Braco Italiano

Nome da Raça

Braco Italiano

Porte

Grande

Peso

Fêmeas: 25-40 kg Machos: 25-40 kg

Altura na Cernelha

Fêmeas: 58-67 cm Machos: 55-62 cm

Nível de atividade

Alta

Temperamento

Fiel, afetuoso, ativo

Adestrabilidade

Alta

Introdução

Origem

O Braco Italiano pode ser encontrado em pinturas dos séculos IV e V a.C. Acredita-se que o Braco branco e alaranjado tenha se originado no Piemonte, enquanto os cachorros castanhos possam ter vindo da Lombardia. 

Os cães do Piemonte, que caçavam em terrenos montanhosos, eram mais leves e menores do que os cães lombardos, criados para trabalhar em terras pantanosas. Ambos os tipos eram cães de caça populares e foram criados por famílias nobres, como Medici e Gonzaga. Eram principalmente utilizados na caça. 

Mais tarde, quando os caçadores começaram a usar armas de fogo, os cães foram usados para apontar e recolher a caça. Muitas vezes dadas como presentes a senhores nobres e reais na França e na Espanha, estes cachorros podem ter sido os ancestrais das raças “pointer” européias. 

No início do século 20, a população de Bracos diminuiu. Felizmente, uma organização chamada Societa Amitori Bracco Italiano e um criador italiano chamado Ferdinando Delor de Ferrabouc apoiaram o retorno da raça, parcialmente unindo os dois tipos para aumentar a diversidade genética. 

O padrão para a raça foi lançado em 1949, e a Federação Cynologique Internationale aceitou a raça em 1956. Hoje, não é incomum ver o Braco Italiano em eventos italianos para cães caçadores e de trabalho. O United Kennel Club reconheceu a raça em 2006. 

Nome original

Italian Pointer

País de origem

Itália

Características gerais

Aspectos raciais

De forma geral, a raça possui uma construção robusta e harmoniosa com aspecto vigoroso. Os exemplares preferidos são aqueles com membros enxutos, músculos bem desenvolvidos, linhas bem definidas com uma cabeça nitidamente esculpida e com um evidente cinzelamento sub-orbitário, características que conferem distinção à raça.

O Braco Italiano tem uma cabeça angulosa e estreita ao nível das arcadas zigomáticas; seu comprimento mede 4/10 da altura na cernelha; a metade do comprimento recai no nível de uma linha que liga os cantos internos dos olhos.

As linhas superiores do crânio e do focinho são divergentes, isto é, o prolongamento da linha superior do focinho deve encontrar-se com a linha superior do crânio à frente da protuberância occipital e sendo ideal no meio da linha superior do crânio. 

Na região craniana, quando visto de perfil, a linha superior do crânio forma um arco muito aberto. Visto de cima, forma uma elipse alongada, com o eixo maior no sentido do comprimento. A largura do crânio, medida no nível das arcadas zigomáticas, é menor que a metade do comprimento total da cabeça.

A protuberância da testa e das arcadas superciliares são perceptíveis. O sulco sagital e visível e termina na metade do crânio. A crista occipital é curta e não muito proeminente. A protuberância occipital é pronunciada. Stop: Não pronunciado. 

Na região facial, a trufa é volumosa, com narinas grandes e abertas, um tanto salientes sobre os lábios com os quais formam um ângulo. A cor é mais ou menos rosa, cor de carne ou marrom, dependendo da cor da pelagem.

Focinho tem uma cana nasal ligeiramente romana ou reta. De comprimento igual a metade do comprimento da cabeça, e sua altura é igual a 4/5 de seu comprimento. Visto de frente, as faces laterais são ligeiramente convergentes, embora apresentando a face anterior de boa largura. O queixo é pouco aparente.

Os lábios superiores são bem desenvolvidos, finos e pendentes, sem serem flácidos, recobrindo a mandíbula; vistos de perfil, ultrapassam-na ligeiramente. Vistos de frente, os lábios formam um “V” invertido, abaixo da trufa. As comissuras labiais são acentuadas, sem serem pendentes.

As arcadas dentárias bem adaptadas, com os dentes ajustados na mandíbula; mordedura em tesoura; mordedura em torquês é aceitável. As bochechas são secas. Os olhos possuem uma inserção semi-lateral, com uma expressão dócil e submissa, inseridos nem profundos, nem proeminentes. Olhos bastante grandes, pálpebras de forma amendoada e bem ajustadas (sem entrópio ou ectrópio).

A cor da íris é de um ocre ou marrom mais ou menos escuro, dependendo da cor da pelagem. As orelhas são longas, em comprimento devem, sem serem esticadas, atingir a ponta da trufa. Sua largura é, no mínimo, igual a metade de seu comprimento; ligeiramente levantadas; na base, mais para estreitas, inseridas mais para trás no nível do arco zigomático.

Uma orelha flexível com a borda bem voltada para dentro e realmente bem ajustada à bochecha, é apreciada. A extremidade inferior das orelhas acaba em uma ponta ligeiramente arredondada. 

O pescoço é robusto, em forma de cone truncado, de comprimento não menor do que 2/3 do comprimento da cabeça; com a nuca bem marcada. A garganta apresenta uma ligeira barbela dupla. 

O perfil superior do dorso é formado por duas linhas: uma, quase reta, inclinada da cernelha até a décima primeira vértebra dorsal; a outra é ligeiramente arqueada, juntando-se com a linha da garupa. A cernelha é bem definida, com as pontas das escápulas bem separadas.

Região lombar é larga, musculosa, curta e ligeiramente convexa. A garupa é longa (com aproximadamente 1/3 da altura na cernelha), larga e bem musculosa; a angulação ideal com o osso coxal formando 30º com a horizontal.

O peito é largo, profundo e bem descido ao nível dos cotovelos, sem formar uma quilha, com costelas bem arqueadas, particularmente na sua parte baixa, e inclinado. O perfil inferior quase horizontal na região do esterno, retraindo-se ligeiramente na região abdominal. 

A cauda é grossa na raiz, reta, com uma ligeira tendência a se encurvar; de pelo curto. Quando em movimento, principalmente em trilha, é portada horizontalmente ou quase. A cauda natural não deve se estender abaixo do jarrete e deve ter as características mencionadas acima.

Se amputada, para propósitos de caça, e em acordo com a saúde e bem-estar animal, a cauda deve ter um comprimento de 15 - 25cm desde a raiz. Essa prática só pode ser realizada em países que ainda permitem a caudectomia. 

Os membros posteriores possuem um movimento muito livre, os ombros são fortes, bem musculosos, longos e inclinados. Os braços são oblíquos, rentes ao tórax.

A ponta do cotovelo deve estar numa linha perpendicular que passa pela extremidade caudal da escápula para o solo. Os antebraços são fortes, retos, com tendões bem marcados. Os metacarpos são bem proporcionados, secos, de bom comprimento e ligeiramente inclinados.

As patas anteriores são fortes, de forma ligeiramente oval; dedos bem arqueados e compactos, com unhas fortes bem curvadas para o solo. As unhas podem ser de cor branca, amarela ou marrom, mais ou menos intensas dependendo da cor da pelagem; almofadas elásticas e secas.

Os membros posteriores têm coxas longas, musculosas com a parte posterior quase reta. Os joelhos são bem angulados, pernas fortes e jarretes largos.

Os metatarsos são relativamente curtos e secos e as patas posteriores possuem as mesmas características dos anteriores. Apresentam ergôs, cuja ausência não constitui defeito. Duplos ergôs são tolerados. 

A marcha natural da raça é caracterizada por um trote amplo e rápido com poderosa propulsão dos posteriores; porte alto da cabeça, tendo a trufa portada alta, de maneira que durante a caça, ela permaneça acima da linha superior.

A pele é consistente, mas elástica; mais fina na cabeça, na garganta, nas axilas e na região ventral do tronco. As mucosas visíveis são de acordo com a cor da pelagem; jamais com manchas pretas.

As mucosas da boca são cor-de-rosa; nos ruãos ou branco e marrom, podem apresentar-se, às vezes, levemente manchadas de marrom ou marrom pálido. O pelo é curto, denso e brilhante; mais fino e curto na cabeça, nas orelhas, nas faces anterior dos membros e nas patas. 

A cor padrão da raça é o branco. Branco com manchas de cor laranja ou âmbar, mais ou menos escuros, de diferentes tamanhos. Branco com manchas maiores ou menores de cor marrom. Branco manchado de laranja pálido, isto é, laranja ruão.

Branco manchado de marrom, isto é, fígado ruão. Nessa última combinação, um reflexo metálico é apreciado, e um sombreado intenso de marrom é preferido, lembrando a cor da túnica de um frade. Uma máscara facial simétrica é preferida, mas a ausência da máscara é tolerada.

Pelo

Curto

Comportamento e cuidados

Comportamento e cuidados

Esta elegante raça tende a ser calma e inteligente, quando se trata de treinamento. Eles são cães fiéis e amorosos, e se dão bem com crianças e outros cães. São perfeitamente adequados para uma família ativa. Eles podem se adaptar a viver em um apartamento, desde que façam quantidade adequada de exercícios. 

Não são cães difíceis de se treinar, desde que haja consistência e firmeza no treinamento. Fiel à sua ascendência, o Braco geralmente gosta de caçar. Mas também pode ser um excelente cão de família. Ele geralmente é calmo, no entanto, ele pode perseguir gatos se não forem treinados.

O seu pelo deve ser escovado uma ou duas vezes por semana, para mantê-lo brilhante e limpo e remover os pelos mortos. Eles geralmente se molham quando bebem água e acumulam sujeira facilmente.

Verifique seus ouvidos semanalmente para se certificar de que eles não cheiram mal ou se tem aspecto de vermelhidão ou estão sujos, o que pode indicar uma infecção no ouvido. O resto se trata de manejo básico, o que envolve escovação dentária semanal e alimentação de boa qualidade.

Sensibilidade a fármacos

Não foram encontrados em literatura relatos de sensibilidade à fármacos específicos relacionados à raça em questão.

Predisposição à doenças

Não foram encontrados em literatura relatos de predisposição à doenças específicas relacionados à raça em questão.

Referências bibliográficas

CBKC Confederação Brasileira de Cinofilia. Padrão Oficial da Raça: Braco Italiano. Disponível em: http://cbkc.org/racas. Acesso em: 15 fev. 2018. 

FOGLE, B. Guia Ilustrado Zahar Cães. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 344 p.

GOUGH, A.; THOMAS, A. Breed Predispositions to Disease in Dogs and Cats. 3º Ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2018. 398 p.

Nestlé Purina Australia. Dog Breeds. Italian Pointer. Disponível em: http://www.purina.com.au/owning-a-dog/dog-breeds/ItalianPointer. Acesso em: 10 fev. 2018

Pet guide. Breeds. Dog Breeds. Italian Pointer. Disponível em: http://www.petguide.com/breeds/dogs/italianpointer. Acesso em: 10 fev. 2018

Vet Street. Dog Breeds. Italian Pointer. Disponível em: http://www.vetstreet.com/dogs/italian-pointer. Acesso em: 10 fev. 2018

Imagem disponível em: https://bepuppyblog-4fef.kxcdn.com/wp-content/uploads/2018/01/Bracco-Italiano-696x503.jpg