Bolonhês

Nome da Raça

Bolonhês

Porte

Pequeno

Peso

Fêmeas: 3-5 kg Machos: 3-5 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 22-30 cm Machos: 22-30 cm

Nível de atividade

Baixa

Temperamento

Amigável, companheiro, afetuoso

Adestrabilidade

Alta

Introdução

Origem

Esta é uma das várias raças que pertencem à família de cães Bichon, pequenos cachorros fofinhos brancos que se originaram no Mediterrâneo há alguns mil anos e que viajaram pelo mundo desde então. Outras raças de Bichon incluem Bichon Frise, Coton de Tulear e Maltês. 

As raças de Bichon eram itens de comércio popular ao longo dos séculos por causa de sua portabilidade e temperamento amável. Eles eram companheiros populares para damas em tribunais reais e casas nobres e muitas vezes são vistos em retratos da época. 

Durante a Idade Média e o Renascimento, o Bolonhês era popular na corte ducal de Bolonha - daí o seu nome - e era um animal de estimação mimado de famílias italianas ricas e nobres da época: os Medicis, os Gonzagas, os Estes.

Também ficaram sob o feitiço deste cachorrinho adorável estavam as imperatrizes Catarina da Rússia, Maria Teresa da Áustria e a Marquesa de Pompadour, a principal amante de Luís XV da França. 

O Bolonhês foi importado para a Inglaterra e, em 1990, foi categorizado em uma classe de raças que ainda não eram reconhecidas pelo Kennel Club. Foi reconhecido pelo United Kennel Club em 1 de janeiro de 1995. 

Nome original

Bolognese

País de origem

Itália

Características gerais

Aspectos raciais

De tamanho pequeno, atarracado e compacto, coberto com uma pelagem branca pura, longa e suave ao toque.

A cabeça possui um comprimento médio, atingindo 1/3 da altura na cernelha. Sua largura, medida no nível dos arcos zigomáticas é igual ao seu comprimento. Na região craniana, o crânio é ligeiramente de forma ovóide (formato de ovo) na direção sagital e mais plano na parte de cima, com os lados mais convexos; as protuberâncias dos ossos frontais são bem desenvolvidas.

Os eixos longitudinais do crânio e do focinho são paralelos; o sulco frontal ligeiramente acentuado e a protuberância occipital ligeiramente marcada. O comprimento do crânio é ligeiramente maior do que o focinho. Stop: Bastante acentuado. 

Na região facial, a trufa é na mesma linha que a linha superior do focinho; vista de perfil, sua parte da frente é vertical. Deve ser larga e preta. O comprimento do focinho é igual a 2/5 do comprimento da cabeça. A linha superior do focinho é reta e suas laterais são paralelas; de maneira que a parte da frente do focinho é quase quadrada.

A parte abaixo da região orbital (infraorbital) é bem cinzelada. O Lábio superior é pouco desenvolvido em profundidade, este não cobre o lábio inferior, e o perfil inferior do focinho é determinado pela mandíbula.

Maxilares normalmente desenvolvidos com as arcadas superiores e inferiores perfeitamente adaptadas. Dentes brancos, alinhados igualmente com dentição forte e completa. Mordedura em tesoura; mordedura em pinça é tolerada.

Olhos são inseridos em um plano quase frontal; tamanho ligeiramente superior ao normal. A abertura das pálpebras é redonda; o globo ocular não deve ser proeminente; o branco dos olhos não é visível. As rimas palpebrais devem ser pretas e a íris e de uma cor ocre escuro.

Orelhas são inseridas altas, elas são longas e pendentes, porém bastante rígidas em suas bases, de maneira que a parte superior da orelha externa é separada do crânio, dando assim a impressão da cabeça ser mais longa do que ela realmente é. O pescoço não possui barbelas; seu comprimento é igual ao comprimento da cabeça. 

O cão sendo de construção quadrada, o comprimento do tronco, medido da ponta do ombro à ponta da nádega, é igual à altura na cernelha. O perfil reto do dorso e do lombo, ligeiramente convexos, fundem-se harmoniosamente na linha da garupa. Cernelha apenas ligeiramente proeminente acima da linha superior. O topo das escápulas é bem espaçado.

O dorso é reto. Lombo é curto, forte, ligeiramente convexo. Garupa muito larga e apenas levemente inclinada. Peito é amplo, descido até o nível dos cotovelos; com costelas bem arqueadas, a altura alcançando quase a metade da altura na cernelha.

A ponta do esterno é apenas ligeiramente proeminente. Linha inferior e ventre: Seguindo o perfil do esterno, depois se eleva ligeiramente para o ventre. A cauda é inserida na linha da garupa, portada curvada sobre o dorso.

Os membros anteriores são constituídos por braços perfeitamente retos e paralelos em reação ao plano mediano do tronco. O comprimento da escápula é igual a 1/4 da altura na cernelha; em relação com a horizontal, elas são inclinadas e próximas da vertical em relação ao plano mediano do corpo. Seus movimentos são bem livres.

Os braços são bem próximos ao tronco, de um comprimento quase igual ao dos ombros, mas menos inclinados. Cotovelos estão entre um plano paralelo e um plano mediano ao corpo. O comprimento dos antebraços é igual ao do braço, seguindo uma perfeita direção vertical.

Metacarpos, quando vistos de frente, continuam numa linha vertical ao antebraço. Vistos de perfil, os metacarpos são ligeiramente inclinados. Patas anteriores tem formato oval, com boas almofadas escuras e unhas pretas muito duras. 

Quando vistos por trás, as pernas posteriores devem seguir uma linha perfeitamente vertical desde a ponta óssea da nádega até o solo, as pernas são perfeitamente paralelas entre si. O comprimento das coxas é igual a 1/3 da altura na cernelha.

São inclinadas desde o topo à base e do posterior para frente e são perfeitamente paralelas ao plano médio do corpo. Joelhos são firmes, não muito angulados. Pernas são mais longas que as coxas. Articulação do jarrete tem um ângulo tíbio-tarsiano não é muito fechado.

Nos metatarsos, a distância da ponta do jarrete ao solo é ligeiramente menor que 1/3 da altura na cernelha. Patas posteriores possuem as mesmas características que as patas anteriores, porém, menos ovais. 

A marcha natural da raça é livre, enérgica, com um porte da cabeça nobre e distintamente portada. A pele é bem firme e esticada sobre todo o corpo; as mucosas visíveis e a terceira pálpebra rigorosamente pigmentada de preto. O pelo é longo sobre todo o corpo, da cabeça à cauda, da linha superior às patas. É mais curto no focinho.

Forma longos flocos que tem a mesma textura sobre todo o corpo, em vez de uma pelagem eriçada, desse modo, não recaída plana e ajustada, nunca formando franjas. A cor padrão da raça é o branco puro sem nenhuma mancha nem qualquer sombra de branco.

Pelo

Semi-longo

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Às vezes, um pouco tímido, ele é um cão muito amoroso e fica extremamente feliz quando está no colo. Sob essa nuvem de cachos, o Bolonhês é um cãozinho robusto que gosta de se divertir. Ele não é especialmente ativo, mas ele ajustará seu nível de atividade ao do tutor. 

Os cães dessa raça são ótimos com crianças, porém é mais adequado para uma família com crianças de 9 anos ou mais devido ao seu pequeno tamanho. As crianças mais velhas são mais capazes de lidar com ele com cuidado. No entanto, eles amam crianças, então, enquanto a brincadeira é supervisionada e as crianças são gentis, o cachorro e a criança podem se tornar amigos rapidamente. 

O outro lado da forte devoção desta raça ao seu dono é que ele não gosta de ficar sozinho. Ele pode sofrer com o que é conhecido como ansiedade de separação, o que pode levá-lo a ter comportamentos ruins, como mastigar, latir em excesso ou sujar a casa se for deixado sozinho. O treinamento deve iniciar no dia que chega em uma casa nova.

Seu pelame exige escovação algumas vezes na semana para evitar formação de nós. O restante trata-se de manejo básico para qualquer cão, ou seja, escovação dentária semanal, banhos periódicos e uma alimentação de boa qualidade.

Sensibilidade a fármacos

Não foram encontrados em literatura relatos de sensibilidade à fármacos específicos relacionados à raça em questão.

Predisposição à doenças

Oftálmicas

Distiquíase:

  • Condição comum na raça.

Renais e urinárias

Urolitíase

Referências bibliográficas

CBKC Confederação Brasileira de Cinofilia. Padrão Oficial da Raça: Bolonhês. Disponível em: http://cbkc.org/racas. Acesso em: 15 fev. 2018. 

FOGLE, B. Guia Ilustrado Zahar Cães. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 344 p.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predispositions to Disease in Dogs and Cats. 3º Ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2018. 398 p.

Nestlé Purina Australia. Dog Breeds. Bolognese Disponível em: http://www.purina.com.au/owning-a-dog/dog-breeds/Bolognese. Acesso em: 10 fev. 2018

Pet guide. Breeds. Dog Breeds. Bolognese. Disponível em: http://www.petguide.com/breeds/dogs/bolognese. Acesso em: 10 fev. 2018

Vet Street. Dog Breeds. Bolognese. Disponível em: http://www.vetstreet.com/dogs/bolognese. Acesso em: 10 fev. 2018

Imagem disponível em: http://dogtime.com/dog-breeds/bolognese#/slide/1