Spaniel Tibetano

Nome da Raça

Spaniel Tibetano

Porte

Pequeno

Peso

Fêmeas: 4-7 kg. Machos: 4-7 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 24-26 cm. Machos: 24-26 cm

Nível de atividade

Baixa

Temperamento

Confiante, amoroso e brincalhão

Adestrabilidade

Moderada

Introdução

Origem

O Spaniel Tibetano era muito apreciado no antigo Tibet, onde era costume presenter a família real com exemplares desta raça. Graças a este costume, os cães se disseminaram por toda a Ásia. Foram encontradas pinturas de cães similares ao Spaniel Tibetano em esculturas de bronze do ano 1100 a.C.

Como sua criação não era muito rigorosa, especula-se que o Spaniel Tibetano pode estar aparentado com outras raças orientais, incluindo o Chin e o Pequinês.

Os Spaniels Tibetanos eram usados como cães de companhia, mas devido a habilidade de enxergar a longas distâncias e ao insistente latido, eles se tornaram bons guardiões nos monastérios tibetanos. Assim, o Spaniel Tibetano era utilizado como cão de companhia e de guarda. Sentava-se nos altos muros e ladrava para advertir sobre a presença de intrusos. Atualmente, o Spaniel Tibetano é um cão de companhia e de exposição, mas ainda mantém essa característica e gosta de sentar-se em lugares altos para observar os arredores.

O Spaniel Tibetano foi levado à Inglaterra pela primeira vez no final do século XIX sendo a partir daí sua entrada no mundo ocidental.

A FCI reconheceu oficialmente a raça em 1961 e a AKC em 1983.

Nome original

Tibetan Spaniel

País de origem

Tibet (China)

Características gerais

Aspectos raciais

O Spaniel Tibetano é um cão pequeno, ativo e alerta. Bem equilibrado em sua silhueta, ligeiramente mais longo que alto na cernelha. Possui uma pequena cabeça em proporção ao corpo, que é carregada orgulhosamente. Seu crânio é levemente abobadado, de largura e comprimento moderados, com um stop leve, mas definido. O focinho é de comprimento médio, cheio e sem arestas, livre de rugas. O queixo mostra alguma profundidade e largura. Os maxilares possuem leve prognatismo inferior. Os dentes e a língua não devem ficar à mostra com a boca fechada. Os olhos são marrons escuros, ovais, brilhantes e expressivos, de tamanho mediano, implantados bem separados, mas direcionados para frente. Bordas palpebrais negras. As orelhas são de tamanho médio, pendentes, bem franjadas nos adultos, inseridas bastante altas. Discretamente levantadas em sua inserção, mas juntas às faces.

O pescoço é moderadamente curto, forte e bem inserido. Coberto com uma juba de pelos mais longos, mais pronunciado em machos que em fêmeas. Seu tronco é levemente mais longo da cernelha até a raiz da cauda do que a sua altura na cernelha. O dorso é nivelado com as costelas bem arqueadas. A cauda possui uma implantação alta, ricamente emplumada e portada em uma curva alegre sobre o dorso, quando em movimentação.

Desloca-se de maneira rápida, reta, livre e positiva. Os membros anteriores possuem ossatura mediana, levemente arqueada, mas firmes nos ombros. Os membros posteriores são bem formados e fortes, com os joelhos moderadamente abertos. Os jarretes são bem descidos e retos quando visto de trás. Mãos e pés são do tipo “patas de lebre”, pequenos e bem formados, com pelos entre os dedos.

A pelagem do Sapniel Tibetano forma um topete com pelo de textura sedosa, macio na face e na parte anterior dos membros, de comprimento moderado no corpo, mas caindo plano sobre a pele. O Subpelo é fino e denso. Orelhas e os posteriores das pernas abundantemente franjados, cauda e nádegas cobertas de pelos mais longos. A pelagem não deve ser excessiva e as fêmeas tendem a ter pelagem menos densa que os machos. Todas as cores ou misturas de cores são permitidas.

Pelo

Semi-longo

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Alegre e confiante, altamente inteligente, o Spaniel Tibetano é um cão alerta e leal, mas independente.

Spaniel Tibetano valoriza muito a companhia humana e precisa estar com as pessoas. Embora extrovertido e amigável, a raça pode estar distante com estranhos. Adora permanecer em locais elevados para observar o ambiente ao seu redor.

Essa raça só precisa de exercícios moderados, por isso são excelentes em apartamentos. Seus revestimentos duplos precisam de escovação semanal e banhos ocasionais.

Sensibilidade a fármacos

Não relatada

Predisposição à doenças

Oftálmicas

Entrópio (geralmente das pálpebras inferiores)

  • Herança poligênica provável

Catarata

  • Herança genética

Atrofia generalizada progressiva da retina

  • Modo de herança desconhecido, mas presumido recessivo
  • Sinais vistos de 3 – 5 anos

Colobomas do nervo óptico

  • Congênito
  • Não conhecido se é uma condição herdada

Referências bibliográficas

http://cbkc.org/application/views/docs/padroes/padrao-raca_202.pdf

http://www.akc.org/dog-breeds/tibetan-spaniel/

http://br.viarural.com/animais/pequenos/pets/grupo09/spaniel-tibetano.htm

http://www.blogdocachorro.com.br/ranking-de-inteligencia-canina/

JERICÓ, Márcia Marques; ANDRADE NETO, João Pedro de; KOGIKA, Márcia Mery. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. 1. ed. Rio de Janeiro: Roca, 2015.

GOUGH, Alex; THOMAS, Alison. Breed Predisposition to Disease in Dogs and Cats.1. Ed. Oxford:Blackwell Publishing Ltd, 2004 – página 152.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Medicina interna de pequenos animais. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Imagem: https://www.pets4homes.co.uk/images/articles/3606/large/progressive-retinal-atrophy-3-pra3-in-tibetan-spaniels-579f79c842f84.jpg