Lhasa Apso - Guia Técnico

Empresa

Total Alimentos - Equilíbrio

Data de Publicação

31/01/2019

PDF

Produtos Relacionados

O Lhasa Apso faz sucesso por ser um ótimo cão de companhia. Destaca-se pelo seu comportamento carinhoso e pelo seu porte, sendo uma raça excelente para viver dentro de casa.

História da Raça

O Lhasa Apso é originário da Ásia, mais precisamente do Tibete. Foi formado através do cruzamento do Terrier tibetano com o Spaniel tibetano. Por viver em altitudes elevadas, foi desenvolvido com pelo longo e subpelo denso, que serviam como isolantes térmicos durante o inverno. As franjas compridas faziam a proteção aos olhos, e evitavam a entrada de poeira, vento e luminosidade.

Eram criados e mantidos nos palácios e nos mosteiros com a função de guarda e de companhia. Acreditavase na época de seu surgimento, que eles traziam sorte e possuíam poderes espirituais. Uma das crenças era na reencarnação dos monges na forma de cão. Assim, quando morriam, voltavam para a vida terrena como um guardião do templo. Essa doutrina era tão expressiva que os cães dessa raça eram mantidos isolados nos mosteiros aos cuidados do Dalai Lama.

A única forma de adquirir um Lhasa era através de uma doação do próprio Dalai Lama. O líder religioso apresentou a raça para diplomatas estrangeiros, que começaram a distribuir os animais ao redor do mundo, aumentando a sua popularidade.

O primeiro par de Lhasa Apso que saiu do Tibete chegou primeiramente na Europa (Grã-Bretanha), via Índia, no ano de 1920. Posteriormente, foram levados até os Estados Unidos. O Lhasa Apso tornou-se uma das primeiras raças a ser utilizada como cão de companhia. Atualmente é utilizado apenas com essa finalidade por ser simpático e por viver bem em ambientes internos, como em apartamentos.

Padrão da Raça

  • Porte: pequeno
  • Tamanho: até 25 cm
  • Peso esperado para o adulto: 6kg a 7kg
  • Longevidade: 15 a 18 anos
  • Pelagem: longa, reta, lisa e solta. Diversas cores, entre elas dourado, branco e cinza
  • Temperamento: Carinhoso, brincalhão, independente, teimoso, alerta, fiel, inteligente e desconfiado com pessoas estranhas.
  • Nível De Atividade: De baixo a moderado. Necessita de poucos passeios e atividades. Seu nível de atividade pode ser adaptado ao do dono. 
  • Aptidão Da Raça: Companhia.

Nutrientes para o Crescimento

A fase de crescimento de um cão de raça pequena é diferente dos cães de porte médio e grande. O Lhasa Apso tem um crescimento curto e intenso, sendo que aos 6 meses de idade ele já está bem próximo ao seu tamanho adulto. O desenvolvimento ósseo e muscular do Lhasa Apso requer um excelente aporte de proteínas, vitaminas e minerais. Esse aporte deve ser fornecido através de um alimento de alta digestibilidade.

EQUILÍBRIO Raças Especícas CONTÉM

Proteínas - Frango: Proteínas de alta qualidade, com frango como fonte principal de proteína animal. Partículas com carne de frango liofilizadas que oferecem além do sabor extra, proteínas com a qualidade de um alimento fresco.

Vitaminas e Ingredientes Funcionais: Ótimos níveis de vitaminas e minerais, além de ingredientes funcionais que contribuem com o crescimento saudável do filhote.

Minerais Quelatados para Melhor Absorção: 

  • Zinco;
  • Selênio;
  • Manganês.

Desenvolvimento Cognitivo em Filhotes

O desenvolvimento neurológico de cães em crescimento é influenciado pela genética, pelo ambiente e pela nutrição. Em relação à nutrição, o DHA é considerado um nutriente fundamental nesta fase da vida. O DHA é um ácido graxo essencial do tipo Ômega 3, importante para o desenvolvimento sensorial, perceptivo e cognitivo durante o crescimento cerebral dos cães.

Dietas enriquecidas com DHA para cadelas em gestação e lactação e para os seus filhotes está relacionado com a melhoria do desenvolvimento neurológico durante o crescimento do cão.

As primeiras unidades funcionais dos circuitos cerebrais são feitas através das membranas neuronais. A presença do DHA nas membranas neuronais regula a expressão gênica, media a sinalização celular, melhora a base elétrica para a formação da memória e aumenta a capacidade de aprendizado de cães jovens. Na natureza, a fonte primária de DHA é o leite materno, e a inclusão desse nutriente na dieta visa manter o aporte após o final da lactação, maximizando assim seus efeitos benéficos.

Neurônio saudável: transmissão do impulso nervoso ocorre 

Saúde da Pele e Pelagem

A pele é constituída de 3 camadas, sendo da mais profunda a mais superficial:

Hipoderme

É a camada mais profunda, e encontra-se entre a derme e o músculo adjacente. É constituída por tecido conjuntivo frouxo e por tecido adiposo. Possui funções como isolamento térmico e proteção contra traumas.

Derme

Formada por tecido conjuntivo, pelos elementos celulares dérmicos e apêndices epidérmicos, suportando as glândulas e os folículos pilosos. É composta de fibras colágenas, vasos sanguíneos e linfáticos, nervos e músculos.

Epiderme

É a camada externa da pele, responsável por proteger o organismo da entrada de patógenos. Possui 2 ou 3 camadas de células nucleadas, mas pode atingir até 10 camadas em determinados locais. É constituída por um epitélio com renovação contínua, com quatro tipos celulares: queratinócitos, melanócitos, células de Langerhans e células de Merkel. Os queratinócitos migram constantemente para formar os diferentes estratos epidérmicos. A renovação celular ocorre a cada 20 dias.

A espessura da pele

A espessura da pele dos cães varia de acordo com o local, mas em geral é menor que a da pele humana. A pele do dorso, pescoço, cabeça, glúteo e base da cauda é mais grossa que no abdômen, nos pavilhões auriculares e nas regiões axilar, inguinal e perianal. A pele dos coxins e a do plano nasal são as mais espessas.

Características da raça

O Lhasa Apso apresenta uma pelagem que atinge um grande comprimento, necessitando de tosa regular para não prejudicar o bem-estar do cão. Seu pelo é fino e denso, com presença de subpelo médio. A escovação diária é recomendada, a fim de manter os pelos sem nós e a sua sensível pele protegida. A raça é predisposta a problemas dermatológicos, principalmente à dermatite atópica.

Ingredientes para Saúde da Pele e Pelagem

Ômega 3

A qualidade da pelagem é usada como indicador do estado nutricional. A deficiência dietética de ácidos graxos essenciais resulta em pelagem emaranhada e sem brilho. Os ácidos graxos Ômega 3, quando presentes na pele, aumentam a coesão celular, garantem a fluidez da membrana epidérmica e ajudam a manter a permeabilidade da barreira cutânea, conferindo uma barreira hídrica eficaz à epiderme, evitando o ressecamento.

Estudos mostram uma melhora significativa na qualidade da pelagem dos cães alimentados com dietas ricas em ácidos graxos essenciais, principalmente Ômega 3. Estes proporcionam brilho, maciez e pelos íntegros.

Zinco Quelatado

Mineral essencial para saúde da pele e do pelo, pois está envolvido na síntese de colágeno e queratina. Deficiências de Zinco levam a graves problemas de pele. Os níveis de Zinco da dieta devem ser rigorosamente equilibrados para que os efeitos benéficos sejam atingidos. Por isso, Equilíbrio utiliza Zinco quelatado em sua forma, a fim de otimizar a absorção intestinal.

Os minerais quelatados são ligados às moléculas orgânicas, facilitando sua absorção e aumentando sua biodisponibilidade. Estudos demostram que dietas contendo Zinco quelatado resultam em maior crescimento de pelos e maior concentração desse mineral na pele e na pelagem ao comparar com dietas com Zinco não quelatado.

Saúde da Pele e Pelagem

Dermatitetrofoalérgica

A Dermatite Trofoalérgica, também chamada de alergia ou hipersensibilidade alimentar, é uma doença pruriginosa desencadeada por uma resposta imunológica à alérgenos alimentares - geralmente glicoproteínas – resistentes ao cozimento, acidez estomacal e às enzimas proteolíticas. O comprometimento da mucosa intestinal e a tolerância individual do cão aos alérgenos são os fatores de risco da doença.

Fisiopatogenia

A maior parte das alergias alimentares são de hipersensibilidade do tipo I (imediata), mas as do tipo III (imunocomplexos) e IV (tardia) também podem estar presentes.

Quando as moléculas dos alimentos são absorvidas pela mucosa intestinal, ficam expostas às células do sistema imune local. Os plasmócitos reconhecem essas moléculas como antígenos e estimulam a produção de anticorpos IgE específicos.

Esses anticorpos ligam-se aos mastócitos da mucosa intestinal e aos basófilos circulantes (em um segundo momento). Vale lembrar que esses anticorpos também circulam livremente na corrente sanguínea. As moléculas de IgE livres podem ser capturadas pelos receptores específicos presentes nos mastócitos da pele, que ficarão assim sensibilizados para esta proteína.

Quando ocorre uma nova exposição ao alérgeno, a proteína ingerida, quando absorvida, irá promover a degranulação dos mastócitos sensibilizados, tanto na mucosa intestinal como na pele. Esse processo causa então a liberação de mediadores inflamatórios como a histamina, entre outros, que promovem prurido e inflamação cutânea.

Diferenciais de EQUILÍBRIO Raças Específicas

Saúde Intestinal

Por questões genéticas e pelas características físicas da raça, como o porte e anatomia do esqueleto, o Golden Retriever tem uma predisposição para o desenvolvimento de problemas articulares. A displasia coxofemoral é o principal deles, seguida de perto pela osteoartrite.

A Barreira Intestinal

Na camada superficial das vilosidades intestinais, são encontrados os enterócitos. São células epiteliais que participam da absorção e formam uma barreira que impede a entrada de agentes patogênicos, toxinas, antígenos e substâncias pró-inflamatórias através de mecanismos de permeabilidade seletiva. 

Os enterócitos identificam e selecionam o que pode e deve ser absorvido. A eficiência dessa barreira depende também das junções (tight junctions), compostas por proteínas que unem os enterócitos, impedindo a passagem de substâncias indesejadas. Além dos enterócitos, diversos componentes atuam na manutenção dessa barreira. 

No lúmen intestinal há a presença da microbiota, compondo a primeira camada de defesa. A função desses microrganismos residentes é de modular a permeabilidade intestinal, aumentar a motilidade do tecido e auxiliar no processo de digestão e absorção dos nutrientes. Os enterócitos identificam e selecionam o que pode e deve ser absorvido. 

A eficiência dessa barreira depende também das junções (tight junctions), compostas por proteínas que unem os enterócitos, impedindo a passagem de substâncias indesejadas. Além disso, eles auxiliam no controle das bactérias patogênicas através da competição pelos sítios de ligação, evitando a colonização e invasão do epitélio pelos agentes infecciosos. 

Microbiota intestinal

A microbiota intestinal é essencial para a proteção geral do organismo dos cães e sua formação acontece desde o momento do nascimento, quando essas bactérias benéficas são introduzidas através da amamentação e tornam-se parte da população residente deste órgão.

Para criar uma microbiota saudável é fundamental uma alimentação adequada que forneça nutrientes que irão estimular a sua proliferação. Por outro lado, quando a dieta está desequilibrada, a tendência é que ocorra a chamada disbiose, um desequilíbrio na população desses microorganismos.

As consequências da disbiose são muitas e interferem na saúde geral do cão, uma vez que afeta diretamente o intestino, órgão fundamental para a nutrição e para o mecanismo de defesa natural do organismo. A consequência mais importante da disbiose é a hiperpermeabilidade da membrana epitelial do intestino.

Essa hiperpermeabilidade é decorrente da lesão da mucosa que quando desprotegida diminui sua ação seletiva, aumentando a probabilidade da entrada de agentes patogênicos na circulação. O processo inflamatório decorrente da disbiose causa um desequilíbrio dos mecanismos fisiológicos do intestino, podendo causar diarreia, gases, má digestão e absorção, além de predispor a uma série de doenças metabólicas e alérgicas.

Presença de Fibras Funcionais

As fibras funcionais são prebióticos resistentes aos processos de digestão, sendo fermentadas seletivamente por bactérias benéficas no intestino. O consumo de prebióticos modula a microbiota intestinal.

Inulina

É um Frutooligossacarídeo (FOS) - naturalmente presente em alguns vegetais, e abundante na raiz de chicória e na alcachofra.

Mananoligossacarídeos (MOS)

São fibras de fermentação moderada oriundas da parede das leveduras Saccharomyces cerevisiae.

Polpa de Beterraba

É considerada uma excelente fonte de fibra para os cães devido à combinação de fibras solúveis (prebióticas) e insolúveis.

Benefícios

  • Modulam a velocidade da absorção dos carboidratos, contribuindo para regulação dos níveis de glicose no sangue;
  • Protegem a integridade da superfície intestinal;
  • Ligam-se a toxinas facilitando a sua eliminação;
  • Estimulam o crescimento da microbiota benéfica (Lactobacillus spp. e Bifidobacterium spp.) e, consequentemente, ajudam a reduzir a carga bacteriana possivelmente patogênica (Clostridium perfringens e Escherichia coli)
  • O produto de sua fermentação permite a produção de ácidos graxos de cadeia curta. Esses componentes participam das funções intestinais, possuem um papel anti-inflamatório e têm sido relacionados como moduladores do sistema imunológico.

Redução Do Volume Das Fezes

Equilíbrio Raças Específicas Lhasa Apso utiliza somente ingredientes de alta digestibilidade, contribuindo para uma redução do volume de fezes.

Carboidratos De Alta Digestibilidade: Arroz E Mandioca

Arroz e mandioca são as principais fontes de carboidratos utilizadas na formulação de Equilíbrio Lhasa Apso. São fontes ideais de energia não transgênicas, livres de glúten, e que possuem alta digestibilidade para os cães.

Livre de Glúten, Corantes e Conser Vantes Artificiais

O Lhasa Apso é uma das raças mais propensas a problemas digestivos. A ausência de ingredientes artificiais, como corantes e conservantes na formulação, visa evitar o aparecimento de reações ao alimento.

Extrato de Yucca e Zeólita

A associação do extrato da planta Yucca schindigera com o mineral Zeólita potencializa a redução, em mais de 50%, do odor dos excrementos do animal devido a ingredientes ativos que diminuem a formação de amônia resultante do processo fermentativo bacteriano.

No caso do extrato de Yucca, o mesmo age como fonte de fibra alternativa, auxiliando no trânsito intestinal, melhorando a absorção dos nutrientes e contribuindo para o crescimento e atividade de microrganismos benéficos ao intestino.

Saúde Oral

Raças pequenas, como o Lhasa Apso, são mais suscetíveis à problemas dentários.

Doença Periodontal

A doença periodontal consiste na inflamação dos tecidos de proteção e sustentação do dente, conhecidos como periodonto. O periodonto é composto pela gengiva, osso alveolar, cemento e ligamento periodontal. A causa principal para o desenvolvimento dessa doença é o acúmulo crônico da placa bacteriana nos dentes.

Fisiopatogenia

A doença começa a partir da formação de uma placa bacteriana fina, chamada de biofilme, que quando não é removida, forma uma camada endurecida pelo processo de calcificação. Esta calcificação acontece atravéz da precipitação de sais de cálcio e de outros minerais presentes na saliva, que dão origem ao cálculo dentário.

A importância do cálculo na doença periodontal baseia-se na sua capacidade de formar uma superfície áspera, que facilita a retenção de restos alimentares, agravando cada vez mais o problema. Com a progressão do processo há a formação de bolsa periodontal (sulco gengival mais profundo), com acúmulo de placa subgengival, e posterior mineralização sobre a superfície das raízes. Assim, o sulco gengival torna-se propício para a proliferação de bactérias patogênicas. Dessa forma, é fundamental a prevenção da doença.

Consequências

As enzimas e toxinas liberadas por essas bactérias causam inflamação no tecido gengival, promovendo incômodo no cão. Esse processo pode ser revertido se os agentes irritantes forem removidos. Caso contrário, o quadro clínico pode evoluir para uma periodontite, processo inflamatório mais grave que acomete as outras estruturas do periodonto.

Além de complicações locais, os cães com essa afecção correm o risco de apresentar distúrbios sistêmicos. Podem ser acometidos órgãos vitais como, por exemplo, infecção do coração e rins, além de estruturas importantes, como as articulações.

Diferenciais De EQUILÍBRIO Raças Específicas

Formato e Consistência das Partículas

Pensando na anatomia braquicefálica do Lhasa Apso, Equilíbrio tem partículas com formato especial, facilitando a apreensão do alimento pelo cão. Graças a textura e a forma da partícula, a mastigação promove um efeito autolimpante através da abrasão do alimento diretamente no biofilme aderido ao dente. O biofilme é o precursor da formação do cálculo dentário.

Hexametafosfato de Sódio

Os fosfatos são minerais que formam complexos solúveis com o cálcio presente na saliva, auxiliando na prevenção da mineralização da placa e consequente formação do cálculo dentário. Dessa forma, agem em toda a cavidade bucal, inclusive em superfícies não envolvidas na mastigação. O Hexametafosfato de Sódio presente em Equilíbrio Raças Específicas Lhasa Apso é um fosfato comprovadamente eficaz na redução do acúmulo do cálculo.

Saúde Ocular

Os olhos são compostos por diversas estruturas complexas. Entre elas, algumas merecem atenção por estar envolvidas em problemas comuns no Lhasa Apso.

Cristalino

É uma lente transparente localizada atrás da pupila. Sua finalidade é fazer com que os raios de luz sejam focados sobre a retina. A doença mais comum que atinge essa estrutura é a catarata. A catarata é uma opacificação progressiva (parcial ou total) do cristalino, responsável pela alteração na formação da imagem. Sua principal manifestação é a perda da visão.

Retina

É a estrutura responsável pela formação de imagens. Possui capacidade de reter as ondas de luz através de células fotorreceptoras. Em seguida, transmite para o cérebro por meio de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. A disfunção mais frequente é a degeneração progressiva generalizada da retina, que consiste na atrofia e no desaparecimento dos fotorreceptores, podendo deixar o animal cego.

Córnea 

É uma estrutura fibrosa e transparente que compõe a parte mais externa do olho. Sua função é proteger o globo ocular, funcionando como uma barreira para agentes externos e para possíveis traumas. Ainda é capaz de refratar e transmitir a luz na retina. Patologias que afetam a córnea são as mais frequentes nos cães, como a úlcera de córnea, a ceratoconjuntivite seca e a ceratite.

Nervo Óptico

Formado a partir do disco ótico, é composto por axônios de células da retina, formando uma série de fibras nervosas. Os fotorreceptores da retina convertem a imagem em impulsos elétricos, que são transportados para o cérebro pelo nervo óptico, onde essas informações são interpretadas.

Terceira pálpebra

Os cães, diferentemente dos humanos, possuem 3 pálpebras. A terceira pálpebra está localizada no canto nasal do olho, e tem a função de proteção, distribuição do filme lacrimal na superfície ocular e sustentação do conjunto ocular. Na sua base, localiza-se uma glândula responsável por cerca de 30-40% da produção da fracção aquosa do filme lacrimal.

O prolapso ou protrusão da glândula da terceira pálpebra é uma afecção frequente dentre as que afetam a saúde ocular, principalmente em cães de anatomia braquiocefálica, como o Lhasa Apso. Esse problema ocorre quando há uma má formação ou diminuição da sustentabilidade dos ligamentos que unem a glândula ao globo ocular.

Por que o Lhasa Apso tem predisposição a problemas oculares?

Essa predisposição está relacionada com a anatomia do crânio. Por apresentar uma estrutura facial pequena, os olhos de traumas. Os traumas podem ser causados por um fator externo, como uma briga, ou por uma autoagressão. Normalmente as autoagressões estão relacionadas a problemas que estimulam o contato das patas com os olhos, como no prurido decorrente de alergia, por exemplo.

Além disso, a pelagem do Lhasa, quando em contato frequente com os olhos, pode causar irritações oculares. Outro fator que predispõe aos problemas oculares é a lagoftalmia. Cães com lagoftalmia não conseguem fechar totalmente as pálpebras por conta da sua estrutura anatômica. Esta condição é mais comum em braquiocefálicos, como o Lhasa Apso.

Sistema lacrimal

O filme lacrimal recobre a superfície do olho e é essencial para a saúde da córnea e da conjuntiva. Ele é composto por três camadas:

  • Camada lipídica, a mais externa, com a função de evitar a evaporação;
  • Camada aquosa - essa é a camada mais espessa do filme lacrimal, produzida pela glândula lacrimal principal e glândula da terceira pálpebra;
  • Camada mucosa, mais posterior, com a função de aumentar tempo de contato entre a lágrima e o epitélio corneano.

Diferenciais de EQUILÍBRIO Raças Específicas

Ácidos Graxos Ômega 3 e o DHA

Os tecidos cerebrais e os da retina são os mais ricos em DHA no organismo. O DHA é necessário para o desenvolvimento do cérebro e da retina, e tem sido implicado em várias funções, incluindo a função dos fotorreceptores da retina e neuroproteção. Já os ácidos graxos do tipo Ômega 3 (entre eles o DHA), quando introduzidos por meio da dieta são importantes para preservarem os pequenos vasos que irrigam o bulbo ocular, protegendo a retina.

Além disso, o Ômega 3 está envolvido na composição do filme lacrimal, fornecendo matéria-prima para a produção do mesmo. A suplementação de Ômega 3 visa dar suporte à qualidade do filme lacrimal.

Os Antioxidantes

As reações originadas na retina tornam essa estrutura altamente susceptível aos danos causados pelo estresse oxidativo. Os mecanismos de defesa dos tecidos oculares incluem a presença das substâncias antioxidantes.

Além do Ômega 3 como importante antioxidante, Equilíbrio Lhasa Apso conta com níveis otimizados de Vitamina C, Vitamina E e Zinco. Esses nutrientes estão intimamente envolvidos com a saúde da retina e do cristalino. Estudos têm mostrado resultados promissores desses antioxidantes na prevenção e na redução da progressão de problemas relacionados à essas estruturas.

O Lhasa Apso tem uma alta expectativa de vida. Além disso, temos observado um aumento na longevidade dos cães em geral. O envelhecimento por si só não representa uma condição patológica, mas traz a necessidade de uma série de cuidados para garantir o bem-estar do animal.

Mudanças Fisiológicas no Cão Idoso

Alterações Celulares

Nas células, o processo de envelhecimento é acompanhado pelo acúmulo progressivo de dano oxidativo, diminuição da efetividade das ações metabólicas que atenuam os efeitos do estresse oxidativo e diminuição da eficiência na função mitocondrial.

Equilíbrio Raças Específicas - Lhasa Apso conta com os antioxidantes naturais Vitamina E, Vitamina C, o mineral Selênio e os ácidos graxos do Ômega 3.

Os antioxidantes são substâncias capazes de neutralizar os radicais livres, moléculas instáveis e tóxicas para as células. Fisiologicamente, enzimas se encarregam de anular os radicais livres produzidos em excesso.

Com o envelhecimento esse mecanismo se torna menos eficiente, permitindo um maior número de radicais livres circulantes. Isso leva a um dano celular frequente (estresse oxidativo), que pode iniciar processos patológicos em diversos tecidos.

A ação conjunta dos antioxidantes presentes na Equilíbrio ajuda na prevenção da formação dos radicais livres, e também na neutralização dos que estão circulantes, reduzindo os danos celulares que ocorrem em animais idosos.

Alterações Imunológicas

É normal que com o avançar da idade ocorra uma queda na vigilância imunológica com a redução da capacidade de combater infecções.

Os Mananoligossacarídeos (MOS) presentes na Equilíbrio Raças Específicas - Lhasa Apso - são capazes de modular a resposta imune, induzindo a ativação de macrófagos. Essa ação associada a estimulação do crescimento de bactérias intestinais benéficas auxiliam as funções do sistema imune.

Paladar Exigente

Com o tempo, o cão idoso perde um pouco da sua capacidade olfativa. Com isso, raças pequenas como o Lhasa, que normalmente já são seletivas, acabam ficando com o paladar mais exigente. Equilíbrio Raças Específicas utiliza partículas de frango liofilizadas, o que confere uma palatabilidade incomparável.

Alterações no Aparelho Digestivo

Praticamente todos os animais mais velhos apresentarão acúmulo de cálculo dentário, com consequente doença periodontal na maioria dos casos. O Hexametafosfato de Sódio presente na fórmula de Equilíbrio ajuda a reduzir a mineralização da placa bacteriana (precursora do cálculo dentário).

A capacidade de absorção intestinal pode se reduzir em animais idosos. Equilíbrio contém Minerais Quelatados na sua fórmula. Esses minerais são associados com uma molécula orgânica (aminoácido), facilitando consideravelmente sua absorção, aumentado a biodisponibilidade desses nutrientes. 

Referências Bibliográficas

LEI, E.; VACY, K.; BOON, W.C. Fatty acids and their therapeutic potential in neurological disorders. Neurochem Int, 95: 75-84, 2016.

LIU, Y.; MA, YL.; ZHAO, J.M. et al. Digestibility and retention of zinc, copper, manganese, iron, calcium, and phosphorus in pigs fed diets containing inorganic or organic minerals. J Anim Sci., 92(8): 3407-3415, 2014.

ZICKER, S.C. et al. Evaluation of cognitive learning, memory, psychomotor, immunologic, and retinal functions in healthy puppies fed foods fortied with docosahe.

JAMIKORN, U.; PREEDAPATTARAPONG, T. Comparative eects of zinc methionylglycinate and zinc sulfate on hair coat characteristics and zinc concentration in plasma, hair, and stool of dogs. Thai Journal Vet Med, 38: 9-16, 2008.

KIRBY, N.A. et al. Skin surface lipids and skin and hair coat condition in dogs fed increased total fat diets containing polyunsaturated fatty acids. J Animal Physiol Animal Nutrition, 93:505-511, 2009.

POPA, I.; PIN, D. REMOUÉ, N. Analysis of epidermal lipids in normal and atopic dogs, before and after administration of an oral omega-6/omega-3 fatty acid feed supplement. A pilot study. Vet Res Commun., 35(8): 501-509, 2011.

BELOSHAPKA, A.N. et al. Fecal microbial communities of healthy adult dogs fed raw meat-based diets with or without inulin or yeast cell wall extracts as assessed by 454 pyrosequencing. FEMS Microbiol Ecol, 84(3): 532-541, 2013.

CARCIOFI, A.C. Fontes de proteína e carboidratos para cães e gatos. R. Bras. Zootec, 37:28-41, 2008.

GODOY, M.R.C.; KERR, K.R.; FAHEY, G.C. Alternative Dietary Fiber Sources in Companion Animal Nutrition. Nutrients., 5(8): 3099–3117, 2013.

PATRA, A. K. Responses of feeding prebiotics on nutrient digestibility, faecal microbiota composition and short-chain fatty acid concentrations in dogs: a meta-analysis. Animal: an international Journal of Animal Bioscience, 5(11):1743-50, 2011.

GRACIS, M; HENNET, P; VERHAERT, L. Focus: Doença Periodontal no Cão. ed. Especial. Paris: Aniwa Publishing; 2004.

HENNET, P. Journal Veterinary Dendistry, 24(4): 236-239, 2007.

PINTO, A.B.F. et al. Tripolifosfato de sódio e hexametafosfato de sódio na prevenção do cálculo dentário em.

BAZAN, N.G. Neuroprotectin D1 (NPD1): A DHA-derived mediator that protects brain and retina against cell injury-induced oxidative stress. Brain Pathology, 15(2): 159-166, 2006.

BHARGAVA, R, et al. A randomized controlled trial of omega-3 fatty acids in dry eye syndrome. Int J Ophthalmol., 6(6): 811-816, 2013.

LEITE, A.G.B.; OLIVEIRA, D. BARALDI-ARTONI, S.M. Morfologia do sistema ocular dos animais domésticos. Ars Veterinaria, Jaboticabal, 29(1): 42-51, 2013.

SMAILHODZIC, D. et al., Zinc supplementation inhibits complement activation in age-related macular dege.

BIAGI, G.; PINNA, C. The utilisation of prebiotics and synbiotics in dogs. Italian Journal of Animal Science, 13(1):3107, 2014.

Butt, C.M. Docosahexaenoic acid (DHA) in development and aging. J Vet Behavior. 5(3):155, 2010.

GRAY, K. et al. The effect of 48-hour fasting on taurine status in healthy adult dogs. J. Animal Physiology Animal Nutrition, 100(3): 532-536, 2016.

Sagols, E.; Priymenko, N. Oxidative Stress in Dog with Heart Failure: The Role of Dietary Fatty Acids and Antioxidants. Vet Med Int, 2011:180206, 2011.

Zaine, L. et al. Nutracêuticos imunomoduladores com potencial uso clínico para cães e gatos. Semina: Ciências Agrárias, 35(4):2513-2530, 2014.