Vanguard® Shot (Ano 2, nº 09) - Cuidados na aplicação de vacinas

Empresa

Zoetis

Data de Publicação

15/01/2018

PDF

Produtos Relacionados

Vacinações estão entre os procedimentos mais comuns na clínica veterinária de animais de companhia. Apesar de rotineiro, o ato de aplicar uma vacina requer que se atente a alguns cuidados básicos para proporcionar ao paciente maior chance de imunização e redução de efeitos adversos. Os principais pontos de atenção são descritos resumidamente a seguir.

1) Conservação: temperaturas de 2 a 8°C são requeridas para manutenção da qualidade. Isso envolve desde a fabricação da vacina até a sua retirada de câmara climatizada ou refrigerador para aplicação (Figura 1). Temperaturas superiores a 8°C podem provocar morte de agentes vivos e desestabilização de antígenos mortos, ou seja, a vacina pode não funcionar.

Temperaturas inferiores a 2°C podem resultar em alterações físico-químicas, como precipitação de adjuvantes e rompimento de bacterinas, resultando em mais reações locais ou sistêmicas às vacinas. Diante de situações envolvendo oscilações de temperatura para mais ou para menos da faixa de conservação, torna-se muito difícil determinar, para cada caso, os possíveis efeitos sobre a qualidade das vacinas.

Por isso, prevalece a orientação conservadora de não utilizar produtos que permaneceram fora da faixa de conservação, ainda que por período curto. Nas vacinações feitas em domicílio, o cuidado com a manutenção de temperatura deve ser reforçado.

Figura 1 – A conservação sob refrigeração, com controle rigoroso de temperatura, passa por todas as etapas da vida útil de uma vacina, desde sua fabricação até o momento de aplicação.

2) Reconstituição: para as vacinas liofilizadas, deve-se utilizar apenas o diluente fornecido pelo fabricante. Isso porque muitos diluentes contêm antígenos e, ainda, a reconstituição com diluentes diferentes pode provocar inativação de antígenos liofilizados. As vacinas devem ser retiradas da refrigeração apenas no momento de aplicação e injetadas no animal pela via indicada em bula imediatamente após a reconstituição e/ou preparo em seringa.

Alguns guias de vacinação internacionais estabelecem que as vacinas devem ser aplicadas no máximo em 11 ou 1-2 horas após o preparo, mas nem sempre essa informação é embasada em estudos de estabilidade conduzidos pelas empresas. Igualmente, vacinas que permaneceram fora de refrigeração por qualquer período não devem ser refrigeradas novamente.

3) Volume de aplicação: o volume a ser aplicado é fixo por animal, independentemente do seu porte. Assim, cães de raças pequenas podem não ser imunizados com metade do volume de um produto. Da mesma forma, raças de grande porte não requerem volumes maiores para serem estimuladas adequadamente.

É importante salientar que a mistura entre vacinas diferentes, ainda que envolva apenas a reconstituição do liofilizado de certa vacina com o diluente de outra, é totalmente desencorajada. Existe o risco de interferência de uma vacina com a outra, advindo falta de eficácia ou efeitos adversos indesejáveis.

4) Via de aplicação: cada vacina pede que seja empregada em âmbito clínico a via de aplicação utilizada nos estudos de eficácia e segurança conduzidos. Parece óbvio, por exemplo, que uma vacina intranasal não deva ser aplicada pela via subcutânea, e vice-versa. Porém, em outras situações, pode parecer aceitável aplicar uma vacina subcutânea pela via intramuscular (ou o contrário), o que não é correto de forma alguma.

5) Local de aplicação: é bastante corriqueira a aplicação de mais de uma vacina por visita ao veterinário, algo que também ocorre com frequência em medicina humana. Um cuidado a ser tomado refere-se à divisão dos locais de aplicação de vacinas, em particular aquelas feitas por via subcutânea. Cada área da pele é drenada por um linfonodo periférico, e os antígenos vacinais são levadas para cada um desses linfonodos por células apresentadoras de antígeno específicas.

Variar o local de aplicação facilita esse processo de apresentação, evitando que todos os antígenos de diferentes vacinas migrem para o mesmo linfonodo. Além disso, o distanciamento entre os locais de aplicação concorre para uma menor chance de interação local, minimizando a possibilidade de efeitos adversos no ponto de aplicação.

A Figura 2 mostra as áreas de drenagem dos principais linfonodos periféricos no cão. Verifica-se que cada linfonodo periférico é responsável por drenar certa região de um dos lados do corpo.

Em termos práticos, se for preciso aplicar, por exemplo, 2 vacinas, deve-se injetar uma em cada lado do corpo (faces laterais do abdômen esquerda e direita ou faces laterais do tórax esquerda e direita) ou, alternativamente, do mesmo lado (faces laterais do tórax e do abdômen esquerdas ou faces laterais do tórax e do abdômen direitas).

Figura 2A: Linfonodos periféricos e suas áreas de drenagem no cão (Fonte: Wikivet - http://en.wikivet.net/Lymph Nodes - Anatomy), acesso em fevereiro de 2015. B: Visão sagital mediana das principais estruturas linfáticas do cão (Adaptado de Aspinall V, O’Reilly M. Lymphatic vessels and lymph nodes in the dog. Introduction to Veterinary Anatomy and Physiology, Butterworth Heinemann, 2004).

6) Antissepsia: a limpeza da pele previamente à aplicação da vacina constitui medida para prevenir o carreamento de microrganismos, em particular bactérias, para o tecido subcutâneo, evitando a formação de abscessos no ponto de injeção. Nesse sentido, a antissepsia auxilia na remoção de sujidades tais como terra, pó e debris celulares (limpeza mecânica), bem como microrganismos em si (limpeza “biológica”).

Curiosamente, alguns guias de vacinação internacionais não recomendam a utilização de desinfetantes, pois alegam que pode haver inativação de agentes vacinais vivos (por álcool, por exemplo), além do fato de não se ter provado benefício da desinfecção local em prevenir contaminação. Possivelmente, a quantidade de desinfetante colocada no ponto de injeção pode ter relevância.

Algodões extremamente encharcados ou a colocação dos desinfetantes sobre a pele com a utilização de almotolias parecem favorecer um efeito negativo. Por outro lado, pequenas quantidades de desinfetante friccionadas sobre a pele, em particular o álcool que se evapora rapidamente, não aparentam ter o mesmo impacto. Neste contexto, cabe ao médico veterinário, com base em sua experiência clínica, decidir sobre a utilização ou a forma de fazer antissepsia em suas vacinações de rotina.

7) Técnica de aplicação: para alguns animais, o momento de aplicação da vacina pode ser mais traumático pela situação de desconforto no consultório que pela eventual dor causada pela inserção da agulha ou injeção do líquido. Sendo assim, proporcionar tranquilidade para o paciente (o que muitas vezes passa por tranquilizar o dono do animal também), é fundamental.

O animal deve permanecer em posição tal que ele não se mova demasiadamente durante a aplicação, prevenindo desvios da agulha indesejados abaixo da pele e dor. Cães de pequeno porte podem ser mantidos entre os braços de seus donos, posição em que é possível exposição adequada da pele com conforto.

Animais de porte grande podem ficar mais calmos no chão que sobre a mesa. Técnicas para distrair o paciente ou impedi-lo de ver o veterinário aplicando a vacina também podem funcionar.

Nas aplicações intramusculares, em especial na face caudal dos membros pélvicos, deve-se ter cautela para evitar injeções muito profundas que comprometam a inervação local – muitos animais podem claudicar por dias ou semanas após uma aplicação mal feita. Nas aplicações subcutâneas, a profundidade da agulha é importante. A formação de um pequeno nódulo enrijecido imediatamente após a aplicação indica que a injeção foi intradérmica, e não subcutânea (Figura 3).

Figura 3 – Diagrama da estrutura da pele normal do cão. O círculo azul corresponde ao local correto de uma injeção subcutânea (abaixo da pele ou na região hipodérmica). O círculo vermelho indica uma aplicação intradérmica, que pode ser identificada por um pequeno nódulo bem definido após a injeção da vacina.

Pontos-chave:

Vacinações são procedimentos corriqueiros na clínica veterinária, mas nem por isso se deve preterir alguns cuidados de aplicação.

A manutenção entre 2 e 8°C é imprescindível para a garantia da eficácia e segurança vacinais.

As vacinas devem ser aplicadas imediatamente após retirada de refrigeração e preparação em seringa.

A dose, via de aplicação e local de aplicação devem ser obedecidos conforme as instruções de bula.

Quando mais de uma vacina for aplicada no mesmo dia, é recomendável injetar em locais diferentes, tendo por base a drenagem linfática de cada área.

Vanguard® com você

As vacinas da linha Vanguard®, conhecidas por suas elevadas e cácia e segurança, também dependem do seguimento à risca das recomendações de bula, com atenção a alguns cuidados básicos de aplicação.