Welsh Terrier

Nome da Raça

Welsh Terrier

Porte

Pequeno

Peso

9 – 9,5 kg

Altura na Cernelha

No máximo 39 cm

Nível de atividade

Moderada

Temperamento

Inteligente, alerta e espirituoso

Adestrabilidade

Intermediária

Introdução

Origem

O Welsh Terrier é uma raça com uma experiência verdadeiramente de trabalho. Seu primeiro registro foi em 1450, quando um poeta galês descreveu uma cadela negra e vermelha boa em sufocar ferrets. Como tantos de seus primos, ele foi originalmente usado na caça à raposa, texugo e até mesmo lontra.

O Welsh e Lakeland Terrier possuem grande semelhança e podem ter tido uma origem comum, anterior à invasão romana da Grã-Bretanha, quando seus donos, os Celtas, esconderam-se nas montanhas de Gales e do “Lake District”.

A partir do século XVIII, vários caçadores no País de Gales criavam o Welsh Terrier para seguir junto as matilhas de Foxhounds, exclusivamente para sufocarem raposas durante a caça.

A raça foi oficialmente reconhecida pela AKC em 1888 e pela FCI em 1954.

Nome original

Welsh Terrier

País de origem

Grã-Bretanha

Características gerais

Aspectos raciais

Vivo, habilidoso, bem balanceado e compacto o Welsh Terrier se assemelha a um Airedale miniatura.

Possui um crânio plano, de largura moderada entre as orelhas, com stop não muito definido. A trufa é preta e o focinho de comprimento médio do stop até a extremidade da trufa. Os maxilares são poderosos, bem delineados, profundos e punitivos, fortes com uma perfeita e regular mordedura em tesoura. Os olhos são relativamente pequenos, bem inseridos, escuros. As orelhas em forma de “V” são pequenas, não muito finas, inseridas relativamente altas, portadas para a frente e próximas às bochechas.

O pescoço do Welsh Terrier é de comprimento e espessura moderados, ligeiramente arqueado e graciosamente inclinado para os ombros. O tronco é curto com lombo forte. O peito é moderadamente largo, com o tórax profundo e com costelas bem arqueadas. A cauda é bem inserida, portada ereta, mas não muito alegre. Em perfeito equilíbrio com o restante do cão.

Os membros anteriores são longos, inclinados e bem colocados para trás. As mãos são pequenas, redondas do tipo “mão de gato”. Os posteriores são fortes, musculosos e de bom comprimento. Os pés possuem as mesmas características das mãos.

O Welsh Terrier mantém anteriores e posteriores, quando em movimento, retos e paralelos. Os cotovelos se movimentam perpendiculares ao corpo, trabalhando livremente nas laterais. Joelhos não virando nem para dentro, nem para fora.

A pelagem é formada por um pelo de arame, duro, muito fechado e abundante, sem subpelo. As cores são o preto e castanho, de preferência, ou preto e cinza com castanho, sem pincelados de preto nos dedos.

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Afetuoso, obediente e facilmente controlável. Alegre e volátil, raramente tímido. Corajoso e sem medo, mas definitivamente não-agressivo, apesar de ser sempre capaz de enfrentar qualquer situação quando necessário. Caracteriza-se pelo temperamento afetuoso com seu dono, mas por possuir uma personalidade forte exige pulso firme e autoridade.

Sua educação deve começar desde cedo, para que o cão aprenda seus limites, mas nunca de maneira agressiva ou bruta. Deve ser socializado corretamente para não desenvolver desvios de comportamento.

É uma raça que está sempre alerta e que topa qualquer atividade que seja proposta, são focados e determinados. Adoram correr, caçar e brincar. Podem obter excelentes resultados em provas de agility, esporte no qual podem aproveitar completamente a sua agilidade e rapidez.

Apesar de seu tamanho, não se adapta bem em locais pequenos ou com pouca atividade. Necessitam de exercícios regulares como caminhadas e brincadeiras que simulem a atividade da caça mantendo o cão equilibrado física e mentalmente.

Sua pelagem necessita de escovações semanais para se manter limpa e saudável. Banho são recomendados apenas quando necessário.

Sensibilidade a fármacos

Não relatada

Predisposição à doenças

Oftálmicas

Glaucoma primário

  • Suspeita de herança genética
  • Idade do início: 5 – 6 anos

Luxação de cristalino

  • Predisposição de raça
  • Idade do início: 5 – 6 anos

Referências bibliográficas

http://cbkc.org/application/views/docs/padroes/padrao-raca_98.pdf

http://www.akc.org/dog-breeds/welsh-terrier/

https://welshterrier.org/about-welsh-terriers/history/

http://www.fci.be/en/nomenclature/WELSH-TERRIER-78.html

http://www.dogtimes.com.br/welsh.htm

JERICÓ, Márcia Marques; ANDRADE NETO, João Pedro de; KOGIKA, Márcia Mery. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. 1. ed. Rio de Janeiro: Roca, 2015.

GOUGH, Alex; THOMAS, Alison. Breed Predisposition to Disease in Dogs and Cats.1. Ed. Oxford:Blackwell Publishing Ltd, 2004 – página 155.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Medicina interna de pequenos animais. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Imagem: https://www.pets4homes.co.uk/images/articles/2415/large/is-the-welsh-terrier-a-good-choice-of-pet-54997f5e91936.jpg