Bedlington Terrier

Nome da Raça

Bedlington Terrier

Porte

Médio

Peso

Fêmeas: 8-10 kg Machos: 8-10 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 38-43 cm Machos: 38-43 cm

Nível de atividade

Moderada

Temperamento

Animado, leal, companheiro

Adestrabilidade

Alta

Introdução

Origem

Afirma-se que o Bedlington Terrier pode ostentar um pedigree mais longo e rastreável que qualquer outro terrier, ocasião na qual era conhecido como Rothbury Terrier, sendo natural das antigas áreas mineiras do norte da Inglaterra.

Sua fama se espalhou para fora da sua região de origem, tendo sido iniciada em 1877 uma associação para a criação da raça. Embora sua expressão seja meiga, ele é perfeitamente capaz de se defender por si só, mas não irá à procura de uma briga.

É um pequeno cão resistente, esta raça única tem a aparência de um cordeiro, mas não se deixe enganar, ele é um terrier por completo. Um cão do norte do país, originalmente sua função era a de capturar coelhos para a “panela” (refeição) da família, permanece ainda (atualmente) um cão de caça.

Nome original

Bedlington Terrier, The Rothbury Terrier, The Gypsy Dog

País de origem

Grã-Bretanha

Características gerais

Aspectos raciais

Um cão gracioso, lépido, musculoso, sem traço de fragilidade ou aparência grosseira. A cabeça é em forma de pêra ou cuneiforme, e sua expressão, em repouso, é doce e gentil.

A cabeça é coberta por um sedoso e abundante topete de cor quase branca. Na região craniana, seu crânio é estreito, mas profundo e arredondado. A linha do occiptal até a ponta da trufa deve ser reta e ininterrupta. 

Na região facial, a narinas são largas e bem definidas. Os exemplares de cor azul e azul e castanho devem ter a trufa preta; os de cor fígado e areia devem ter a trufa marrom.

Focinho bem cheio sob os olhos. Lábios bem ajustados, sem serem pendentes. Dentes largos e fortes. Mordedura em tesoura, isto é, os dentes (incisivos) superiores sobrepõem-se intimamente aos dentes (incisivos) inferiores e são inseridos ortogonalmente aos maxilares.

Olhos relativamente pequenos, brilhantes. O olho ideal tem aparência de ser triangular. Os exemplares azuis têm os olhos escuros; os azuis e castanho têm os olhos mais claros com reflexos em âmbar; os cães cor de fígado e de areia têm os olhos castanho claros.

Orelhas de tamanho moderado, formato de avelã, inseridas baixas e portadas caídas rentes às bochechas. De textura fina e aveludada; revestidas de pelo curto e fino, com uma franja de pelos sedosos e de cor esbranquiçada nas pontas. 

O pescoço é longo e afilado; inserido baixo sem nenhuma tendência a apresentar barbelas. Sobressai bem para cima dos ombros, a cabeça portada bastante alta. O tronco é musculoso e significantemente flexível.

Dorso apresenta um arco natural sobre o lombo. Lombo é curvado, com uma linha dorsal arqueada imediatamente sobre o lombo. Peito é profundo e bastante largo. Costelas planas, profundas até o antepeito (região esternal), alcançando os cotovelos. O lombo arqueado formando uma definida linha inferior esgalgada. 

A cauda tem comprimento moderado, grossa na raiz, afilando para a ponta e graciosamente curvada. De inserção baixa, nunca portada sobre o dorso. Os membros anteriores possuem pernas retas, mais afastadas no nível do peito que no das patas.

Ombros são planos e oblíquos. Metacarpos longos e ligeiramente inclinados, sem fragilidade. Patas longos “pés de lebre”, com almofadas grossas e bem fechadas. Almofadas saudáveis e livres de rachaduras ou calos salientes.

Os membros posteriores são musculosos e de comprimento moderado. Os posteriores parecem ser mais longos que os anteriores. Joelhos com angulação moderada. Metatarsos (Jarretes) fortes e bem descidos, não virando nem para dentro nem para a fora. Patas longas de “pés de lebre”, com almofadas grossas e bem fechadas. 

A marcha padrão da raça é capaz de galopar em grande velocidade e aparenta ser capaz de fazê-lo. Movimento muito distinto, em vez de picado, suave e elástico, em passos mais lentos e com um leve “roll” (balanço) quando em passo completo. O pelo é bem característico.

Espesso e feltrado, ficando bem afastado da pele, mas sem ser duro. Nítida tendência a encaracolar, particularmente na cabeça e na região facial. A cor é azul, fígado ou areia, com ou sem castanho. A pigmentação escura deve ser encorajada.

Pelo

Curto

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

O Bedlington Terrier é um companheiro ativo e alegre. Mais relaxado e com menos necessidade de exercício do que outros terriers, ele ainda é um terrier curioso e afetuoso que leva a sério ser cão de guarda. 

Em casa, o Bedlington precisaria ser treinado para se dar bem com gatos e outros animais de estimação. Em relação a convivência com outros cães, podem haver dificuldades caso a hierarquia da matilha for colocada à prova, mas, uma vez que o Bedlington se estabelece como dominante, não devem ocorrer muitos problemas. 

Estranhos serão anunciados e repelidos se não forem bem-vindos, mas uma vez aceitos na casa pelo tutor, receberão uma recepção amigável. Em geral, eles serão bastante sossegados se forem regularmente estimulados física e mentalmente.

Eles podem se adaptar à vida em um apartamento se houver prática de exercícios. São bons com crianças e, geralmente, irão vincular-se fortemente com um membro da família.

Uma vez que as boas habilidades sociais são estabelecidas através de adestramento desde idade precoce, este cão será um companheiro animado e leal. Um treinamento através de reforço positivo é um método mais eficiente para lapidar um comportamento confiante, sociável e estável.

Dois longos passeios por dia são adequados para manter o Bedlington Terrier em forma. Bedlington é uma raça pouco exigente, mas deve ser escovada algumas vezes na semana para deixar o pelame com aspecto sedoso. A cada dois meses os cães devem ser tosados. Isso pode ser feito por um tosador profissional, pois é um corte incomum.

Sensibilidade a fármacos

Não foram encontrados em literatura relatos de sensibilidade à fármacos específicos relacionados à raça em questão.

Predisposição à doenças

Gastrointestinais

Hepatite crônica:

  • Resulta de um defeito primário na excreção de cobre e retenção anormal de cobre pelos hepatócitos;
  • Possui característica hereditária;
  • Ocorre em cães jovens a meia idade;
  • Alta prevalência pelo mundo, sendo que nos Estados Unidos, 66% da raça é acometida;
  • Existe teste genético disponível.

Neoplásicas

Hemangioma cutâneo:

  • Idade média do aparecimento dos sintomas: 8.7 anos.

Oftálmicas

Catarata:

  • Suspeita-se de fator hereditário;
  • Início do aparecimento: um tipo aparece por volta dos 3 meses de idade e o outro por volta dos 2 anos.

Entrópio:

  • Provavelmente possui característica hereditária.

Atrofia de retina progressiva:

  • Vista geralmente por volta de 1 a 2 anos de idade.

Displasia retiniana:

  • Caráter congênito;
  • Cegueira desde o nascimento.

Referências bibliográficas

CBKC Confederação Brasileira de Cinofilia. Padrão Oficial da Raça: Bedlington Terrier. Disponível em: http://cbkc.org/racas. Acesso em: 15 fev. 2018. 

FOGLE, B. Guia Ilustrado Zahar Cães. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 344 p.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predispositions to Disease in Dogs and Cats. 3º Ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2018. 398 p.

Nestlé Purina Australia. Dog Breeds. Bedlington Terrier. Disponível em: http://www.purina.com.au/owning-a-dog/dog-breeds/BedlingtonTerrier. Acesso em: 10 fev. 2018

Pet guide. Breeds. Dog Breeds. Bedlington Terrier. Disponível em: http://www.petguide.com/breeds/dogs/bedlingtonterrier. Acesso em: 10 fev. 2018

Vet Street. Dog Breeds. Bedlington Terrier. Disponível em: http://www.vetstreet.com/dogs/bedlington-terrier. Acesso em: 10 fev. 2018

Imagem disponível em: https://www.pets4homes.co.uk/images/breeds/54/large/1698fe9ed84d1d2fae151b368255cdd4.jpg