Basset Artesiano Normando

Nome da Raça

Basset Artesiano Normando

Porte

Pequeno

Peso

Fêmeas: 15-20 kg Machos: 15-20 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 30-35 cm Machos: 30-35 cm

Nível de atividade

Moderada

Temperamento

Alegre, afetuoso

Adestrabilidade

Moderada

Introdução

Origem

A criação controlada do Basset Francês de pelo curto começou nos anos de 1870. A partir dos bassets, tendo aparentemente uma origem comum, Couteulx de Canteleu, estabeleceu um tipo utilitário com membros anteriores retos, chamado Artois enquanto Louis Lane desenvolveu um tipo mais espetacular, de anteriores tortos, chamado Normando. 

Foi necessário esperar até 1924, para que se adotasse o nome de Basset Artesiano Normando, referindo-se tanto à raça quanto ao clube.

Léon Verrier, que tomou a direção do clube em 1927, aos 77 anos, quis reforçar as características normandas da raça e no livro de padrões dos cães de caça de 1930, onde aparecem as duas raças, Basset d’Artois e Basset Artesiano Normando, encontramos esta observação sobre este último: “o Comitê da Sociedade de Caça decide e notifica que o Basset Artesiano Normando não deve ser uma etapa de transição ao tipo Normando, sem traço d’Artois”.

Nome original

Basset Artésien Normand

País de origem

França

Características gerais

Aspectos raciais

De forma geral, o cão é longo em relação à sua altura, bem balanceado, compacto; sua cabeça lembra a nobreza do grande cão Normando.

Na região craniana, o crânio tem forma abobadada e largura mediana; protuberância occipital aparente. Em conjunto, a cabeça deve ter aparência seca. Sulco frontal marcado, sem exagero. 

Na região facial, a trufa é preta e larga, projetando-se ligeiramente à frente dos lábios. Narinas bem abertas. Focinho aproximadamente do mesmo comprimento que o crânio e ligeiramente arqueado. O lábio superior recobre amplamente o lábio inferior, sem, entretanto, ser muito pendente ou muito estendido para trás.

Mordedura em tesoura. Bochechas formadas por uma ou duas rugas na pele. Olhos tem forma oval, grandes, escuros (em harmonia com a pelagem); olhar calmo e sério; a conjuntiva da pálpebra inferior pode, às vezes, estar aparente, mas sem excesso.

Orelhas inseridas o mais baixo possível, jamais acima da linha dos olhos. Estreitas na raiz, em forma bem marcada de saca-rolhas, flexíveis, finas, muito longas, atingindo no mínimo o comprimento focinho e terminando, de preferência, em pontas. 

O pescoço é bastante longo, com um pouco de barbela, mas sem exagero. O tronco possui um dorso largo e bem firme. Lombo ligeiramente arqueado. Na garupa, as ancas são ligeiramente oblíquas dando uma leve inclinação à garupa.

Peito de aspecto ovalado, longo, esterno bem prolongado para trás e saliente na frente, com o peitoral bem desenvolvido. Flancos cheios. A linha do esterno está nitidamente abaixo dos cotovelos. Costelas longas, estendendo-se bem para trás. 

A cauda é mais para longa, forte na raiz e estreitando-se progressivamente. Em repouso, a ponta da cauda deve atingir o solo. Portada em sabre, mas não caindo jamais sobre o dorso e sua extremidade não deve ser em forma de penacho. 

Os membros anteriores são curtos e grossos. Eles são discretamente tortos ou um pouco menos que “meio tortos”, contanto que tenha um índice de torção, suficientemente visível.

Algumas dobras de pele, sem exagero, na região dos metacarpos, devem ser consideradas como uma qualidade dentro do padrão oficial da raça. Anteriores meio tortos, corretos.

Ombros são musculosos e oblíquos. Cotovelos bem aderentes ao corpo. Vistos por trás, uma linha vertical parte da ponta da nádega e passa pelo meio da perna, do jarrete, do metatarso e da pata.

Coxas redondas e musculosas. Posteriores corretos, coxas redondas Jarretes fortes, bastante descidos, relativamente angulados, o que faz com que a pata posterior fique ligeiramente debaixo do cão, quando em repouso.

Uma pequena bolsa de pele na ponta do jarrete, formada por um excesso de pele não é considerado um defeito. Metatarsos curtos e fortes. Patas de forma oval, um pouco alongadas; dedos bastante justos e com aprumos corretos, de maneira que se apoiem bem ao solo. 

A marcha da raça é regular, bastante fácil. Calmo em sua movimentação. A pele é flexível e fina. Pelo raso, curto e fechado sem ser muito fino. Suas cores são o fulvo mantado de preto e branco (tricolor) ou fulvo e branco (bicolor).

Nos cães tricolores, a cabeça deverá ser largamente coberta, de fulvo avermelhado e conservar um círculo de pelos mais escuros sobre cada têmpora.

O manto (ou as manchas que existem sobre a extensão de cores diferentes) será composto de pelos pretos ou rajados (alcançando assim as qualidades anteriores de “pelo de lebre” ou “pelo de texugo”).

Pelo

Curto

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Bassets Artésiens Normands são cachorros utilizados por caçadores como armas e eles podem trabalhar sozinhos ou em grupo. Suas pernas curtas permitem que penetrem vegetações densas, o que está fora de questão para cachorros maiores.

Eles gostam de caçar coelhos, mas os veados também estão dentro das suas capacidades. Eles rastreiam com grande precisão, não rapidamente, mas de forma metódica e barulhenta. Eles são naturalmente alegres e muito afetuosos.

Não foram encontrados em literatura cuidados específicos exigidos para esta raça em questão, portanto, o manejo deve ser o básico realizado para qualquer cão. O corte as unhas deve ser feito conforme necessário, geralmente uma vez por mês.

Escove os dentes com frequência e verifique as orelhas semanalmente a procura de secreções, vermelhidão ou um mau cheiro, o que pode indicar uma infecção. Dê banhos e escove o pelame conforme o necessário.

Sensibilidade a fármacos

Não foram encontrados em literatura relatos de sensibilidade à fármacos específicos relacionados à raça em questão.

Predisposição à doenças

Não foram encontrados em literatura relatos de predisposição à doenças específicas relacionados à raça em questão.

Referências bibliográficas

CBKC Confederação Brasileira de Cinofilia. Padrão Oficial da Raça: Basset Artesiano Normando. Disponível em: http://cbkc.org/racas. Acesso em: 15 fev. 2018. 

FOGLE, B. Guia Ilustrado Zahar Cães. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 344 p.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predispositions to Disease in Dogs and Cats. 3º Ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2018. 398 p.

Nestlé Purina Australia. Dog Breeds. Basset Artésien Normand. Disponível em: http://www.purina.com.au/owning-a-dog/dog-breeds/BassetArtesienNormand. Acesso em: 10 fev. 2018

Pet guide. Breeds. Dog Breeds. Basset Artésien Normand. Disponível em: http://www.petguide.com/breeds/dogs/bassetartesiennormand. Acesso em: 10 fev. 2018

Vet Street. Dog Breeds. Basset Artésien Normand. Disponível em: http://www.vetstreet.com/dogs/basset-artesien-normand. Acesso em: 10 fev. 2018

Imagem disponível em: http://p1.storage.canalblog.com/11/28/1349515/105569389.jpg