Vanguard® Shot (Ano 1, nº 05) - Os principais tipos de vacina

Empresa

Zoetis

Data de Publicação

15/01/2018

PDF

Produtos Relacionados

As vacinas são produtos biológicos que objetivam desencadear uma resposta imune protetora nas espécies-alvo contra microrganismos patogênicos tais como vírus, bactérias, fungos e protozoários. Sua aplicação deve ser feita em animais clinicamente saudáveis a partir da idade mínima em que ela se mostra segura, o que em geral é especificado nas bulas dos produtos. As vacinas são classificadas em 2 grandes grupos, vivas ou mortas, conforme o microrganismo vacinal ou seus fragmentos.

As vacinas vivas (ou “infecciosas”) possuem microrganismos vivos com capacidade de infectar as células dos hospedeiros. O principal tipo de vacina viva é aquela que possui microrganismos inteiros em sua formulação. Eles passam por um rigoroso processo de atenuação, ao fim do qual são capazes de infectar as células e multiplicar-se no organismo, mas sem causar doença clínica. Por isso, diz-se que tais vacinas são vivas modificadas ou atenuadas.

Vacinas vivas motivam uma resposta imune de forma similar às infecções naturais, uma vez que se replicam no organismo. Elas têm o potencial de estimular a imunidade celular e uma resposta humoral mais longa em comparação às vacinas mortas. Seu processo de atenuação é específico para uma determinada espécie e faixa etária do animal, por isso a utilização de vacinas vivas em espécies ou idades inferiores às citadas em bula não é recomendada.

Outras formas de vacinas vivas são as que possuem DNA no interior de vetores ou as vacinas com deleção de sequências de DNA. Essas vacinas também são conhecidas como recombinantes. As vacinas vetorizadas contêm fragmentos de DNA do microrganismo responsável por produzir proteínas imunogênicas inseridos em um vetor viral ou bacteriano, como os poxvírus, adenovírus, Escherichia coli e Salmonella typhimurium.

Os vetores, que são vivos, infectam as células do hospedeiro, mas não se replicam. Porém, há a produção de proteínas imunogênicas pelas células infectadas. Nas vacinas com deleção de DNA, removem-se, por técnicas de engenharia genética, sequências de DNA do microrganismo que codificam proteínas responsáveis pela patogenicidade, mantendo-se a capacidade de replicação e imunogenicidade do agente. A Figura 1 ilustra de forma esquemática os tipos de vacinas vivas disponíveis.

Figura 1 – Tipos de vacina viva. Em A, tem-se o vírus vivo selvagem, com todos os seus antígenos e capaz de infectar, multiplicar-se e causar doença clínica. Em B, o vírus vivo modificado ou atenuado, que mantém a capacidade de infectar e se multiplicar, mas sem causar doença clínica. Em C, tem-se uma vacina vetorizada (recombinante), na qual uma sequência específica do DNA é inserida em um vetor, que consegue infectar a célula do hospedeiro e gerar a produção de proteínas imunogênicas.

As vacinas mortas ou “não infecciosas”, como o próprio nome denota, possuem microrganismos mortos inteiros ou seus fragmentos na sua formulação. Também são conhecidas como vacinas inativadas. Como não se observa multiplicação dos agentes dessas vacinas no organismo, comumente é necessária a adição de adjuvantes para melhorar a resposta imunológica, particularmente nas vacinas virais.

Produtos contendo agentes bacterianos, como Leptospira, Bordetella e Borrelia podem não requerer a adição de adjuvantes para funcionar. Em linhas gerais, os adjuvantes alteram a exposição ou liberação dos antígenos e induzem à produção de citocinas, advindo como resultado final uma apresentação desses antígenos ao sistema imune mais eficiente. As vacinas mortas possuem agentes mortos inteiros ou suas subunidades, conforme ilustra a Figura 2.

As subunidades vacinais podem ser obtidas por extração a partir de culturas celulares vivas do agente ou de forma sintética, por meio da introdução de sequências gênicas que codificam as proteínas em bactérias, leveduras ou linhagens celulares contínuas.

Figura 2 – Tipos de vacina morta. Em A e B, têm-se a ilustração dos vírus selvagem e atenuado (ou modificado), respectivamente, para referência. Em C, o vírus morto, que preserva a estrutura antigênica do vírus selvagem, porém com perda da capacidade de replicação. Em D, a vacina de subunidade purificada, em que apenas os antígenos imunogênicos são separados para inserção na vacina. Nas vacinas mortas, o adjuvante pode ser requerido para estimular a resposta imune.

Existem várias diferenças entre as vacinas vivas e mortas. As vacinas vivas, por replicarem-se no organismo, induzem a uma resposta imunológica mais rápida e, em geral, de duração mais longa que as vacinas mortas, sem a necessidade de adjuvantes. Além disso, a imunidade tende a ser mais completa, em vista da estimulação de respostas celulares.

Em um animal sem a presença de anticorpos maternos (geralmente com mais de 16 semanas), uma única dose de vacina viva é suficiente para imunizar o animal, ao passo que duas doses de vacina morta são requeridas para isso. A exceção é a vacina antirrábica, capaz de imunizar com dose única. Vacinas vivas são menos estáveis que as vacinas mortas; por essa razão, costumam ser liofilizadas. As vacinas mortas podem ser estáveis sob a forma líquida.

Por outro lado, as vacinas mortas são consideradas mais seguras, uma vez que não existe qualquer risco de multiplicação dos agentes e, assim, o risco de doença clínica é nulo. As vacinas vivas atuais passam por processos de atenuação extremamente e cientes, advindo enorme segurança.

Desde que utilizadas conforme as recomendações de bula (espécie e idade mínima), a reversão de virulência com as vacinas atenuadas atuais é considerada rara a inexistente. Um resumo das diferenças principais entre as vacinas vivas e mortas é apresentado na Tabela 1.

* Adaptado de AAHA 2011 guideline, Greene 4a ed., 2012, AAFP 2013 guideline

** Raiva é exceção, pois requer apenas 1 dose.

*** Seguir as recomendações de cada produto.

**** As vacinas mortas são consideradas mais seguras se o médico veterinário optar pela utilização, apesar da ausência de indicação em bula. CDV - canine distemper virus (cinomose); CPV - canine parvovirus (parvovirose); CAV-2 - canine adenovirus type 2 (adenovirose respiratória); CPIV - canine parainfluenza virus (parainfluenza); IN - intranasal.

Vale ressaltar que os produtos veterinários comercialmente disponíveis podem conter misturas entre frações vivas e mortas, fato que tem impacto no estabelecimento do protocolo vacinal correto. A Tabela 2 mostra as frações de agentes disponíveis em Vanguard® Plus e Vanguard® HTLP 5 CV-L.

Um exemplo de situação em que conhecer a natureza dos agentes é importante pode ser exemplificado pela migração de Vanguard® HTLP 5 CV-L por Vanguard® Plus no protocolo vacinal. Se um animal vem recebendo ao longo dos anos Vanguard® HTLP 5 CV-L (que contém os sorovares Canicola e Icterohaemorrhagiae de Leptospira) e quer-se mudar para Vanguard® Plus (com Canicola, Icterohaemorrhagiae, Pomona e Grippotyphosa), devem ser feitas 2 doses de Vanguard® Plus para proteger contra os sorovares Pomona e Grippotyphosa, que são agentes mortos.

Da mesma forma, em teoria, uma única dose de Vanguard® Plus seria capaz de imunizar contra parvovirose, cinomose e hepatite infecciosa canina um cão com mais de 16 semanas de vida sem anticorpos maternos, pois os vírus vacinais que protegem contra essas doenças são vivos atenuados. No entanto, ressalte-se que, a fim de assegurar a eficácia plena das vacinas, orienta-se a seguir rigorosamente as recomendações de bula dos produtos.

* CPV – canine parvovirus; CDV – canine distemper virus; CAV-2 – canine adenovirus type 2; CPIV – canine parain uenza virus; CCoV – canine coronavirus.

** O CAV-2 confere proteção cruzada contra a hepatite infecciosa canina causada pelo CAV-1.

Pontos-chave:

As barreiras físicas e a imunidade inata são partes importantes do sistema imune e conferem proteção elevada contra agentes invasores potenciais.

Existe um escalonamento temporal da resposta imune, sendo, em ordem de rapidez de efeito, as barreiras físicas, a imunidade inata e a imunidade adaptativa.

A resposta imune inata é inespecífica e sem a capacidade de gerar memória imunológica, ao contrário da imunidade adaptativa, que é antígeno-específica e capaz de desencadear memória.

Vacinas em geral desencadeiam mecanismos de imunidade adaptativa, seja mediada por células, anticorpos ou ambos.

O tipo de resposta protetora que uma vacina produz depende das características do agente contra o qual se quer proteger e da capacidade de a vacina induzir o tipo de resposta adequada para prevenir a doença por esse agente.

Nas infecções virais, os anticorpos neutralizantes sistêmicos são o principal mecanismo de proteção gerado pelas vacinas.

Vanguard® com você

Vanguard® e Vanguard® HTLP são vacinas polivalentes que protegem contra várias doenças infecciosas relevantes em cães. Os vírus da cinomose, parvovirose, hepatite infecciosa canina (que protege de forma cruzada contra o adenovírus respiratório) e parainfluenza são agentes vivos atenuados, ao passo que o coronavírus entérico e as bacterinas de Leptospira são agentes mortos. Esse conhecimento permite ajustar o protocolo vacinal conforme as enfermidades que se deseja prevenir.