal, W.; Bockstahler, B.A.; Hulse, D.; Carmichael, S.; A review of osteoarthritis and obesity: current understanding of the relationship and benefit of obesity treatment and prevention in the dog. Veterinary and Comparative Orthopaedics and Traumatology. 2009; 22(5):339-345.
7. Marshal, W.G.; Hazewinkel, H.A.; Mullen, D.; De Meyer, G.; Baert, K., Carmichael, S.; The effect of weight loss on lameness in obese dogs with osteoarthritis. Veterinary Research Communications. 2010; 34(3):241-253.
8. Sanderson, S.L.; The epidemic of canine obesity and its role in osteoarthritis. Israel Journal of Veterinary Medicine. 2012; 67(4):195-202.