Estudo de Eficácia Antibacteriana Oftálmica em Cães

Empresa

Syntec

Data de Publicação

19/09/2019

PDF

Produtos Relacionados

Tobrasyn Colírio

sulfato de tobramicina

Composição Química

Cada 100 mL contém:

Resumo

Foi conduzido o ensaio de eficácia antibacteriana oftálmica em cães para estudar a eficiência do produto Tobrasyn Colírio nos animais. O produto foi administrado por via ocular, em gatos SRD (sem raça definida), para mensurar sua eficácia frente a infecções oculares bacterianas externas.

Os animais foram avaliados quanto as alterações oftalmológicas, clínicas e comportamentais durante o ensaio. A partir dos dados brutos obtidos, foi constatado que o produto Tobrasyn Colírio foi eficaz frente às infecções bacterianas em cães, quando administrado de acordo com as recomendações da bula.

Introdução

A conjuntiva atua como barreira natural à entrada de microrganismos (sejam estes patogênicos ou não) além de ter função de proteção mecânica do bulbo ocular. Por ser a membrana mais exposta do organismo, mantem relação direta com o meio externo, podendo ser comparada a um nódulo linfático evertido, constituindo-se um mecanismo de defesa bem desenvolvido, com uma rápida resposta à invasão microbiana. Adicionalmente, a atividade de troca de células, que ocorre a cada 5-7 dias, inibe a invasão de microrganismos que ali residem.

A conjuntiva possui grande importância na dinâmica lacrimal, na proteção imunológica do olho, nos movimentos oculares e na cicatrização corneana, agindo como barreira à entrada de microrganismos patogênicos ou não. A superfície ocular é colonizada por microbiota bacteriana que ajuda na sua defesa e, juntamente com fatores humorais, inibe o estabelecimento de microrganismos patogênicos.

A destruição da flora ocular normal pode resultar em crescimento excessivo de bactérias, leveduras ou fungos que podem se tornar patogênicos. Estes agentes originam-se principalmente da pele e trato respiratório superior e sendo relativamente constantes, não variando com as mudanças no conteúdo microbiano da atmosfera que os cercam.

As conjuntivites, ceratites e endoftalmites podem ameaçar a integridade do olho e produzir destruição tecidual significativa. O conhecimento do agente causador, do processo e progressão da doença, bem como estabelecimento de tratamento coerente e eficaz influencia na evolução e prognostico da doença.

Objetivo

O ensaio de Eficácia Antibacteriana Oftálmica em Cães teve por finalidade avaliar as características de eficiência do produto em teste, fornecendo informações sobre a ação deste produto frente a infecções oculares bacterianas em gatos.

Delineamento Experimental

Sistema Teste

Foram avaliados 20 cães SRD e Beagle, machos e fêmeas (não prenhes), adultos jovens e peso vivo entre 6,1 e 17,1 kg.

Para o ensaio, foram selecionados animais saudáveis, com infecção ocular bacteriana externa bilateral comprovada por sinais clínicos e exame microbiológico, que não apresentam histórico de tratamento com medicação antimicrobiana e/ou corticoide.

Os animais foram provenientes da região de Resende/RJ. Durante o estudo foram alojados em canis e ao término do estudo os animais foram tratados, quando necessário, e retornaram ao seu local de origem. 

Identificação dos animais

Cada animal em estudo recebeu uma numeração de 1 a 20 para compor o grupo experimental.

Condições Ambientais e de Manejo

Os grupos foram mantidos em canil de alvenaria, em baias coletivas (com 6 animais no máximo), contendo bebedouros automáticos conectados à rede hidráulica e comedouros de aço inox. A dieta dos animais era constituída por ração comercial para cães, fornecida duas vezes ao dia, no período da manhã e no final da tarde, em quantidade adequada ao peso e idade dos animais.

A higienização das baias foi realizada diariamente, com remoção das fezes, lavagem com detergente neutro, enxágue com água corrente e sanitização com solução comercial de hipoclorito de sódio.

Procedimento Realizados

Período Pré-teste

Os animais foram aclimatados às condições experimentais durante 14 dias, prévios ao início do ensaio, período no qual nenhum tipo de medicação foi administrado aos animais.

No D-2 do ensaio foram realizadas coletas de material do fundo do saco conjuntival inferior (olho direito e esquerdo) através de swabs estéreis descartáveis para cultura e contagem microbiana. Para o procedimento da coleta, esfregou-se a ponta do swab suavemente, ao longo do interior do saco conjuntival inferior (esquerdo e direito), em seguida introduziu-se o swab no tubo com meio de transporte Stuart.

Para diagnóstico clínico da infecção ocular externa, foram realizados exames oftalmológicos através de avaliação das conjuntivas bulbar e palpebral, quanto á ocorrência de hiperemia, edema e exsudato, e da córnea, quanto a presença de ulcera, através do teste de fluoresceína.

Aplicação do Produto Teste

O produto foi administrado aos animais, por via tópica ocular, de acordo com as recomendações de bula.

No olho teste (olho direito tratado) de cada animal, o produto foi aplicado diretamente no saco conjuntival inferior, com auxílio do frasco conta-gotas próprio do produto teste, sendo administrada 1 gota, duas vezes ao dia, durante 7 dias consecutivos, do D-0 ao D+6 do estudo.

No olho controle (olho esquerdo não tratado) de cada animal, foi aplicada solução fisiológica, diretamente no saco conjuntival inferior, com auxílio de frasco conta gotas, sendo administrada 1 gota, duas vezes ao dia, durante 7 dias consecutivos, do D-0 aio D+6 do estudo.

Durante o estudo, todos os animais foram mantidos nas mesmas condições de manejo e ambiente.

Período Teste

No D-0 e no dia D+7 do ensaio, foram realizadas as pesagens de todos os animais individualmente.

Diariamente, durante o manejo, os animais foram observados quanto ao consumo de alimento e à ocorrência de alterações clínicas e comportamentais, sendo anotado início, grau e duração destes, quando presentes.

Os exames clínicos oftalmológicos dos animais foram realizados, respectivamente, no D-0, antes da aplicação do produto, e nos D+3 e D+7 do estudo, após a aplicação do produto. Durante o exame oftalmológico, foram realizadas avaliações das conjuntivas palpebral e bulbar, quanto à ocorrência de edema, hiperemia, presença de secreções purulentas e mucopurulentas (exsudatos) e da córnea, quanto à presença de úlcera, através do teste de fluoresceína.

As alterações locais foram avaliadas de acordo com o seguinte sistema de graduação:

No D+7, foram realizadas coletas de material no fundo do saco conjuntival inferior (direito e esquerdo), através de swabs estéreis, para cultura e contagem bacteriológica.

Após o termino do ensaio, todos os animais tiveram os olhos controle tratados adequadamente.

Avaliação Microbiológica

Para a contagem de bactéria, foi utilizado o Método de Semeadura em Profundidade, o qual se baseia na diluição da amostra para posterior semeadura e contagem de colônias formadas.

Interpretação dos resultados

A eficácia do produto teste foi determinada a partir da comparação entre as avaliações oftalmológicas e microbiológicas realizadas no olho teste (olho direito tratado) e no olho controle (olho esquerdo não tratado).

Resultados

Durante o estudo, não foram observados sinais clínicos alterados ou efeitos colaterais nos animais avaliados, com exceção dos sintomas relacionados à infecção ocular bacteriana externa. O consumo de ração e água se manteve dentro da normalidade para todos os animais.

Na avaliação oftalmológica foram observados sinais característicos de afecção ocular externa de origem microbiana em ambos os olhos de todos os animais no D-2 e D-0 antes do tratamento. Os olhos teste (tratados) apresentaram importante melhora do quadro a partir do D+3 após o tratamento, sendo que no D+7 a remissiva dos sinais era completa. Os olhos controle mantiveram o quadro durante o estudo.

Os parâmetros de hiperemia das conjuntivas bulbar e palpebral, edema e conjuntiva e de exsudato avaliados com auxílio do sistema de graduação no D2 e D0 antes do tratamento não apresentaram diferença significante (p>0,05) entre os olhos e controle, mostrando a uniformidade do quadro clínico entre os olhos antes do tratamento. Após o tratamento dos olhos teste, uma redução significativa (p<0,05) da graduação atribuída a estes parâmetros foi observada quando comparado aos olhos controle no D+3 e D+7.

Além disso, quando comparados os resultados dos olhos teste antes (D-2) e após o tratamento (D+7) foi observada uma redução significativa (p<0,05) do resultado, o que condiz com a melhora clínica observada. Apenas 3 animais apresentaram no final do estudo, D+7, uma alteração isolada de conjuntiva graduada como leve e sem outras alterações concomitantes, sendo que esta observação foi irrelevante diante da importante melhora clínica observada durante o estudo nestes animais.

Os olhos controle apresentaram um aumento significativo (p<0,05) da graduação atribuída aos parâmetros de edema de conjuntiva e de exsudato quando comparados os resultados do início (D-2) e do final (D+7) do estudo, sendo observação relacionada à evolução do quadro no olho controle (não tratado) com piora dos sinais clínicos.

A contagem de microrganismos nas amostras coletadas por swab nos olhos teste após o tratamento (D+7) foi menor (p<0,05) do que o resultado da amostra coletada antes do tratamento (D+7) foi menor (p<0,05) do que o resultado da amostra coletada antes do tratamento (D-2), o que reafirma a observação clínica de melhora dos sintomas observados nos olhos reste após o tratamento. Também foi comparado o resultado da contagem de microrganismos entre os olhos teste e olhos controle após o tratamento (D+7) sendo a diferença significativa (p<0,05) com resultado dos olhos teste inferior ao observado no controle, o que deu validade ao estudo e fundamentada a relevância das observações.

Conclusão

Com base nos resultados apresentado, conclui-se que o produto TOBRASYN COLÍRIO foi considerado eficaz para o uso em cães, quando administrado de acordo com as recomendações da bula.

Referências

Instrução Normativa N° 26 de 16 de setembro de 2005. Secretária de Defesa Agropecuária – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Gellat, K. N. Veterinary Ophthalmology, 3rd Edition, Lippincott Williams & Wilkins, February, 1999.

Jacobson et al. Safety and Efficacy of Topical Norfloxacin vesus Tobramycin in the treatment of external ocular infections. Antimicrobial Agent and chemotherapy, Dec. 1988, Vol 32, No 12, p. 1820-1824.

Baeyens et al. Clinical evaluation of bioadhesive ophthalmic drug inserts for the treatment of external ocular infections in dogs. Journal of Controlled Release 85 (2002) 163-168.

Gwon, A. Topical ofloxacin compared with gentamicin in the treatment of external ocular infection. British Journal of Ophthalmology, 1992, 76: 714-718.

Abelson et al. A randomized trial assessing the clinical efficacy and microbial eradication of 1% azithromycin ophthalmic solution vs tobramycin in adult and pediatric subjects with bacterial conjunctivitis. Clinical Ophthalmology 2007: 1(2) 177-182.

Lichtenstein et al, Efficacy and Safety of 0,5% Levofloxacin Ophthalmic Solution for the Treatment of Bacterial Conjunctivitis in Pediatric Patients. Journal of AAPOS, Volume 7 Number 5 October 2003, 317-324.

Hiroshi Hatana, Katsuhiro Inoue, Shiao Shia and Wang Liping, Applicationof topical Iomefloxacin against experimental Pseudimonas endophthalmitis in rabbits. Acta Ophthalmologica 71 (1993) 666-670.