Whippet

Nome da Raça

Whippet

Porte

Médio

Peso

Fêmeas: 12-13 kg. Machos: 12-13 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 44-47 cm. Machos: 47-51 cm

Nível de atividade

Alta

Temperamento

Gentil, afetuoso e equilibrado

Adestrabilidade

Moderada

Introdução

Origem

Cães do tipo Greyhound são retratados com frequência desde a antiguidade, da Idade Média até o Renascimento, tanto em pinturas como em esculturas.

Os primeiros cães tipo Whippet eram usados para caçar lebres em campo aberto, onde a velocidade e a capacidade de pegar a presa eram considerações primárias. Durante os séculos XVIII e XIX, os pequenos cães tipo Whippet na Grã-Bretanha pertenciam às pessoas que não podiam sustentar galgos e tornou-se conhecido como "o galgo dos homens pobres".

Mais tarde, esse instinto de perseguir coelhos foi usado para realizar corridas com os cães da raça. Os Whippets de corrida dos condados do norte de Inglaterra tornaram-se assim populares e essa "nova" raça de repente começou a atrair a atenção nacional. Acredita-se que os Whippets mais antigos foram cruzados com terriers para conferir mais resistência e espírito de luta à raça.

No entanto, só passaram a denominar a raça de Whippet em meados dos anos 1800, e até o início das exposições de cães e dos pedigrees registrados, não houve separação clara entre as raças, e os cruzamentos entre Greyhounds italianos e Whippets são conhecidos por ter ocorrido durante os anos 1900.

A raça foi reconhecida pela FCI em 1955, pela AKC em 1888 e o padrão oficial válido pela CBKC é de 2007.

Nome original

Whippet

País de origem

Grã-Bretanha

Características gerais

Aspectos raciais

Equilibrada combinação de poder muscular e força, com elegância e linhas graciosas. Seu crânio é longo e seco, plano no topo e afinando para o focinho. Os olhos são ovais, brilhantes e com expressão muito alerta. As orelhas são em forma de rosa, pequenas e de textura fina.

Seu tórax é muito profundo e bem definido. A cauda é sem franjas, longa, afilada e, quando em ação, curva-se para cima, sem ultrapassar a linha do dorso.

Sua pelagem é fina, curta e cerrada. Qualquer cor ou mistura de cores é aceita. A trufa pode ser preta; nos exemplares azuis, uma cor azulada é permitida; nos exemplares fígado, a trufa será da mesma cor; nos cães de cor isabela, creme ou outras cores diluídas na pelagem, qualquer cor, exceto rosa; somente nos brancos ou particolor, é permitida uma trufa com áreas despigmentadas, mas não uma trufa completamente despigmentada.

Pelo

Curto

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Um companheiro ideal, o Whippet é um cão doce e carinhoso com sua família. Extremamente gentil com crianças e cordial com outros cães. É calmo dentro de casa, não late com frequência, mas adora brincar ao ar livre e é capaz de percorrer grandes distâncias com pouco esforço.

Pode ser reservado com estranhos. Devido à sua pele fina, o Whippet tende a ser friorento e necessita de abrigo em dias frios. A raça necessita de exercícios diários.

Sensibilidade a fármacos

Raça com altos índices de indivíduos mutantes para o gene MDR1, que requer cuidado na administração de:

  • 1. Quimioterápicos: doxorrubicina, mitoxantrone, paclitaxel, vinblastina, vincristina, actinomicina D, docetaxel e etoposide.
  • 2. Antimicrobianos/Antifúngicos: doxiciclina, eritromicina, itraconazol, cetoconazol, rifampicina, tetraciclina e levofloxacina.
  • 3. Agentes imunossupressores: ciclosporina A e tracrolimus.
  • 4. Antihistamínicos: cimetidina, ranitidina e terfenadine.
  • 5. Glicosídeos cardíacos: digoxina, diltiazem, verapamil, quinidina, losartan e talinolol.
  • 6. Esteroides: aldosterona, cortisol, dexametasona, estradiol, hidrocortisona e metilprednisolona.
  • 7. Diversos: butorfanol, morfina, moxidectina, ivermectina, fentanil, fenotiazínicos, selamectina, milbemicina oxima, loperamide, ondansetrona, domperidona e tiopental.

Predisposição à doenças

Cardiovasculares

Doença degenerativa da válvula atrioventricular

Dermatológicas

Hipotricose congênita

  • Predisposição em machos
  • - Presente ao nascimento ou se desenvolve no primeiro mês de vida

Dermatite solar

Onicomadesia idiopática

Alopecia de diluição da cor

Hematológicas e imunológicas

Deficiência de fosfofrutoquinase

Hormônios tireoidianos

  • Concentração basal de T4 total inferior ao padrão de referência. As concentrações de T4 livre também podem ser baixas, porém não na mesma medida como tT4. As concentrações do hormônio estimulante de tireoide (TSH) são normais.

Musculoesqueléticas

Fratura do osso acessório do carpo

  • Fraturas de avulsão por hiperextensão do carpo durante exercício

Neoplásicas

Hemangioma cutâneo

  • Predisposição racial

Oftálmicas

Distrofia de córnea

  • Predisposição racial
  • Idade de início: 3 a 5 anos

Catarata

  • Herança suspeita

Luxação de lente

  • Possível predisposição racial
  • Idade de início: 8 anos

Sinérese vítrea

  • Predisposição racial
  • Idade de início: 6 anos

Atrofia progressiva generalizada da retina

  • Sinais clínicos com inícios aos 5 anos

Micropapila

  • Congênito

Renais e urinárias

Síndrome de Falconi

Respiratórias e pneumológicas

Rinite inflamatória

Referências bibliográficas

AKC. Whippet. Disponível em: http://www.akc.org/dog-breeds/whippet/. Acesso em: 10 abr. 2017.

BSC. Saiba mais sobre a Mutação do Gene MDR1. Disponível em: https://www.bscwhippets.com/single-post/2012/11/18/Saiba-mais-sobre-a-muta%C3%A7%C3%A3o-do-gene-MDR1. Acesso em: 19 abr. 2017.

CACHORRO Gato. Ficha do Whippet. Disponível em: http://www.cachorrogato.com.br/racas-caes/whippet-galgo-snap-dog-english/. Acesso em: 9 abr. 2017.

CONFEDERAÇÃO Brasileira de Cinofilia. Padrão Oficial da Raça: Whippet. Disponível em: http://www.cbkc.org/padroes/pdf/grupo10/whippet.pdf. Acesso em: 20 abr. 2017.

FEDERATION Cynologique Internationale. Whippet. Disponível em: http://www.fci.be/en/nomenclature/WHIPPET-162.html. Acesso em: 15 abr. 2017.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predisposition to Disease in Dogs and Cats: Blackwell Publishing, 2004, p. 70.

GUIA de Raças. Whippet. Disponível em: http://www.guiaderacas.com.br/Whippet.shtml. Acesso em: 13 abr. 2017.

JERICÓ, M. M.; DE ANDRADE NETO, J. P.; KOGIKA, M. M. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. Rio de Janeiro: Roca, 2015, p. 2464.

NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina Interna de Pequenos Animais. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015, p. 1512.

THE AMERICAN Whippet Club. History of the Whippet. Disponível em: http://www.americanwhippetclub.net/about-whippets/history-whippet. Acesso em: 12 abr. 2017.

Imagem disponível em: https://vetstreet.brightspotcdn.com/dims4/default/6c59745/2147483647/thumbnail/645x380/quality/90/?url=https%3A%2F%2Fvetstreet-brightspot.s3.amazonaws.com%2F09%2F7a%2F176e1c0644c6952642997fb17f91%2Fwhippet-ap-hfjk7y-645-x-380.jpg.