Rhodesian Ridgeback

Nome da Raça

Rhodesian Ridgeback

Porte

Grande

Peso

Fêmeas: 29-34 kg. Machos: 36-41 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 61-63 cm. Machos: 63-69 cm

Nível de atividade

Alta

Temperamento

Leal, digno e afetuoso

Adestrabilidade

Moderada

Introdução

Origem

O Rhodesian Ridgeback ou “Cão de Leão” é a única raça registrada nativa da África do Sul.

Seus antepassados podem ser rastreados no Cape Colony da África do Sul, onde eles cruzaram com os cães dos pioneiros e com os cães semidomesticados com crista dos Hottentot.

Apesar de popular em sua região de origem, o Rhodesian Ridgeback continua sendo uma raça pouco difundida no resto do mundo.

Sua função original era localizar a caça, especialmente o leão e, com grande agilidade, guardá-lo a distância até a chegada do caçador.

O padrão original que foi redigido por F.R. Barnes, em Bulawayo, Rodésia, em 1922, foi baseado no padrão do Dálmata e foi aprovado pelo South African Kennel Union, em 1926.

Foi reconhecido pela FCI e pela AKC em 1955 e o padrão oficial válido pela CBKC é de 1996.

Nome original

Rhodesian Ridgeback

País de origem

África do Sul

Características gerais

Aspectos raciais

O Rhodesian Ridgeback é um cão grande, forte, musculoso e bem balanceado.

A ênfase está na sua agilidade, elegância e firmeza, sem nenhuma tendência a ser pesado, é ativo e apresenta alta resistência e alto potencial de velocidade.

A peculiaridade do Rhodesian Ridgeback é a crista no dorso, que é formada por pelos que crescem em direção oposta ao restante da pelagem, é uma marca distinta da raça.

Começa a formar-se imediatamente atrás dos ombros e continua até os quadris, deve ser claramente definida e simétrica e se afinar gradualmente em direção à garupa.

O pelo deve ser curto e denso, de aspecto liso e brilhante, sem ser lanoso ou sedoso.

A cor da pelagem pode ser do trigo pálido ao vermelho trigo, uma pequena mancha branca no peito e nos dedos é permitida, mas o excesso desses pelos é indesejável.

Admite-se que o focinho e as orelhas sejam de cor preta.

Excesso de pelos pretos na pelagem do resto do corpo é altamente indesejável.

Os olhos do Rhodesian Ridgeback são redondos, brilhantes, em harmonia com a cor da pelagem.

As orelhas têm tamanho médio, afinando nas pontas, que são ligeiramente arredondadas.

Outra particularidade desta raça é a cauda, que é robusta na raiz e vai afinando-se até a ponta.

Pelo

Curto

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Além de ser um caçador afiado e versátil, o Rhodesian Ridgeback é territorialista e um bom cão de guarda.

É muito paciente com crianças e, quando se cansam delas, apenas se afastam.

É um cão brincalhão, mas sem exagero.

Apesar de ser muito inteligente, é teimoso e isso pode dificultar seu treinamento, que deve começar desde filhote.

A raça é muito ativa e necessita de bastante exercício físico, por isso não é indicado para ambientes pequenos.

No geral, é um cão rústico e que não exige grandes cuidados com a pelagem.

Sensibilidade a fármacos

Não Relatada

Predisposição à doenças

Dermatológicas

Dermatose responsiva ao zinco

  • Ocorre em cães de crescimento rápido alimentados com dietas com deficiência de zinco

Sinus dermoide

  • Ocorrem na linha mediana dorsal
  • Isolado ou múltiplos
  • Pode ser herdado como um gene recessivo simples
  • Testes de progênies necessários à erradicação

Onicodistrofia

Musculoesqueléticas

Espondilose deformante

  • Geralmente cães de meia-idade
  • Maior prevalência em fêmeas

Neurológicas

Surdez congênita

Cistos aracnoides

  • Predisposição racial
  • Idade de início: < 1 ano

Abiotrofia cortical cerebelar

  • Geralmente congênito

Mielopatia degenerativa canina

  • Herança em homozigose para mutação do gene canino SOD1 com penetrância incompleta relacionada com a idade.
  • Não há predisposição sexual
  • Geralmente ocorre entre 8 e 9 anos

Oftálmicas

Entrópio

  • Predisposição racial
  • Provável herança poligênica

Catarata

  • Herança suspeita
  • Idade de início: 3 anos, progressão lenta
  • Localização: córtex subcapsular posterior

Eversão da cartilagem da membrana nictitante

  • Predisposição racial
  • Geralmente ocorre em cães jovens

Referências bibliográficas

AKC. Rhodesian Ridgeback. Disponível em: http://www.akc.org/dog-breeds/rhodesian-ridgeback/ . Acesso em: 22 fev. 2017.

CACHORRO Gato. Ficha do Rhodesian Ridgeback. Disponível em: http://tudosobrecachorros.com.br/2015/01/leao-da-rodesia-rhodesian-ridgeback.html

FEDERATION Cynologique Internationale. Rhodesian Ridgeback. Disponível em: http://www.fci.be/en/nomenclature/RHODESIAN-RIDGEBACK-146.html . Acesso em: 21 fev. 2017.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predisposition to Disease in Dogs and Cats. Ed. 1. Oxford: Blackwell Publishing, 2004, p. 24.

GUIA de Raças. Rhodesian Ridgeback. Disponível em: http://www.guiaderacas.com.br/rhodesianridgeback.shtml . Acesso em: 23 fev. 2017.

JERICÓ, M. M.; DE ANDRADE NETO, J. P.; KOGIKA, M. M. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. Ed. 1. Rio de Janeiro: Roca, 2015, p. 2464.

TUDO Sobre Cachorro. Leão da Rodésia – Rhodesian Ridgeback. Disponível em: http://tudosobrecachorros.com.br/leao-da-rodesia-rhodesian-ridgeback/ . Acesso em: 20 fev. 2017.

http://www.cbkc.org/padroes/pdf/grupo6/rhodesianridgeback.pdf

Imagem: http://dinoanimals.com/wp-content/uploads/2016/06/Rhodesian_ridgeback2.jpg.