Ragamuffin

Nome da Raça

Ragamuffin

Peso

3,5 – 5,5 kg

Altura

20 – 25 cm

Temperamento

Doce, brincalhão, afetuoso, companheiro, tranquilo

Introdução

Origem

Muito pouco se sabe sobre a origem da raça, mas sabe-se que ela foi provavelmente desenvolvida por criadores de Ragdoll, que queriam uma maior variedade de cores e padrões, realizando cruzamentos desta raça com outras de pelo longo como Angorá Turco, Persa, Burmês e Doméstico de Pelo Curto.

O Ragamuffin é reconhecido pela The Cat Fanciers’ Association (CFA) e outros clubes de criadores de felinos nos Estados Unidos e Europa.

País de origem

Estados Unidos

Características gerais

Aspectos raciais

Possui corpo retangular, bem estruturado, cabeça larga e arredondada, olhos grandes com expressão amável, depressão no nariz, bochechas cheias, e orelhas bem separadas com as extremidades arredondadas. Sua cauda é longa e peluda.

Seu pelame é espesso e sedoso. São aceitas todas as cores sólidas, no padrão bicolor, tigrado e escama.

Pelagem

Longo

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

O Ragamuffin é um gato muito companheiro, afetuoso e apegado à família, seguindo as pessoas pela casa onde quer que elas estejam. Também é muito sociável, recebendo as novas visitas com um miado muito receptivo.

Geralmente se adapta muito facilmente a crianças e outros animais, incluindo gatos e cachorros. No geral é um animal tranquilo, calmo e paciente. Adora atenção e, apesar de tranquilo, pode ser muito ativo em diversos momentos do dia, por isso é importante que haja interação diária com seus proprietários através de brincadeiras.

Brinquedos interativos que estimulem o hábito de caça e enriquecimento ambiental através da instalação de prateleiras, arranhadores e tocas são uma excelente forma de evitar o tédio e alterações comportamentais associadas, além de evitar o sobrepeso.

Como possui uma pelagem longa, se faz necessário escová-la mais de uma vez na semana, para retirada do pelame morto e como forma de evitar os nós. O restante se trata de manejo básico de qualquer gato, o que inclui visitas periódicas ao veterinário, alimentação de qualidade e escovação dentária semanal para evitar doenças periodontais.

Sensibilidade a fármacos

Quando submetidos à administração de alguns fármacos, os felinos apresentam diferentes respostas daquelas manifestadas pelos cães.

Em gatos, a intoxicação pelo uso de substâncias como o paracetamol, ácido acetilsalicílico e dipirona se faz bastante frequente na rotina médico-veterinária, podendo, muitas vezes, levar o animal a óbito e isto ocorre devido às particularidades dos mecanismos de metabolização farmacológica da espécie.

Gatos apresentam uma deficiência relativa na atividade de algumas enzimas, como a glicuronil-transferase, responsável por catalisar as reações de conjugação mais importantes no metabolismo de fármacos dos mamíferos.

Além disso, estes animais são muito suscetíveis ao desenvolvimento de metahemoglobinemia e à formação de corpúsculos de Heinz após a administração de alguns fármacos, por possuírem um número maior de grupos sulfidril nas hemácias, quando comparado com cães e humanos.

Desta forma, é fundamental que o médico veterinário esteja atento a essas peculiaridades metabólicas dos gatos para melhor atender e informar seus clientes quanto ao risco da administração de certas substâncias.

Predisposição à doenças

Até o momento, não foram descritas doenças específicas relacionadas à raça, porém como existem características genéticas do Persa e do Ragdoll no DNA do Ragamuffin, este pode ser predisposto a desenvolver certas doenças que incluem:

Doença renal policística: É uma doença de caráter genético e hereditário, causando o aumento de volume dos rins e doença renal devido a presença de cistos. Os cistos geralmente podem ser vistos via ultrassonografia a partir dos 12 meses de idade.

Atualmente, existe um teste de DNA disponível, que detecta o gene envolvido nesta doença e tem ajudado os criadores a erradicar o problema.

Quando diante da compra de raças predispostas a esta doença, se faz sempre necessário pedir um certificado atestando que os pais do filhote não possuem a doença. Se um dos pais for positivo para a doença no teste de DNA, sempre confirmar se o filhote possui o teste negativo.

Cardiomiopatia hipertrófica: Estes animais também são predispostos a desenvolver cardiomiopatia hipertrófica (CMH), a doença cardíaca mais comum dos gatos.

Esta condição causa um espessamento (hipertrofia) do músculo cardíaco, o que resulta no volume reduzido de sangue dentro dos ventrículos, reduzindo assim o volume de sangue que o coração bombeará para a circulação sistêmica.

A CMH pode gerar falência cardíaca, tromboembolismo arterial sistêmico e é uma causa de morte súbita em gatos. Um ecocardiograma pode confirmar se o gato a possui. Os machos aparentam ser mais predispostos.

Referências bibliográficas

The Cat Encyclopedia: The Definitive Visual Guide. Editora: Penguim Random House / DK, 2014.

Enciclopédia Larousse do Gato e do Gatinho. Editora: Larousse, 2010.

International Cat Care. Cat Breeds. Ragamuffin. Disponível em: https://icatcare.org/advice/cat-breeds/ragamuffin. Acesso em: 28 jan. 2018

Vet Street. Cat Breeds. Ragamuffin. Disponível em: http://www.vetstreet.com/cats/ragamuffin. Acesso em: 28 jan. 2018

Imagem disponível em: http://www.vetstreet.com/cats/ragamuffin