Sagrado da Birmânia

Nome da Raça

Sagrado da Birmânia

Peso

Fêmeas: 4,5-8 kg. Machos: 4,5-8 kg

Altura

Fêmeas: 23-28 cm. Machos: 23-28 cm

Temperamento

Calmo, equilibrado e sociável

Introdução

Origem

De introdução recente na Europa, este gato tem uma origem ainda hoje misteriosa. Teriam sido os ingleses a trazer da Birmânia um casal de gatos do templo Lao-Tsun.

Supõe-se que uma senhora do sul de França, de apelido Leotardi, seria a dona de Poupée de Madalpour, uma gata Birmanesa seal point exibida em Paris, em 1926. Os pais desta gata, provenientes da Birmânia, teriam sido oferecidos pela Sra. Thadde-Haddish.

Na verdade, os primeiros exemplares resultariam do cruzamento de um Siamês que possuía marcas brancas na extremidade das patas com um gato de pelo comprido (Angorá ou Persa) na década de 1920, na região de Nice.

Por volta de 1930, um macho seal point de nome Dieu d’Arakan tornou-se a estrela das exposições. Na Segunda Guerra Mundial, durante a qual a raça quase desapareceu, foi adicionado sangue Persa colourpoint para restringir a consanguinidade. Em 1950, esta raça assumiu o nome Gato Sagrado da Birmânia para evitar qualquer confusão com o Burmese, forma inglesa da palavra Burmês.

Introduzida nos Estados Unidos em 1950-1960 e na Grã- Bretanha em 1965, onde foi oficialmente reconhecida, esta raça é muito apreciada pelo público e tornou-se muito popular.

Outra designação

Birman

País de origem

França

Características gerais

Aspectos raciais

Corpo bastante comprido e pesado, composto de estrutura óssea forte e musculatura poderosa e firme. Seu pelo é sedoso, semilongo a longo no colar, corpo, flancos e cauda. Curto na zona facial e nos membros. Pouco subpelo contribuindo para ausência de embaraçamento ou nós, como ocorre na maioria dos gatos de pelo longo. A pelagem é pigmentada exclusivamente nas extremidades ou pontos (máscara, orelhas, patas e cauda) como no caso do Siamês. É exigido um contraste acentuado entre a cor dos pontos e o resto do corpo. A extremidade das patas é branca, semelhante a luvas. Estas, de um tom branco puro, devem terminar na articulação ou na transição entre os dedos e o metacarpo, que não deverão ultrapassar. Na face plantar das patas posteriores, as luvas terminam em ponta (esporões) entre metade e dois terços da distância que separa o coxim maior e o jarrete. As marcas escuras podem ser: seal point (castanho escuro), chocolate point (castanho claro), blue point (azul acinzentado), lilac point (cinzento aço rosado), red point (ruivo), cream point (creme). O restante da pelagem varia do branco ao creme. Os gatinhos nascem quase brancos. Os pontos e as luvas só surgem por volta de 1 a 2 meses de idade. A cor das marcas e do corpo só se tornam definitivas na idade adulta. A pelagem também escurece com a idade.

Cabeça forte, larga, bastante redonda. Ligeiramente mais comprida que larga. Orelhas de tamanho médio, com extremidades arredondadas, moderadamente bem espaçadas, com uma ligeira inclinação. Olhos grandes, quase redondos, bastante espaçados. Cor: azul, o mais escuro possível. Nariz romano, de comprimento médio com stop bem definido ou inexistente.

Patas de comprimento médio e fortes. Pés redondos e firmes. Tufos de pelos na região interdigital. Os coxins são de tom rosa ou rosa manchado com pontos de cor. Cauda de comprimento médio, posição ereta com pelagem em penacho.

Pelo

Longo

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

No meio caminho entre o Persa e o Siamês, este gato é calmo, equilibrado, não sendo nem passivo nem exuberante. Sociável e brincalhão, é um companheiro agradável para as crianças, mas aprecia também a paz e tranquilidade.

Meigo, afetuoso (nomeadamente os machos), por vezes um pouco possessivo, não suporta a indiferença e muito menos a solidão. Possui uma voz suave. No exterior, mostra-se robusto, desportivo e um excelente caçador. Eles se dão bem com outros animais de estimação quando devidamente introduzidos e gostam de fazer parte de uma família.

Manutenção moderada, pois requer uma escovagem diária durante a muda de pelo. Em período normal, necessita de uma a duas escovações semanais. Os cuidados com a higiene corporal, oral, alimentação e hidratação são extremamente importantes.

A higiene oral diária evita doenças periodontais. A ração deve ser de boa qualidade e a hidratação deve estar sempre disponível.

Manter o animal domiciliado para protegê-lo de doenças propagadas por outros gatos, ataques de cães e acidentes automobilísticos.

A vacinação e desverminação devem sempre estar em dia. Visitas periódicas ao veterinário são bem-vindas, mesmo que seja para um simples check-up. Sua expectativa de vida varia, em média, de 12 a 16 anos.

Sensibilidade a fármacos

Os felinos apresentam respostas diferentes daquelas manifestadas pelos cães quando submetidos à administração de diversos fármacos.

A intoxicação de gatos medicados com drogas como o paracetamol, o ácido acetilsalicílico e a dipirona por seus donos é bastante frequente, podendo, por vezes, levar o animal a óbito. Por outro lado, sabe-se hoje que drogas anteriormente contraindicadas para gatos, como os opioides, podem ser usadas com segurança nas doses recomendadas para felinos.

Para isso, é necessária a constante busca por atualização por parte dos veterinários nessa área, que é tão pouco discutida, mas que vem ganhando importância cada vez maior com o crescente número da população felina.

As doses de muitos medicamentos utilizados em felinos são obtidas a partir daquelas utilizadas para cães, podendo desencadear reações adversas nesses animais. Essas manifestações ocorrem devido às diferenças no metabolismo entre as espécies.

Gatos apresentam uma deficiência relativa na atividade de algumas enzimas como a glicuronil transferase, que catalisam as reações de conjugação mais importantes no metabolismo de fármacos dos mamíferos.

Além disso, estes animais são muito suscetíveis à metahemoglobinemia e à formação de corpúsculos de Heinz após a administração de alguns fármacos, por possuir um número maior de grupos sulfidril nas hemácias, comparado com cães e humanos.

Dessa forma, é importante que o médico veterinário esteja atento a essas peculiaridades metabólicas dos gatos para melhor atender e informar seus clientes.

Predisposição à doenças

Os Sagrados da Birmânia têm poucos problemas de saúde conhecidos, embora todos os gatos com pedigree sejam afetados em algum grau por problemas de saúde hereditários. A raça apresenta diferentes incidências patológicas, que têm origem genética e/ou traumática. Os problemas que podem afetar essa raça incluem: hipotricose congênita, dermoide corneal e degeneração espongiforme.

A hipotricose congênita faz com que nasçam sem pelo e com aplasia tímica, uma deficiência imunológica que leva ao aumento do risco de infecção e morte. Felizmente, essas condições são raras.

O dermoide corneal caracteriza-se pela presença de pele e pelos na superfície da córnea de um ou ambos os olhos. Ele pode ser corrigido cirurgicamente.

A degeneração espongiforme é uma doença degenerativa progressiva do sistema nervoso central, causando sinais que incluem fraqueza de membros posteriores e incoordenação.

Referências bibliográficas

CAT Time. Birman. Disponível em: http://www.cattime.com/cat-breeds/birman-cats#/slide/1. Acesso em: 9 abr. 2017.

HASS, R. A. Metabolismo de Fármacos por Felinos – revisão de literatura. 2011. 36f. Monografia (Especialização Clínica Médica de Pequenos Animais) – Universidade Federal do Semi-Árido, Mossoró.

UK Cat Breeders. Cat Breeds. Disponível em: http://www.uk-cat-breeders.co.uk/cat-breeds/. Acesso em: 13 abr. 2017.

Imagem disponível em: http://divaveterinario.com.br/wp-content/uploads/2015/01/Katniss.jpg.